CENTRO DE TRATAMENTO DE DOR: Dor, Acupuntura Médica, Ondas de Choque, Fisiatria e Fisioterapia.

Sobre a Acupuntura

A prática de Acupuntura (ACP) começou no passado provavelmente pela necessidade de alívio de dores. Conforme pesquisas arquelógicas, antigos moradores da região central da China já desenvolviam há mais de 5 mil anos uma técnica de analgesia gerada pela introdução de algum instrumento perfuro-cortante na área de dor, como uma forma simples e primária de terapia analgésica.

Mais tarde, com a melhora dos instrumentos e a evolução da observação clínica, novas técnicas e teorias foram aperfeiçoadas.

O livro de Huang Di Nei Jing (Livro do Imperador Amarelo), escrito entre os séculos V e I a.C., é o primeiro livro sobre Acupuntura. Neste livro, já havia uma classificação da dor, com diversos instrumentos para tratamento de cada condição dolorosa e diferentes métodos de manuseios de agulhas para alívio doloroso. Por exemplo, para a dor superficial, já se propunha a inserção de agulhas na camada dérmica e, para a dor de origem muscular, a inserção profunda.

Hoje, semelhantemente, tratamos a dor da neuropatia diabética com a inserção horizontal das agulhas na camada dérmica e a dor miofascial pelo agulhamento profundo. Assim, o Livro do Imperador Amarelo pode ser considerado como o primeiro guia para a aplicação terapêutica da ACP.

A linguagem criada pelos mestres chineses antigos para descrever as funções orgânicas e os mecanismos de ação da terapia por Acupuntura resultou de observações clínicas ao longo da história e serviu como base para a medicina chinesa. Essa descrição peculiar dos fatos clínicos observados, aparentemente incompreensível, é passível de ser explicada em linguagem médica atual.

Como exemplos, o conceito de equilíbrio entre Yin e Yang pode ser uma representação das relações de antagonismo e complementação de funções dos sistemas neurovegetativos simpático e parassimpático; o conceito de Qi Vital inclui a ideia de resistência imunológica; a dor inflamatória ou quadros dolorosos com sensação de ardência ou queimação, muitas vezes reconhecido como alodínea, são descritas na linguagem tradicional como dor relacionada ao calor ou fogo; e por fim, a dor pela estase de Qi descreve as características fisiopatológicas da dor miofascial.

Há mais de 20 séculos a Medicina Tradicional Chinesa (MTC) já descrevia a relação de sintomas dolorosos com distúrbios emocionais, o sedentarismo, as condições climáticas, o ambiente e o estado geral do indivíduo. Portanto, já se recomendava boa nutrição, mente calma, vida regrada e exercício físico regular e sem exagero.

Entretanto, os textos sobre acupuntura e seus conceitos publicados no Ocidente foram, em geral, mal traduzidos de idiomas não–chineses, induzindo a muitas deturpações do significado original, interferindo na real leitura da mesma e compro-metendo a compreensão da acupuntura pela classe médica.

No Ocidente, o grande despertar de interesse pela acupuntura começou após viagem do presidente americano Sr. Richard Nixon à China. Na ocasião, um dos jornalistas que o acompanhavam na comitiva foi tratado com Acupuntura por causa de dor pós-operatória em um hospital de Beijing. O próprio jornalista escreveu um artigo relatando a sua experiência de analgesia por esse método exótico, sendo amplamente divulgado pelo Jornal New York Times, causando grande impacto na mídia ao redor do mundo. A partir daquele momento, a prática da Acupuntura conquistou o Ocidente, e foi sendo consolidada por práticas e pesquisas posteriores.

A acupuntura, que é uma das terapias da MTC, pode ser realizada simples-mente pela introdução de agulhas finas em pontos específicos do corpo (acupuntura clássica ou ACP), pela aplicação de estímulos elétricos nas agulhas com frequências variadas (eletroacupuntura ou EACP) ou por outras técnicas. Atualmente, o conceito de acupuntura vem mudando muito nos últimos 50 anos na China, com qualquer estímulo físico, elétrico ou farmacológico na área dos pontos sendo chamado de acupuntura; tais como a infiltração medicamentosa de analgésicos, corticoide diluído, medicamentos fitoterápicos, dentre outros.

