CENTRO DE TRATAMENTO DE DOR: Dor, Acupuntura Médica, Ondas de Choque, Fisiatria e Fisioterapia.

Eventos adversos relacionados à acupuntura: revisão sistemática e meta-análise

Este é um resumo do artigo original “Acupuncture-related adverse events: systematic review and meta-analyses of prospective clinical studies” escrito por Petra Bäumler e seus colaboradores.

 

A acupuntura é amplamente utilizada mundialmente. A técnica se baseia na inserção de agulhas finas em pontos definidos no corpo do paciente para fins terapêuticos ou preventivos, e tem crescido cada vez mais ao longo dos anos.

Já se provou eficiente nos tratamentos para dor musculoesquelética crônica e cefaleia, dor pós-operatória, náuseas e vômitos pós-operatórios, bem como rinite alérgica. Além disso, existem evidências promissoras de seu potencial papel no tratamento de várias outras indicações, como reabilitação de AVC, depressão, artralgia induzida por inibidores de aromatase e asma.

Algumas dessas condições são crônicas e o uso de fármacos no longo prazo pode acarretar alguns efeitos colaterais, por isso são necessários dados sobre os efeitos adversos da acupuntura para que haja considerações de risco-benefício baseadas em evidências essenciais para a tomada de decisão clínica.

BMJ OPEN ACUPUNTURA
A acupuntura pode ser considerada um dos tratamentos mais seguros da medicina. Os efeitos adversos são raros. Os efeitos adversos que requerem cuidados médicos são incomuns, mas exigem competência médica para garantir a segurança do paciente.

Existem controvérsias em relação à segurança, visto que os estudos que existem não fornecem todas as informações para garantir como seguro o procedimento. Portanto, o objetivo desta revisão foi fornecer um resumo atualizado de estudos prospectivos que foram especialmente concebidos para avaliar eventos adversos relacionados à acupuntura com agulha com estimulação manual ou elétrica e em combinação com ou sem moxabustão.

Até o momento, esta é a primeira revisão sistemática de estudos prospectivos que fornece estimativas de risco resumidas para efeitos adversos relacionados à acupuntura derivados de meta-análises. Os resultados obtidos sugerem que um efeito adverso (mínimo) pode ser esperado a cada 10 pacientes que realizam uma série de tratamentos com acupuntura e, principalmente, a cada 13 tratamentos.

Os efeitos adversos menores eram comuns e representavam a grande maioria dos efeitos adversos relatados. Cerca de metade dos efeitos adversos menores relatados são geralmente leves e transitórios ou podem até mesmo ser considerados como parte do tratamento de acupuntura ou reações terapeuticamente pretendidas (sangramento, dor no local da agulha e exacerbação ao redor do local da agulha).

Eventos adversos sérios podem ser esperados raramente em cerca de a cada 10.000 pacientes no decorrer de uma série de sessões de acupuntura e, no geral, a cada 125.000 tratamentos.

As análises de sensibilidade excluindo estudos com zero incidências de efeitos adversos sérios ainda sugerem que eles são raros (a cada 7.000 pacientes e a cada 60.000 tratamentos), particularmente em comparação com o risco de efeitos adversos sérios associado a tratamentos farmacológicos.

Os efeitos adversos que requerem tratamento ocorrem raramente a cada 900 tratamentos, mas os efeitos adversos adicionais provavelmente também envolveram a tomada de decisões médicas sobre diagnósticos e acompanhamento adicionais.

Com meta-análises para o risco geral de efeitos adversos relacionados à acupuntura cobrindo mais de 845.637 pacientes submetidos a mais de 7,4 milhões de tratamentos e para o risco de eventos adversos sérios cobrindo mais de 1,2 milhões de pacientes e 10,6 milhões de tratamentos, a quantidade de dados é equivalente à de a segurança de, por exemplo, analgésicos comuns.

acupuntura

Este trabalho aumenta os insights sobre eventos adversos relacionados à acupuntura de revisões anteriores com critérios de elegibilidade restritos ou com foco em relatos de casos. Inclui dados dos maiores e mais rigorosos ensaios sobre segurança da acupuntura, por exemplo, a partir dos grandes estudos de coorte nacionais conduzidos no Reino Unido e na Alemanha, que ainda não foram agregados.

Assim, os resultados fornecem suporte rigoroso para a conclusão tirada anteriormente de que a acupuntura está entre os tratamentos seguros em medicina onde raramente ocorrem efeitos adversos sérios e metade dos efeitos adversos menores comuns sendo leves e transitórios. Os eventos adversos incomuns que requerem tratamento requerem sólida competência médica dos acupunturistas.

Efeitos adversos menores comuns foram sangramento, dor e outras reações locais no local de inserção da agulha, reações vegetativas, agravamento dos sintomas e alguns efeitos relacionados ao sistema nervoso central (1–5 em 100 pacientes). Isso está de acordo com outras revisões também sobre acupuntura auricular e pediátrica. Todos os outros tipos de efeitos adversos menores podem ser considerados incomuns (1–7 por 1000 pacientes), apesar das reações respiratórias que ocorreram muito raramente (4 por 10.000 pacientes).

Os efeitos adversos sérios mais frequentemente relatados foram pneumotórax, fortes reações cardiovasculares ou vasovagais e queda ou trauma com um a três casos em um milhão de tratamentos.

Vários outros efeitos adversos graves às vezes fatais descritos repetidamente em relatos de casos não foram observados nos estudos incluídos, por exemplo, lesões traumáticas de órgãos internos, infecções locais e sistêmicas, sangramento subaracnoide, endocardite infecciosa e tamponamento cardíaco. Isso é provavelmente devido ao fato de que os acupunturistas, na maioria dos estudos, eram bem treinados, pois afirma-se que os efeitos adversos sérios podem ser evitados com o treinamento e a prática adequados da acupuntura.

Da mesma forma, casos de negligência na acupuntura foram incomuns nos estudos incluídos.

 

BMJ OPEN SEGURANCA ACUPUNTURA
Conclusões

A acupuntura pode ser considerada um dos tratamentos mais seguros da medicina. Raramente causa efeitos adversos sérios, e a maioria dos efeitos adversos menores comuns são muito leves. Efeitos adversos que requerem tratamento médico são incomuns.

Para a segurança ideal do paciente, os regulamentos de padrões de educação em acupuntura devem refletir que a sólida competência médica dos acupunturistas é necessária para gerenciar os efeitos adversos de maneira adequada e minimizar o risco de negligência médica.

A heterogeneidade clínica e metodológica exige um consenso internacional sobre ferramentas de avaliação de efeitos adversos em estudos de acupuntura e critérios para diferenciar efeitos adversos relacionados à acupuntura de reações terapeuticamente desejadas, bem como a identificação de fatores de risco relacionados ao paciente para efeitos adversos relacionados à acupuntura.

Em particular, estudos comparativos de segurança são necessários para contrastar a acupuntura com o tratamento padrão em suas principais indicações.

Clinica Hong Jin Pai Sao Paulo e1621991307344

RUA SAINT HILAIRE 96 – JARDIM PAULISTA – SÃO PAULO – SP

Clínica de Dor, Fisiatria e Acupuntura Médica

Clínica médica especializada localizada na região dos Jardins, próximo à Av. Paulista, em São Paulo — SP.

Centro de Dor, com médicos especialistas pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Tratamento por Ondas de Choque, Infiltrações, Bloqueios anestésicos e Acupuntura Médica

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorado em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Presidente do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira de Regeneração Tecidual (SBRET). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).  

Deixe o seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.