AVISO: A partir de 13/07, estamos atendendo na Rua Saint Hilaire 96 (a 5 minutos da clínica antiga), de segunda a sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

Lombalgia

Dor nas costas: o que é dor lombar ou lombalgia?

Você provavelmente sentiu, em algum momento deste ano, algum incômodo nas costas. Reclamou de dor, sentiu desconforto ao sentar ao computador para trabalhar, brincou com a chegada da velhice.

Normal. Afinal, a dor nas costas – ou lombalgia, se quiser usar um termo mais técnico -, é uma das causas mais comuns de visitas ao médico e o principal motivo de limitações de movimentos e faltas ao trabalho na maior parte do planeta, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma das maiores sumidades em saúde do mundo.

Ou seja, se você passou um ou alguns dias um tanto “entrevado” ou andando por aí com a mão na região lombar em busca de alívio, você não está sozinho. A boa notícia é que, embora dolorosa, ela geralmente desaparece sozinha em alguns dias ou semanas, sem a necessidade de um tratamento específico.

No entanto, existem algumas exceções graves e outros pontos importantes que você deve conhecer sobre a sua dor. Neste texto, detalhamos alguns deles.

Lombalgia e Lombociatalgia

Estatísticas e curiosidades

Não é uma tarefa simples estabelecer uma estatística exata para um problema tão comum que muitas vezes sequer é reportado a especialistas, mas conforme a OMS, alguns estudos em países da Europa tentaram se aproximar da dimensão do problema.

  • A chance de um adulto sofrer de dor nas costas ao longo da vida é de 60% a 70% segundo estudos feitos em países industrializados. Em um ano, a incidência chega a variar de 15% a 45%.

 

 

  • No Reino Unido, um estudo identificou que a dor nas costas foi a maior causa de invalidez temporária em jovens adultos, e chega a somar mais de 100 milhões de dias de trabalho perdidos por ano.

 

  • Nos Estados Unidos, o número estimado de dias de trabalho perdidos chega à conta de 149 milhões todos os anos, com um custo estimado em US$ 100 a US$ 200 bilhões todos os anos.

 

  • A dor nas costas não costuma escolher suas vítimas, ao que homens e mulheres têm riscos semelhantes de apresentar o sintoma.
A dor nas costas pode se apresentar de muitas formas diferentes e variar em intensidade, desde um leve incômodo até uma dor aguda e repentina que chega a deixar o indivíduo incapacitado por dias ou semanas.

Características da lombalgia

Não existe uma fórmula única para seu início, sendo ele repentino, como resultado de uma acidente ou após levantar um objeto muito pesado, por exemplo, ou ainda se desenvolver ao longo do tempo em função de mudanças na coluna causadas pelo envelhecimento natural.

Outra ocorrência comum é a dos chamados “atletas de fim de semana”, pessoas que passam a maior parte dos dias como sedentários e se aventuram em atividades físicas intensas e extenuantes apenas uma vez por semana, seja um jogo de futebol, uma trilha ou ainda uma caminhada longa.

O Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos (NIH, na sigla em inglês) indica que a maioria dos casos é de dor aguda, de curta duração, que permanece por alguns dias ou poucas semanas e se resolve sozinha, com alguns autocuidados, e desaparece sem deixar sequela ou perda de função.

As causas exatas da dor, quase sempre não chegam a ser conhecidas, mas a dor costuma ser de natureza mecânica, ou seja, há uma ruptura na maneira como os “componentes” da estrutura das costas se encaixam e se movem (a coluna vertebral, os músculos, os discos intervertebrais e os nervos).

Você conhece sua coluna lombar?

A parte mais baixa da coluna, onde a maioria das dores nas costas acontece, possui cinco vértebras que suportam grande parte do peso da parte superior do corpo, incluindo tronco, membros e cabeça.

Essas vértebras são entremeadas por discos que funcionam como amortecedores de impactos de movimentos para os ossos. Os ligamentos, por sua vez, mantêm as vértebras no seu devido lugar, enquanto os tendões “grudam” os músculos à coluna vertebral.

