AVISO: A partir de 13/07, estamos atendendo na Rua Saint Hilaire 96 (a 5 minutos da clínica antiga), de segunda a sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

Estado de São Paulo: Especialistas alertam – ansiedade em excesso pode ser causa de doenças

A sensação de que o ano voa pode ser um sinal negativo para a saúde, mas não se apavore: há como dar a volta por cima, aprendendo a esfriar a cabeça. Antes de começar a ler a reportagem, escolha um lugar bem confortável, relaxe o corpo e, principalmente, a mente. Você merece um tempo só seu. Se já bateu o olho no final da matéria, você já se entregou: é uma pessoa ansiosa. Não se preocupe. Você não está sozinho. E nem precisa correr para procurar um médico. De acordo com especialistas, geralmente essa sensação não é uma doença, mas um estado emocional natural – algo que, segundo um estudo realizado em 2005 pela Isma (International Stress Management Association Brasil), já atingiu 91% de brasileironos uma vez na vida.

Ana Maria Rossi, que é presidente da Isma e doutora em psicologia, perguntou para mil pessoas (homens e mulheres com idades entre 25 e 65 anos, residentes em Porto Alegre e São Paulo ) se elas se consideravam ansiosas. “Um índice alto de ansiosos já era esperado. Afinal, qualquer pessoa – em diversos momentos da vida – sente esse tipo de emoção. Faz parte da natureza do ser humano”, acredita. Há uma diferença, porém, entre ser e estar ansioso. “O ‘ser’ é uma característica da personalidade e o ‘estar’ é pontual.”

A arquiteta Fernanda Braga Campiolo, de 23 anos, já passou pelas duas situações descritas por Ana Maria. Antes de entrar na faculdade, o nervosismo era tão grande que roía as unhas, devorava tudo o que estava na geladeira e não conseguia concluir qualquer atividade. “Sempre queria as coisas para ontem. Era ansiosa 24 horas por dia e não acreditava no meu potencial”, relata.

Quanto maior a sensação de incapacidade ou passividade para lidar com os desafios da vida, maior a chance de surgir ansiedade. É quando o sentimento de ameaça predomina frente aos obstáculos da vida. “Diante de um problema, uma pessoa pode ficar extremamente ansiosa e outra pode encarar tranqüilamente o desafio. Tudo depende do quanto ela confia em si”, afirma Marcelo Feijó Mello, psiquiatra do departamento de psiquiatria da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Às vezes, livrar-se do problema exige uma brusca mudança de vida. Este é o caso de Debora Salles, 31 anos, que já atuou no ramo da publicidade e hoje trabalha como personal chef. “Sempre fui muito ‘ligadona’ e pegava mil trabalhos para fazer ao mesmo tempo. É claro que não conseguia terminá-los. Foi uma fase bem difícil. Sentia insônia e estava muito estressada. Mudar de trabalho foi a melhor alternativa que encontrei”, revela.

Já a arquiteta Fernanda, após conseguir um emprego, reparou que suas ações não lhe faziam bem. “Resolvi relaxar. Percebi que tudo se concretiza na hora certa. Não adianta brigar com o tempo. Passei a confiar mais em mim”, conta.

NÍVEIS DE ANSIEDADE – Não é tão complicado avaliar qual é o nível de sua ansiedade. Sentir aquele friozinho na barriga, por exemplo, demonstra que não há problema algum com a sua saúde. Caso tenha a sensação de que o coração vai saltar pela boca, que as mãos e os pés estão gelados e o corpo coçando, fique alerta. O que era para ser um processo natural pode virar doença. “Uma ansiedade excessiva pode gerar fobia, estresse e crises de pânico, tornando-se disfuncional, pois passa a controlar a pessoa”, diz Ana Maria.

“Os tratamentos usados para tratar esse tipo de sentimento são técnicas de relaxamento, exercícios que levam ao controle da atividade do organismo, como meditação e ioga”, explica a psicóloga Ana Carolina Kley.

Para os casos de ansiedade excessiva, existem vários tipos de terapia: cognitiva, comportamental e interpessoal. Todas, de acordo com o psiquiatra Mello, são comprovadas cientificamente e obtiveram altos índices de melhora nos pacientes. “Também há medicamentos muito eficazes, como antidepressivos e ansiolíticos.”

