AVISO: A partir de 13/07, estamos atendendo na Rua Saint Hilaire 96 (a 5 minutos da clínica antiga), de segunda a sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

Analgesia pela Acupuntura

Mecanismos de ação da acupuntura

Aprenda um pouco mais sobre os possíveis mecanismos de ação da acupuntura médica.

 

 

Introdução

Acupuntura é uma terapia milenar chinesa, consistindo na aplicação de agulhas finas, pressão, calor, e estimulação elétrica em pontos específicos do corpo para promover efeitos biológicos como analgesia e relaxamento muscular.

Apesar do uso difundido de acupuntura para controle da dor, os mecanismos de analgesia induzidas pela acupuntura permanecem desconhecidos.

Os pontos de acupuntura estão localizados em sítios que têm uma elevada densidade de estruturas neuro-vasculares, e são geralmente localizados entre os grupos musculares ou em suas bordas.

Um estudo tentou avaliar o mapa do percurso dos meridianos, com a injeção de tecnécio 99 em ambos verdades e sham (inserção de agulha de profundidade mínima em locais longe de pontos de acupuntura tradicional) pontos de acupuntura.

Os exames demonstraram difusão aleatória do traçador em torno de pontos sham, mas rápida progressão do traçador ao longo do meridiano em uma taxa que era incompatível com o fluxo linfático/vascular ou condução nervosa no verdadeiro acuponto.

Outro estudo demonstrou que ao se aplicar um ponto na perna tradicionalmente associado com o olho, ativaria-se o córtex occipital do cérebro, detectadas pela ressonância magnética funcional.

Teorias ocidentais baseiam-se principalmente na presunção de que a acupuntura induz sinais nos nervos aferentes que modulam a percepção de dor e transmissão de sinal espinhal no cérebro.

Existem vários mecanismos de ação possíveis.

 

 

 

 

Substâncias opióides naturais

O agulhamento afeta as concentrações do líquido cerebrospinal (CSF) das substâncias opiáceas naturais: dinorfina (atuando no nível da coluna vertebral), endorfina (agindo dentro do cérebro) e encefalina (agindo no cérebro e em um nível da coluna vertebral).

Endorfinas e encefalinas são potentes bloqueadores ou moduladores de dor decorrentes do sistema músculo-esquelético. Dinorfina é um potente modulador da dor visceral; tem um efeito mais fraco na modulação da dor músculo-esquelética.

Os achados acima foram apoiados por experimentos no qual um efeito analgésico induzido por acupuntura foi transferido do coelho doador para o destinatário coelho quando o líquido cerebrospinal foi transferido.

A prevenção da analgesia induzida pela acupuntura por naloxona e por anti-soro contra endorfinas oferece evidências adicionais quanto ao envolvimento de endorfinas.

 

 

Controle Inibitório Nociceptivo Difuso e Teoria de portões de controle da dor

Semelhante ao mecanismo de ação da estimulação elétrica cutânea (TENS), a teoria de portões neurais também foi sugerida como uma explicação possível para o bloqueio da dor.

Atualmente a teoria dos portões está desacreditada, porém, a acupuntura pode agir por meio da DNIC – Controle Inibitório Nociceptivo Difuso. Acredita-se que a acupuntura induzida por DNIC possa ser mediada pela liberação de neuropeptídeos opióides endógenos e/ou neurotransmissores monoaminérgicos

A estreita correlação entre pontos de acupuntura locais de pontos de dor e pontos-gatilho, como observado por Melzack, co-autor da teoria do portão da dor, representa uma grande convergência de conhecimento Ocidental e Oriental.

 

 

Liberação de corticosteróides endógenos

A presença de um corpo estranho (agulha) pode agir para estimular fatores vasculares e imuno-moduladores, incluindo aqueles da inflamação local.

Neurotransmissores adrenocorticotróficos demonstraram estar elevadas após tratamentos de acupuntura, sugerindo que ativação adrenal e a liberação de opióides e corticosteróides endógenos também podem resultar da aplicação das agulhas.

 

 

Emaranhamento de miofibrilas

Acupuntura pode induzir relaxamento de miofibrilas ‘presas’ entre tecidos planos. Acredita-se que isso possa ter um efeito semelhante à injeção de pontos-gatilho dolorosos (um procedimento realizado por médicos em clínicas de dor).

 

 

Fluxo sanguíneo local

Por causar um pequeno trauma local após a penetração da agulha, estudos vem demonstrando que a acupuntura pode aumentar o fluxo sanguíneo local e da área circundante.

Este efeito pode iniciar ou catalisar um pequeno processo de cicatrização.

 

 

Via analgésica mesolímbica

A via mesolímbica é uma das vias neurais no cérebro que ligam a área tegmentar ventral do mesencéfalo com o núcleo accumbens no sistema límbico.

É uma das quatro principais vias onde o neurotransmissor dopamina é encontrada, e produz uma sensação agradável quando estimulado.

Postula-se que, em pacientes com dor crônica, a via mesolímbica esteja em um estado de desequilíbrio.