Importante: como a região lombar é a parte mais baixa da coluna e fica perto da bacia, não é incomum que dores no local sejam confundidas com dores abdominais ou pélvicas.

Divisões e curvaturas da coluna vertebral

Tipos de lombalgia. Identifique a sua.

A lombalgia pode ser classificada em dois tipos: aguda crônica. O que as diferencia é a duração dos sintomas.

 

Dor lombar aguda

A lombalgia aguda acontece por lesão repentina (como um estiramento muscular, por exemplo), sendo geralmente uma dor intensa que aparece após um esforço físico ou um movimento inadequado.

Felizmente, a lombalgia, na maioria dos casos, costuma ir embora sozinha dentro duas a quatro semanas.

Se a dor se prolongar por mais de seis semanas, devem ser feitas investigações para a confirmação do diagnóstico, avaliação do tratamento e, se necessário, elaboração de um plano abrangente de reabilitação.

Os profissionais habilitados a tratar o problema são o fisiatra, o ortopedista, o reumatologista ou o neurocirurgião.

 

Dor lombar crônica

Já a lombalgia crônica pode acometer pessoas de todas idades – embora seja mais frequente a partir da quarta década de vida – e se apresenta com dor moderada a intensa, de duração superior a três meses e com importante incapacitação física. Ainda que possa aparecer em qualquer pessoa, sabe-se que o pico desse diagnóstico é entre a quarta e a sexta década de vida, ou seja, em pessoas de idade ativa.

Segundo o NIH americano, cerca de 20% das pessoas afetadas por dor aguda acabam evoluindo para um quadro crônico, com sintomas que chegam a persistir por um ano. Em indivíduos com menos de 45 anos, a lombalgia mecânica representa a causa mais comum de incapacitação e, em geral, está associada a uma lesão ocorrida no trabalho.

Já em indivíduos com mais de 45 anos, a lombalgia mecânica é a terceira causa mais comum de incapacitação.

Alguns dos diagnósticos comuns para esse tipo de dor incluem lombalgia músculo-esquelética – como a dor lombar pela síndrome dolorosa miofascial, hérnia de disco, degeneração do disco, distensão muscular, estenose da medula espinhal, compressão por fratura devido à osteoporose, e artrites (osteoartrose ou artrite reumatoide, por exemplo).

Artrose, bico de papagaio, osteofito, degeneração do disco

Causas de dores lombares

Embora a medicina saiba que a maior parte das dores na lombar decorrem de rupturas simples por movimentos repetitivos, carregamento de peso ou má postura, uma série de fatores podem estar associados ao seu aparecimento.

Estudos acadêmicos já mostraram, por exemplo, que fatores de saúde mental, clima, hábitos alimentares e de vida podem ter relação com a lombalgia.

Sedentários ou obesos, por exemplo, estão mais expostos aos sintomas, mas fumantes e pessoas que sofrem de depressão também podem apresentar dor na região lombar. Até mesmo fatores genéticos, alterações no clima e mesmo mudanças na pressão atmosférica podem ter relação com o aparecimento dos sintomas.

Fatos e números

Até 90% das crises de lombalgia se resolvem em no máximo seis semanas.

No entanto, 60% das pessoas podem apresentar uma nova crise em até 2 anos.

Doenças associadas e demais causas de dores lombares

Como você viu até aqui, em grande parte das vezes a dor nas costas decorre de algum movimento incorreto ou sobrecarga e desaparece quase tão facilmente quanto apareceu. No entanto, existem alguns casos em que a lombalgia é apenas uma manifestação de outra doença associada.

A lista abaixo contém algumas possíveis causas para a dor nas costas desde os fatores emocionais, como o estresse (que pode levar a contraturas musculares e, consequentemente, dores), até problemas passíveis de diagnóstico e tratamento médico, como hérnias de disco.

Postura inadequada

Má postura ao dirigir ou dormir pode causar problemas como dores lombares e hérnia de disco, por fazer uma sobrecarga na musculatura da coluna vertebral, nos discos intervertebrais e nas articulações facetárias.