Puja Punita, professora de ioga e massagem ayurvédica, avisa que a massagem pode ser uma boa alternativa para aliviar os sintomas da ansiedade. “Esse tipo de tratamento, feito duas vezes por semana, faz com que o padrão respiratório sofra mudanças positivas, expandindo a respiração, melhorando a saúde do corpo e dores na coluna, um dos principais sintomas da ansiedade. Assim, conseguimos ver a beleza da vida”, diz.

Raquel Lima, de 31 anos, optou justamente pelas massagens para ficar mais calma. O momento é oportuno: ela, que trabalha como gerente internacional de hotelaria, está grávida. “Faço ioga e massagem toda semana. Saio da sessão muito mais relaxada e concentrada. Antes do tratamento, não conseguia desligar a mente nem por um minuto. Mesmo assim, não consegui me desfazer dos três telefones que ficam em cima da minha mesa”, admite.

8 dicas para os ansiosos

IOGA

* Para os mais afoitos, procurar uma escola de ioga pode ser uma alternativa. Afinal, respirar tranqüilamente acalma o corpo e a mente. “A ioga faz com que o padrão respiratório sofra mudanças positivas, acalmando a mente”, afirma Puja Punita, professora de ioga.

FLORAIS

* “Florais ampliam a capacidade de comunicação entre a alma e a personalidade, desbloqueando e também limpando o canal de comunicação, promovendo o equilíbrio do corpo”, diz a terapeuta holística Adriana Cardoso. Segundo ela, eles tiram a sensação de “peso nas costas” e a impressão de que nada dá certo na vida.

KUNG FU

* “O Kung Fu proporciona um excelente condicionamento físico, disposição e equilíbrio, além de diminuir a ansiedade”, afirma Gabriel Amorim, fundador do Templo Shaolin. A rotina do treino é puxada: meia hora de exercícios para fortalecer músculos e mais meia hora de prática dos movimentos característicos do esporte. Dá para suar a camisa e esquecer dos problemas!

PILATES

* A professora de pilates Inelia Garcia garante que a técnica ajuda a combater a ansiedade. “Ela melhora a capacidade de relaxamento e controle do corpo, desacelerando a mente. Com isso a pessoa passa a fazer tudo com mais calma”, diz.

ALIMENTAÇÃO

* A comida é a melhor amiga (ou inimiga) de uma pessoa ansiosa. Descontar o estresse em uma macarronada ou se esbaldar no chocolate não resolve a questão. Prefira alimentos saudáveis!

LIAN GONG

* “A prática diária do tipo de exercício nos leva a obter flexibilidade e bem-estar”, ensina Tatta Beltran, professora de Lian Gong. A técnica une medicina terapêutica e conduta física, um conjunto de manobras que objetiva a prevenção e o tratamento de dores físicas e turbulências mentais.

ACUPUNTURA

* Não olhe torto para as agulhas da acupuntura. Segundo o médico Hong Jin Pai, elas não machucam. “É uma leve picada e os resultados são satisfatórios quando se trata de desconfortos na mente.”

SHIRODARA

* “A técnica relaxa a mente por meio de um fio contínuo de óleo morno que cai sobre a testa. Este ponto é chamado de terceiro olho”, afirma Andrea Alves, diretora do Spa Jaya.

Organize sua mente

Christian Barbosa, presidente da Tríade do Tempo, empresa paulistana especializada em gestão do tempo e produtividade, sugere algumas estratégias que podem ser adotadas para combater a falta de foco e diminuir a ansiedade:

Quando você se organiza e define objetivos, consegue saber o que precisa realmente fazer no seu dia. Liste todas as atividades e priorize numericamente;

Quando precisar se focar em uma atividade, desligue completamente seu celular, e-mail e feche a porta. Quanto mais se afastar das possíveis interrupções, mais sucesso terá na sua concentração;

Crie um ritual para sua concentração. Escolha uma música tranqüila que você goste e o ajude a relaxar. Alguns estudos comprovam que a música aumenta a concentração. Isso a colocará em estado de concentração muito mais rápido;

Antes de iniciar seu trabalho, relaxe por alguns minutos. Respire profundamente algumas vezes. Deixe a mente fluir. A pressão diária aumenta a adrenalina e deixa o ritmo mais ansioso e agitado, o que propicia a falta de foco;

Deixar o e-mail ligado diretamente é um vício perigoso e um dos maiores causadores da falta de foco em seu ambiente. Estabeleça horários durante o dia para essa atividade.

AGENCIA ESTADO