Estudos pequenos encontraram que após um pequeno período (30 minutos) de estimulação com eletroacupuntura, encontrou-se uma pequena reverberação auto-sustentável, com possível reconfiguração das vias de dor-modulação.

Esta seria uma das teorias dos possíveis efeitos duradouros da acupuntura, vistos com frequência na prática clínica.

 

 

Receptores A1 de adenosina

Um estudo importante publicado em 2010 na conceituada revista científica Nature Neuroscience, encontrou que receptores A1 de adenosina podem ter um papel importante nos efeitos da acupuntura.

A adenosina é um neuromodulador com funções anti-nociceptivas, ou seja, pode auxiliar no tratamento de dor. Os pesquisadores encontraram que a adenosina era liberada após aplicações de acupuntura em ratos, e que suas ações apenas funcionavam em ratos que tinham receptores A1 de adenosina.

Estas observações podem ser parte da explicação dos mecanismos de ação da acupuntura pela ciência contemporânea ocidental.

 

 

 

 

Aplicações clínicas

A indicação mais comum da acupuntura é para a dor crônica que não responde ao tratamento padrão, onde outras opções se esgotaram.

Muitas vezes a acupuntura é vista como um último recurso para alívio da dor, como resultado da base de evidência inconclusiva até o momento.

Isso cria um viés de seleção adversa, deixando a acupuntura como uma opção apenas para aqueles pacientes que não responderem a todos os outros métodos, podendo criar expectativas irrealistas de pacientes.

 

 

Osteoartrite do joelho

Um grande estudo envolvendo 570 pacientes avaliou o efeito da acupuntura na osteoartrose do joelho. Os pesquisadores encontraram que a acupuntura que pode aliviar a dor e melhorar a circulação.

Um estudo do National Institute of Health dos EUA (NIH) concluiu que a acupuntura é um complemento eficaz para o tratamento convencional. Os pacientes que tomaram parte no estudo receberam acupuntura, acupuntura sham ou orientações sobre auto-ajuda, juntamente com o tratamento medicamentoso padrão.

Estudos anteriores de acupuntura para artrose tiveram resultados conflitantes. Isto pode ter ocorrido porque a maioria dos estudos incluíram pequenas amostras, um número limitado de sessões de tratamento ou outras limitações.

Melhora na escala de dor (ou seja, dimninuição dos níveis de dor) e melhora na funcionalidade (qualidade de vida) foi maior nos grupos acupuntura e sham-acupuntura do que no grupo com tratamento padrão (53 e 51% vs 29%, respectivamente).

No entanto, o efeito placebo pode ser operacional aqui, porque melhorias semelhantes foram observadas independentemente ou não as agulhas foram inseridas em pontos de acupuntura definidos.

 

 

Dor crônica cervical

Pesquisadores da Universidade de Southampton avaliaram tratamentos de acupuntura e sham do mesmo terapeuta em 124 pacientes com dor crônica no pescoço, com idades entre 18 e 80 anos.

Após 12 semanas, os pacientes de ambos os grupos relataram uma diminuição nos níveis de dor, de mais de 60%. Isto pode implicar que a maioria da melhoria adquirida com acupuntura como resultado do processo de inserção em si, mas predominantemente como resultado de efeitos não específicos, que são provavelmente parte do tratamento.

 

 

Lombalgia

Para dores lombares, uma revisão do conceituado Instituto Cochrane afirmou:

Trinta e cinco estudos randomizados avaliando 2861 pacientes foram incluídos nesta revisão sistemática. Não há evidências suficientes para fazer quaisquer recomendações sobre acupuntura ou agulhamento a seco para dor lombar aguda.

Para dor lombar crônica, os resultados mostram que a acupuntura é mais eficaz para alívio da dor do que nenhum tratamento tratamento ou sham, em medições de até três meses. 

Os resultados mostram também que, para dor lombar crônica, a acupuntura é mais eficaz para melhorar a função do que nenhum tratamento, a curto prazo. 

Acupuntura não é mais eficaz do que outros tratamentos convencionais e ‘alternativos’. 

Quando a acupuntura é adicionada a outras terapias convencionais, alivia-se a dor e melhora da função com maior eficácia do que as terapias convencionais sozinhas. No entanto, os efeitos só são pequenos. 

Agulhamento a seco (dry needling) parece ser um complemento útil para outras terapias para dor lombar crônica.

 

 

CONCLUSÃO

Estudos fisiológicos e de imagem estão fornecendo insights sobre o mecanismo neurofisiológico de analgesia pela acupuntura.

Dados recentes sugerem que a acupuntura desencadeia uma sequência de eventos envolvendo a liberação de opioides, como substâncias endógenas, incluindo endomorphin, β-endorfina e encefalina que modulam os sinais de dor processados ao longo da via.

Estudos de imagem demonstram que o sistema límbico desempenha um papel importante na analgesia induzida por acupuntura

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorando em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).

Deixe o seu comentário

Artigos relacionados

Send this to a friend