Hérnia de disco

A hérnia de disco gera a pressão dos nervos da coluna, provocando dor na região da lombar. A dor geralmente irradia por uma das pernas, com sensação de choque e formigamento.

Dor ciática (ciatalgia)

ciatalgia, é a dor ao longo do curso do nervo ciático, geralmente resultado de comprometimento de raiz nervosa na coluna, mas pode ser também por compressão ou inflamação do próprio nervo.

Inflamação ou distensão muscular

A região lombar está propensa a certa tensão por causa de sua função de suporte de peso e por sua participação no movimento, torção e flexão.

Síndrome do piriforme

A síndrome do piriforme é uma dor resultante de uma inflamação no nervo ciático quando ele passa pelo músculo piriforme, podendo gerar dor no quadril e nas pernas.

Síndrome Dolorosa Miofascial

É uma causa comum de dor no músculo caracterizada pela presença de pontos gatilhos, que geram dor local ou à distância (referida). É causa comum de dor crônica.

Degeneração discal (espondiloartrose)

A degeneração não chega a ser uma doença, mas sim um acontecimento normal do processo de envelhecimento. Esse desgaste normal acomete a coluna como um todo, de modo proporcional e compatível com a idade.

Escorregamento de vértebra (espondilolistese)

A espondilolistese é o escorregamento ou a luxação de um corpo vertebral sobre o outro, podendo gerar sobrecarga articular e pinçar nervos, gerando uma dor neuropática importante.

Dor facetária (artrose da articulação da coluna)

Síndrome facetária é uma condição comum na qual as articulações das juntas das vértebras, responsáveis pela estabilidade e flexibilidade espinhais, ficam inflamadas e inchadas.

Problemas emocionais, ansiedade e stress

O estresse provoca diversos efeitos nocivos na vida das pessoas. Dor nas costas pode ser um deles.

A artrose da coluna é o desgaste das articulações desta área do corpo e provoca sintomas como dor e dificuldade para movimentar

Causas raras e incomuns de dores nas costas

Casos ainda mais graves, como infecções ou tumores também podem apresentar dor nas costas como um dos seus sintomas. Nesses casos, tratar apenas a dor, sem avaliação correta e aprofundada por um profissional, significa apenas mascarar o sintoma e postergar o tratamento adequado.

É por isso que nunca é demais reforçar que, em caso de dor persistente, um médico especialistas deverá ser consultado, para uma investigação detalhada e aprofundada.

A lista abaixo contém algumas condições pouco frequentes (juntas, elas respondem por menos de 1% das ocorrências), porém graves que podem estar por trás de uma dor nas costas insistente:

Infecções

Não são uma causa comum de dor nas costas, mas podem causar dor quando envolvem as vértebras, uma condição chamada osteomielite, ou os discos intervertebrais, conhecida como discite.

Tumores

Também são uma causa relativamente rara de dor nas costas. Pode ser que tumores cresçam já diretamente nas costas, mas o mais comum é como resultado de metástases (cânceres que se espalharam a partir de outra parte do corpo). A dor causada pelo tumor na coluna é tipicamente persistente e progressiva e não melhora com o repouso. Muitas piora à noite, acordando o paciente do sono.

Síndrome da cauda equina

É uma complicação rara, mas grave de uma hérnia de disco. Ocorre quando o material do disco é empurrado para dentro do canal vertebral e comprime o feixe de raízes nervosas lombares e sacrais, causando perda de controle da bexiga e do intestino. Pode resultar em dano neurológico permanente se não for tratada.

Aneurismas da aorta abdominal

Ocorrem quando a artéria que fornece sangue para o abdômen e pernas aumenta de tamanho. Dor nas costas pode ser um sinal de que o aneurisma está crescendo e que o risco de ruptura deve ser avaliado.

Pedras nos rins

Podem causar dor aguda nas costas, normalmente apenas em um dos lados. A dor costuma ser aguda, piorar com o tempo e não melhora com a mudança de posição.

De onde vem essa dor? Como cada crise acontece?

