AVISO: NOVO LOCAL DE ATENDIMENTO - Rua Saint Hilaire 96 (a 5 minutos da clínica antiga), de segunda a sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

O que é Modic tipo I, Modic tipo II ou Modic tipo III?

Definição e Introdução

Alterações Modic são lesões da medula óssea vistas dentro do corpo vertebral através da ressonância magnética, sugestivas de estarem associadas à dor lombar.

Sua presença em pessoas com ou sem dores lombares pode ser significante. No entanto, a maioria das lesões surge apenas como um achado de exame, sem qualquer repercussão clínica (ou seja, não geram dor).

O diagnóstico é feito após uma avaliação e história médica bem realizada, em que se estuda os sintomas, hábitos de vida e saúde, além de antecedentes pessoais e familiares. Um exame físico bem feito pode afastar outras patologias ou lesões que possam gerar dores na coluna.

Os exames complementares possibilitam avaliar se existe correlação entre as lesões e alterações de Modic com as queixas da pessoa.

Processo Patológico

Pesquisas sobre o assunto tem sido publicada desde 1988, quando as alterações foram primeiramente identificados pelo Dr. Michael Modic.

Publicações subsequentes forneceram ganhos incrementais na compreensão desta nova entidade de diagnóstico. Embora as causas e mecanismos responsáveis pela formação das lesões de Modic continuem pouco compreendidos, tem se feito progresso na ligação do fenótipo espinhal com a degeneração do disco e à dor lombar.

Isto é significativo, porque o valor da ressonância magnética no tratamento da dor lombar continua baixo, devido à falta de características fenotípicas fortemente correlacionadas com os sintomas clínicos.

A classificação das Alterações Modic consiste em 4 tipos:

Tipo 0 – aparência normal do disco e do corpo vertebral,
Tipo I – presença de edema da medula óssea dentro do corpo vertebral e hiper vascularização,
Tipo II – substitutos gordurosos da medula óssea vermelha dentro do corpo vertebral.
Tipo III – esclerose óssea subcondral.

Os mesmos autores postularam que os tipos formam um contínuo ao longo do qual o processo da doença progredirá.

Uma estimativa de 18 a 24 meses foi fornecida para a forma de transição do tipo I para o tipo II, embora outros achem que estudos longitudinais muito maiores são necessários para apoiar esta ideia.

 

Alterações Modic

Lesão do platô vertebral: a área é bastante inervada, sendo que as alterações mais agudas, de edema ósseo (chamado de MODIC I), podem ser fonte de dor.

Apresentação Clínica

Em alguns estudos, encontrou-se que as alterações Modic poderiam ser preditores independentes de episódios intensos e incapacitantes de dor lombar nas mulheres.

As pessoas que apresentam dor lombar e alterações Modic buscavam cuidados médicos e fisioterapêuticos podem relatar com mais frequência:

  • Dor constante e noturna
  • Maior nível de comprometimento funcional
  • Falta de melhora na 4ª semana ou depois, desde o início
  • Falha na tentativa de terapia com exercícios

 

Os fatores de risco para desenvolvimento de alterações de Modic incluem:

  • Índice de massa corporal (BMI) para sobrepeso ou obeso
  • Idade avançada
  • Fumante

 

A prevalência de alterações Modic na população clínica foi relatada como 18-62%.

Os achados do exame físico podem não ser úteis para a diferenciação entre pesssoas com ou sem alterações de Modic e característica da doença degenerativa do disco.

 

Procedimentos Diagnósticos

A ressonância magnética é o método para diagnosticar alterações Modic, contudo imagem de raio-X é útil na diferenciação da espondiloartropatia.

Tratamento

O tratamento é geralmente clínico, necessitando de uma avaliação interdisciplinar e processo de reabilitação. Deve-se trazer imediatamente quaisquer alterações ou preocupações relevantes para a atenção de seu médico.

Outras possibilidades na reabilitação incluem:

  • supervisionar e ajustar o modo e a intensidade dos exercícios terapêuticos e condicionadores não agravantes, para maximizar os efeitos físicos e psicológicos benéficos
  • concluir uma avaliação ergonômica do seu local de trabalho e colaboração entre você e seu empregador para implementar mudanças para minimizar uma série de tarefas agravantes, e ao mesmo tempo ser capaz de eficazmente completar suas atribuições
  • realizar mobilizações da coluna e massagem do tecido mole para ter alívio temporário dos sintomas quando estes agravarem
  • ajudar a alcançar autossuficiência e independência para administrar sua dor lombar

 

 

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorando em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).

Deixe o seu comentário

Artigos relacionados

Send this to a friend