A acupuntura é praticada em ambientes universitários para alívio de dor em mais de 30 países. Em uma revisão quanto ao uso de medicina complementar e alternativa na população dos EUA, cerca de 2,1 milhões de pessoas ou 1,1% da população havia procurado atendimento de acupuntura nos últimos 12 meses. Quatro por cento da população norte-americana realizou acupuntura em algum momento de suas vidas.

No Brasil, houve crescimento de 429% dos atendimentos de acupuntura em 678 estabelecimentos na rede pública (SUS – Sistema Único de Saúde) entre 2007 e 2012, de variados sintomas e doenças, conforme levantamento do Ministério de Saúde a pedido do jornal o Estado de São Paulo em 24/12/2012.

No Centro de Dor da Clínica Neurológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HC-FMUSP), ela é utilizada desde 1989 e foi reconhecida como especialidade médica pelo Conselho Federal de Medicina em 1995.

Atualmente, no curso do terceiro ano de graduação da Faculdade de Medicina da USP, cerca de 50% dos acadêmicos optam anualmente pela acupuntura em um universo de cerca de 200 opções de disciplinas eletivas.

Devido ao mecanismo polimodal de acupuntura, muitos sintomas acompanha-dos de dor crônica, tais como transtornos emocionais e comportamentais, rigidez muscular, distúrbio gastrointestinal, insônia, falta de ânimo e agressividade podem ser beneficiadas pelo tratamento de acupuntura, conforme resultados encontrados em trabalhos da equipe de Acupuntura do Centro de Dor da Clínica Neurológica do HC-FMUSP, em que se encontrou não somente um efeito analgésico e anti-inflamatório, mas também melhoras globais na qualidade de vida dos pacientes tratados.

A acupuntura, embora praticada em todo o mundo, ainda suscita dúvidas a respeito de sua eficácia e áreas de atuação. A produção científica de estudos clínicos aumentou significativamente nos últimos anos com a inclusão de ensaios clínicos controlados randomizados de melhor qualidade metodológica, mostrando evidências da sua eficácia.

As evidências, antes consideradas insuficientes em relação a algumas doenças, passaram a ser validadas, com novos estudos randomizados e placebo controlados, estudos que avaliam o efeito acupuntura por meio de Ressonância Magnética Funcional, e estudos básicos em modelos animais.

Assim, a melhora crescente da metodologia aplicada em pesquisas, integrada aos novos conhecimentos neurofisiológicos, são fatores que vem propiciando o aperfeiçoamento da prática desta terapia por médicos e, certamente, contribuindo para seu melhor entendimento, diferentemente de tempos atrás, quando a orientação para a escolha dos pontos de acupuntura era embasada somente em conceitos dos meridianos, em metáforas da MTC e também em metodologias da antiga literatura.

Hong Jin Pai

Luiz Biella de Souza Valle

Célia Yunes Portiolli Faelli

Jorge Kioshi Hosomi

Marcus Yu Bin Pai

Cristina Yu Wei Pai

Ricardo Morad Bassetto

Samuel Abramavicus

Clinica Hong Jin Pai Sao Paulo e1621991307344

RUA SAINT HILAIRE 96 – JARDIM PAULISTA – SÃO PAULO – SP

Clínica de Dor, Fisiatria e Acupuntura Médica

Clínica médica especializada localizada na região dos Jardins, próximo à Av. Paulista, em São Paulo — SP.

Centro de Dor, com médicos especialistas pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Tratamento por Ondas de Choque, Infiltrações, Bloqueios anestésicos e Acupuntura Médica

Equipe Clínica Dr. Hong Jin Pai

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Artigos relacionados

Send this to a friend