Na lombalgia mecânica, tipo mais comum de lombalgia, a dor não irradia para outros lugares do corpo, como a coxa, e costuma passar depois de um tempo com ou sem o tratamento.

Já na hérnia de disco, o paciente faz algum esforço, o material nuclear é impelido para trás através das fibras do anel fibroso. Nesse momento o indivíduo não sente dor alguma, mas, durante a noite, por causa da maior embebição aquosa do núcleo e da elevação da pressão intradiscal, as fibras se rompem. Horas depois, a pessoa começa a sentir uma dor aguda e intensa, que costuma irradiar para as pernas.

No osteoma osteoide, um tipo de tumor ósseo benigno relativamente comum, a dor começa com a liberação de prostaglandinas pelas células tumorais durante a noite. O paciente relata incômodo nesse período e também no começo do dia.

No caso de estreitamento do canal raquidiano, a dor lombar vem durante a noite e melhora ao se sentar. Algumas vezes aparece acompanhada de dor também na panturrilha e piora a dor ao caminhar, principalmente na descida.

 

Padrao de dor ciatica depende da altura da lesão do disco

Fatores de risco para dores nas costas

Você já entendeu que a dor lombar pode acometer qualquer pessoa, de qualquer idade, sexo e nível de atividade, mas se você está em um grupo de risco, pode estar mais exposto a sofrer com os sintomas.

Condições como gravidez, idade, baixo nível de condicionamento e a existência de doenças pré-existentes, como a fibromialgia, podem favorecer o incômodo.

Esses fatores incluem:

Idade

Conforme as pessoas envelhecem, a perda de força dos ossos pela osteoporose pode levar a fraturas. O tempo também leva a uma diminuição natural da elasticidade e do tônus muscular. Os discos intervertebrais começam a perder líquido e flexibilidade com a idade (degeneração discal), o que diminui sua capacidade de amortecer o impacto entre as vértebras. O risco de estenose espinhal também aumenta com a idade.

Sedentarismo

Musculatura abdominal e lombar enfraquecidas podem não suportar corretamente a coluna vertebral. Além disso, alguns estudos mostram que o exercício aeróbio de baixo impacto é benéfico para a manutenção da integridade dos discos intervertebrais.

Gravidez

É comum mulheres sentirem incômodo na lombar na gestação devido ao peso extra na região e alterações pélvicas. Os sintomas quase sempre desaparecem após o parto.

Ganho de peso

Estar acima do peso, obeso ou ganhar uma quantidade significativa de peso rapidamente pode colocar pressão sobre as costas e levar a dor lombar.

Genética

Algumas causas de dor nas costas, como a espondilite anquilosante, por exemplo, têm um componente genético.

Atividade profissional

Exercer uma profissão que requer o levantamento de pesos ou movimentos repetitivos que envolvem torções da coluna e posturas inadequadas, pode levar a lesões e dores. Mesmo um trabalho de escritório também pode contribuir para a dor, especialmente se você senta de forma inadequada ao computador ou durante longas horas sem descanso.

Doenças mentais

Condições como ansiedade e depressão podem influenciar na dor crônica, bem como a percepção da sua gravidade. Pelo lado reverso, dores crônicas também pode contribuir para o desenvolvimento de doenças psicológicas. O estresse também pode afetar o corpo de várias maneiras, inclusive causando tensão muscular.

Mochilas muito pesadas

Dor lombar não relacionada à lesão ou outra causa conhecida é incomum em crianças pré-adolescentes, mas mochilas sobrecarregada com livros e materiais podem estirar a musculatura e ligamentos e causar fadiga muscular. A recomendação da Academia Americana de Cirurgia Ortopédica recomenda que o peso da mochila escolar não tenha mais que 15% a 20% do seu peso corporal.

Diagnóstico e exames complementares

ressonancia-lombalgia

A primeira coisa a se saber é que a dor na região lombar tem muitas vezes sua causa difícil de ser identificada, mesmo após um exame clínico minucioso, mas existem alguns procedimentos e exames que o médico pode solicitar a fim de investigar o que pode ter levado à lesão.

A grande maioria dos casos (cerca de 90%, segundo o NIH) é diagnosticada em consultório, com uma conversa entre médico e paciente associada a um exame clínico, sem necessidade de exames de imagem ou laboratoriais.

Durante o exame, o especialista deve perguntar sobre o início da dor, o local e a severidade dela, há quanto tempo o paciente sente os sintomas e se eles causam limitações de movimento, além do histórico recente de acidentes ou condições de saúde que possam ter relação com a dor.

A avaliação clínica, em geral, inclui um exame minucioso da musculatura e dos ligamentos, além de testes neurológicos a fim de que se estabeleça uma hipótese diagnóstica para, só depois, elaborar um plano de tratamento adequado. Por exemplo, se a causa da dor for a síndrome dolorosa miofascial, o que é bastante comum, o médico pode sentir nódulos e identificar pontos dolorosos (gatilhos), por um exame de tato.

 

Exames complementares

Caso haja necessidade, o médico pode solicitar uma radiografia ou, em alguns casos, uma ressonância magnética para complementar o diagnóstico. Outros exames menos frequentes, mas que também pode auxiliar no diagnóstico, é a densitometria óssea, usada para o diagnóstico de osteoporose.

Os exames de imagem geralmente são solicitados para exclusão de doenças graves, como infecções, tumores ou compressões de nervos.

Os mais frequentes são:

  • Radiografia da coluna (raio-X): Costuma ser a primeira técnica de imagem usada para procurar ossos quebrados ou uma vértebra lesada. Esse exame mostra as estruturas ósseas e qualquer desalinhamento vertebral ou fraturas, mas tecidos moles como músculos e ligamentos não são visíveis nas radiografias convencionais.
  • Tomografia computadorizada: Permite ver as estruturas da coluna vertebral que não podem ser vistas nas radiografias convencionais, tais como uma ruptura de disco, uma estenose espinal ou, ainda, tumores.
  • Ressonância magnética: As ressonâncias também produzem imagens dos tecidos moles. Esse exame pode ser solicitado caso o médico suspeite de alguma patologia mais grave (como infecções, tumores, inflamações, rupturas ou hérnia de disco). Na maioria dos casos, a menos que haja “bandeiras vermelhas” na história ou no exame clínico, a ressonância não é necessária durante as primeiras fases da dor lombar.
  • Eletroneuromiografia: É um exame minimamente invasivo usado principalmente para confirmar suspeita de radiculopatia lombar, ou seja, dor devido à compressão de nervos periféricos ou hérnia de disco. Agulhas muito finas são inseridas nos músculos para medir a atividade elétrica transmitida a partir do cérebro ou da medula espinhal de uma área particular do corpo e testes de condução nervosa motora e sensitiva também são realizados para se avaliar a integridade do sistema nervoso periférico.

Vale dizer que, na ausência de quaisquer achados no exame neurológico e sem evidência de infecção ou câncer, os exames de imagem não têm utilidade clínica nas primeiras 4 semanas de sintomas.

Quebec Task Force of Spinal Disorders (Força Tarefa de Quebec para Doenças da Coluna, em tradução livre) preconiza que as radiografias precoces devem ser solicitadas apenas se o paciente tiver dano neurológico, febre, trauma, mais de 50 anos ou menos de 20 ou sinais de neoplasia (tumores).

poses de yoga para lombalgia

Tratamentos para dor na região lombar

Você já leu acima que até 90% dos casos se resolvem em poucas semanas. Uma notícias ainda melhor é que para grande parte deles, ainda, basta um tratamento conservador (não cirúrgico), aliando algumas técnicas simples como:

  • Exercícios posturais
  • Alongamentos
  • Medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios (orais ou tópicos)
  • Correntes elétricas transcutâneas (leia mais sobre o TENS)
  • Bolsas de água quente
  • Infiltrações na coluna (com medicamentos anestésicos ou corticoides)
  • Acupuntura

Vale dizer que há um senso comum que rege que basta um um bom alongamento ou uma massagem para que o problema desapareça.

Nem sempre, no entanto, isso é verdade. Estudos científicos têm demonstrado que manter-se ativo, principalmente no caso de pessoas com dores agudas sem irradiação para as pernas, pode ser benéfico para afastar os sintomas. Além disso, as outras abordagens terapêuticas podem ser importantes não apenas para as dores, mas também para a saúde integral do paciente.

Embora alguns casos extremos necessitem de cirurgia para recuperação total, ela é a última escolha para o tratamento da lombalgia mecânica.

Quanto aos medicamentos, as prescrições para alívio da dor lombar podem incluir analgésicos, anti-inflamatórios não-esteroides, analgésicos tópicos, relaxantes musculares, opioides, corticosteroides, antidepressivos e anticonvulsivantes, a depender da extensão dos sintomas e da gravidade da lesão. O médico especialista dirá sobre a necessidade deles ou não e quais servirão melhor ao caso do paciente em avaliação

 

 

Etapas do tratamento

O tratamento completo da lombalgia mecânica passa por três fases, descritas nas etapas a seguir:

  1. Controle da dor e do processo inflamatório
  2. Restauração da amplitude de movimento articular e extensibilidade dos tecidos moles
  3. Melhoria da força e resistência muscular
  4. Reeducação da coordenação
  5. Melhoria da condição cardiovascular geral
  6. Programas de exercícios de conservação

Prevenção da lombalgia

Nem sempre é possível prevenir a lombalgia, mas algumas atitudes simples podem ser tomadas para evitar que ela apareça e, de quebra, ainda melhorar a sua qualidade de vida. Em crise ou não de dor nas costas, preste atenção às dicas a seguir:

  • Alinhe sua postura ao deitar ou sentar para evitar dores
  • Quando fizer exercícios com peso, proteja suas costas. O ideal é usar um apoio para as costas quando for realizar um movimento sentado ou deitado
  • Evite carregar peso excessivo
  • Ao se abaixar, flexione os joelhos e mantenha a coluna reta
  • Evite colchões moles ou duros demais. O ideal é que ele não ceda muito durante a noite, ou seja, que não se deforme demais quando você se deita
  • Isso também vale para o travesseiro. Ele também não deve ser muito alto ou muito baixo para não deixar a coluna desalinhada
  • Mantenha-se no peso ideal para sua altura. Pessoas acima do peso possuem menos flexibilidade da coluna, além de menor resistência das articulações e menos força muscular. A gordura da região abdominal desloca a coluna para frente, sobrecarregando os músculos das costas. Já os magros podem ter problemas nutricionais, como deficiência de cálcio substância que, quando escassez, pode levar à osteoporose e fraturas nos ossos
  • Assista televisão sentado, com a cabeça alinhada ao tronco e as costas apoiadas no sofá. Evite deitar com a cabeça no braço do sofá: essa posição favorece dores no pescoço, semelhantes ao torcicolo
  • Faça atividades físicas pelo menos três vezes por semana. Pessoas sedentárias frequentemente têm pouca flexibilidade, além de fraqueza os músculos das costas, quadril e coxas. Esse quadro pode restringir o movimento das articulações, inclusive nas tarefas cotidianas
  • Atenção também no escritório. Ajuste o monitor do computador para que ele fique na altura dos olhos. O teclado deve ficar em um ângulo de noventa graus com os cotovelos e os punhos precisam estar na mesma linha que o teclado. Nossa cabeça pesa em torno de cinco quilos. Logo, se você se abaixar para olhar o monitor, todo o peso dela ficará a cargo da coluna
  • Ainda sobre o trabalho, não fique muito tempo sentado. Procure fazer pausas a cada 30 minutos para levantar e fazer rápidos alongamentos
  • Evite sentar com as pernas cruzadas. Deixe-as alinhadas e ligeiramente afastadas, com os pés firmemente apoiados no chão. A altura da cadeira deve ter a mesma distância entre seu joelho e o chão. Sente-se sobre o osso do bumbum, com seu quadril levemente para frente. Os braços devem pender ao lado do corpo, sendo que os antebraços ficam apoiados na mesa de trabalho

Soluções simples para crises de dores lombares

Se você fez tudo certo e ainda assim acordou com a lombar dolorida, existem algumas coisas que você pode fazer em casa para tentar aliviar os sintomas. Lembre-se de procurar um médico caso os sintomas durem por semanas ou sejam muito intensos.

  • Para alívio imediato, faça compressas quentes no local por 15 minutos. Sua função é melhorar a corrente sanguínea e relaxar os músculos, diminuindo a intensidade da dor
  • Faça massagens locais. Uma boa dica é usar o óleo de lavanda e massagear a região de duas a três vezes ao dia, sem forçar demais os músculos
  • Considere a acupuntura. A técnica também pode tratar dor nas costas, mas o tratamento deve ser feito por profissionais de qualidade. A acupuntura tem ação local analgésica, anti-inflamatória, e relaxante muscular, trazendo em poucas sessões melhora na contratura muscular e, consequentemente nas dores. Outros efeitos benéficos secundários são a melhora do sono, e de outros fatores concomitantes associados às dores como stress e ansiedade

Perguntas frequentes sobre dores lombares

hernia-de-disco-marcus-yu-bin-pai

1. Qual a diferença entre dor lombar inflamatória e mecânica?

Se a sua dor piora quando você está parado e melhora com o movimento, possivelmente ela vem de um processo inflamatório. A dor que piora com o movimento e alivia quando em repouso costuma ser característica da lombalgia mecânica.

Quando a dor é fixa e não apresenta melhora pode ser tumoral ou infecciosa.

 

2. Por que é importante avaliar com cuidado a irradiação da dor?

A dor lombar simples geralmente não irradia, por isso merece investigação quando apresenta esse tipo de sintoma. Quando ele vai até o joelho, pode estar relacionada com estruturas da própria coluna. Se é sentida abaixo do joelho, é radicular.

 

Analisar o trajeto da dor permite identificar a origem da dor e, assim, avaliar a melhor opção de tratamento.

3. Erros no diagnóstico pelos médicos são comuns? Por quê?

Muitos pacientes não conseguem apontar exatamente onde está sua dor. Somado a isso, existe hoje uma supervalorização dos exames de imagens. Essa é a principal fonte de erro nos diagnósticos, porque os exames, embora importantes para verificar infecções e neoplasias, são inespecíficos.

Alguns médicos também negligenciam o exame físico e a anamnese, muito importantes para a definição do diagnóstico correto.

 

4. Quais os principais aspectos da anamnese?

Uma boa anamnese é capaz de diagnosticar com precisão uma lombalgia mecânica e, por isso, é importante que você cobre do seu médico essa avaliação.

Nela, o especialista avalia vários aspectos como a evolução da dor, o ritmo, a presença de outros sinais, como febre e perda de peso, e uma má resposta a tratamentos anteriores.

A anamnese também leva em conta a irradiação da dor, o que ajuda a melhorar ou a piorar o sintoma, quando ele teve início, entre outros detalhes.

Mitos e verdades sobre dores lombares

lombalgia-prevencao

1. A dor lombar só ocorre na região das costas – MITO

O corpo humano é interligado por nervos, por isso você também pode sentir dor nas pernas. Isso acontece porque toda a inervação dos membros inferiores, tanto a sensitiva como a motora se origina na região lombar. Por isso, se essa região é afetada (em uma lesão por hérnia de disco ou ciática) o paciente também pode sentir dor nas pernas e até no pé.

2. O excesso de peso é uma das principais causas – VERDADE

O excesso de peso aumenta a pressão na região lombar, podendo sobrecarregar os músculos e articulações. Assim, o sobrepeso pode originar a dor e é uma das principais causas. É importante saber que ele nem sempre pode ser considerado um fator conclusivo, muitas vezes estando associado à outras questões, como alterações posturais ou sedentarismo.

3. Nem sempre a dor na região lombar é devido à travamento de músculo ou contratura – VERDADE

A dor nas costas pode sinalizar outros problemas de saúde que não tem relação nenhuma com a lombalgia. Essa dor pode ter origem variada, pois ela ser causada por um problema no aparelho urinário, por exemplo. Alguns médicos consideram a lombalgia um sintoma e não uma doença, mas mesmo assim a dor pode ser causada por outros problemas.

4. O tratamento da dor pode ser resolvido em pouco tempo – MITO

O tratamento da lombalgia não é fácil, ela exige muitas mudanças de hábitos. A maioria dos casos de dores lombares são agudas e auto-limitantes. No entanto, as lombalgias crônicas necessitam de maior atenção, devido a possibilidade de piora na qualidade de vida.

O médico precisa avaliar com cuidado a situação do paciente para encontrar o tratamento mais indicado. Algumas vezes o paciente precisa passar por muitas horas de fisioterapia e exercícios físicos.

Outras opções de tratamentos incluem yoga, acupuntura, infiltrações e bloqueios anestésicos. Raramente se precisa passar por cirurgia.

5. A lombalgia surge apenas em idosos – MITO

Antigamente até era verdade, mas nos dias de hoje a lombalgia tem ficado cada vez mais comuns em crianças, jovens e adultos. É claro que o problema aparece de intensidades diferentes, mas se você é jovem e passa muito tempo na frente do computador ou senta de maneira errada, corre o risco de sofrer lombalgia.

Observe sempre sua postura, e faça atividade física.

Protrusão Discal (protusão) causa dor nas costas, formigamento e, as vezes, até fraqueza. Dor nas costas deve ser tratada

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorando em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).

18 Comentários

Deixe o seu comentário.
  • Amei, me esclareceu muito a matéria.

  • Joseval antonio ribeiro da anunciação

    Otima explicacao tirou toda minhas duvidas vou procura o tratamento correto para o meu problema o meu e radicular.

  • Esclareceu muito, obrigada! Estou com uma lombalgia crônica há mais de um ano. Iniciei o tratamento esse mês com um opióide, vamos ver se vai melhorar….já fiz 30 sessões de acupuntura, 20 de fisioterapia e 10 de RPG, está difícil…

  • Adorei as explicações, geralmente vejo sites poucos informativos sobre este assunto. Era bailarina clássica profissional e hj tenho 4 hérnias discais, apesar de ter um ótimo alongamento, entro em crises e a única coisa que me tira a dor é a acupuntura. A última crise durou 3 meses de tratamento entre fisio, RPG, medicamentos…

  • Matéria muito esclarecedora. Deu exatamente para entender o problema. E uma dor muito ruim que limita as pessoas. Muito obrigado
    Deus o abençoe sempre

  • Ótima explicações ref. as dores Lombar – O meu problema maior é pelo amanhecer, a dor fica quase insuportável – vou atrás da solução – valeu o tempo lido. gracias

  • Muito obrigado Dr!!
    Matéria ótima!

  • Excelente! Muito esclarecedora

  • Ótima abordagem sobre o tema. Antes da pandemia do Covid-19, fazia exercícios na academia três vezes na semana, tinha uma vida normal, conhecedora do meu problema de hérnia de disco, artrose facetária e espondilolistese. A falta do exercício me deixou com dores que só passam com analgésicos fortes. Não consigo fazer serviços domésticos. Moro em Fortaleza/CE e gostaria, se possível, de uma indicação médica para tratamento em minha cidade.

  • Artigo muito bem escrito e esclarecedor. Parabéns!

  • Valeu apena ter dado um golpe de vista nesta me deixou bem esclarecido

    Valeu apena ter dado um golpe de vista nesta me deixou bem esclarecido

  • olá Prof.
    Muito obrigada pela partilha. ajudou muito.
    Vou seguir rigorosamente as orientações do meu médico e com este esclarecimento irei apostar na prevenção para não ter surpresas desagradáveis no futuro.

  • Excelente apresentação
    Parabéns

Deixe o seu comentário

Send this to a friend