AVISO: A partir de 13/07, estamos atendendo na Rua Saint Hilaire 96 (a 5 minutos da clínica antiga), de segunda a sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

Osteoartrose: Mitos e Verdades

O que é a osteoartrose ou osteoartrite?

osteoartrose mitos e verdades

A artrose, também conhecida por osteoartrose ou osteoartrite, é a doença mais comum do sistema musculoesquelético. Ela ataca as articulações promovendo, principalmente, o desgaste da cartilagem que recobre as extremidades dos ossos e também danifica outros componentes articulares como os ligamentos, a membrana sinovial e o líquido sinovial. A cartilagem articular tem por função promover o deslizamento, sem atrito, entre duas extremidades ósseas durante o movimento de uma articulação. Seu comprometimento pode gerar dor, inchaço e limitação funcional.

Apesar de poder danificar qualquer junta do corpo, a artrose afeta mais comumente as articulações das mãos, da coluna, joelhos e quadris. É um processo progressivo e degenerativo, pois modifica o funcionamento das células, tecidos ou órgãos do corpo humano. A artrose piora progressivamente com o tempo, e não existe cura. Mas os tratamentos podem retardar a progressão da doença, aliviar a dor e melhorar a função articular. É uma doença crônica, que atinge milhões de pessoas.

A osteoartrite é muito comum. Só no Brasil chega a atingir 15 milhões de pessoas, segundo o Ministério da Saúde. A Organização Mundial de Saúde comprovou que a osteoartrite é a quarta doença que mais diminui a qualidade de vida das pessoas. Isso porque essa doença não tem cura. Quando ela não é tratada pode ir piorando progressivamente. Mas os tratamentos atuais conseguem retardar essa progressão e oferecem um enorme alívio nos sintomas, devolvendo a capacidade de movimentação.


Segundo a Organização Mundial de Saúde, a osteoartrose é a quarta doença que mais reduz a qualidade de vida para cada ano vivido.


Qual a diferença entre artrose primária ou secundária?

articulacao com artrose

A artrose pode ser primária ou secundária. A primária ocorre principalmente devido ao uso excessivo de uma articulação, mas também pelo envelhecimento natural do indivíduo. O uso repetitivo das articulações ao longo dos anos causa danos à cartilagem, que leva a dor nas articulações e inchaço. Com o passar dos anos, o fluído que existe entre as articulações (líquido sinovial) se degenera, bem como a cartilagem que recobre esse líquido, chamada de membrana sinovial.

O uso repetitivo das articulações ao longo dos anos causa danos à cartilagem, que leva a dor nas articulações e inchaço. Em casos avançados, há uma perda total da cartilagem que envolve as extremidades ósseas nas articulações. Isso provoca o atrito direto entre os ossos, causando dor e limitação da mobilidade articular. Os danos à cartilagem também podem estimular calcificações em alguns pontos em torno das articulações, formando os osteófitos, que são também chamados de bicos de papagaio quando acometem a coluna. A artrose primária frequentemente pode ser encontrada em vários membros da mesma família, o que sugere que ela possa ter características hereditárias.

Já a artrose secundária é uma consequência de doenças ou condições que a pessoa tenha. Problemas que podem levar a artrose secundária incluem a obesidade, trauma repetido ou cirurgia das estruturas articulares, articulações anormais no nascimento (anomalias congênitas), gota, artrite reumatoide, diabetes e outros distúrbios hormonais.

Qual são os fatores de risco da osteoartrite?

sedentarismo

Existem alguns fatores que aumentam as chances de uma pessoa ter osteoartrite:

[content_box type=”without-header” text_color=”dark” color=”#00B2EE”]

Excesso de peso: A obesidade faz com que as articulações tenham de suportar mais peso do que estão preparadas e isso a força a trabalhar demais causando um desgaste mais rápido

[/content_box]

[content_box type=”without-header” text_color=”dark” color=”#00B2EE”]

Deformação dos ossos que envolvidos nas articulações, causadas por fatores genéticos.

[/content_box]

[content_box type=”without-header” text_color=”dark” color=”#00B2EE”]

Provavelmente por conta de seus hormônios ou composição física, as mulheres são mais atingidas pela osteoartrite do que os homens

[/content_box]

[content_box type=”without-header” text_color=”dark” color=”#00B2EE”]

Envelhecimento: as articulações também envelhecem.

[/content_box]

[content_box type=”without-header” text_color=”dark” color=”#00B2EE”]

Profissões e atividades físicas que exigem movimentos repetitivos, como no caso dos pedreiros, pintores e atletas, podem aumentar as chances de a doença aparecer.

[/content_box]

Conheça os sintomas da osteoartrite

coluna vertebral e artrose

O principal sintoma da osteoartrite é a dor que a pessoa sente nas articulações que estão afetadas. Provavelmente pelo excesso de movimentação, a dor costuma piorar no final do dia. É comum que aparece inchaços nessas articulações, assim como o calor. E os movimentos geralmente são afetados. Quem tem o problema e passa algum tempo inativo, como por exemplo, ficar muito tempo sentado em uma cadeira, pode apresentar certa rigidez articular.

A intensidade desses sintomas varia bastante de pessoa para pessoa. Enquanto algumas podem ficar completamente debilitadas por conta dos sintomas, outras não sentem quase nada, apesar da degeneração existir. Os sintomas também podem ser intermitentes. A osteoartrite do joelho geralmente ocorre por conta da obesidade. Quando ocorre nos joelhos, pode modificar a forma de se locomover do paciente. Já na coluna vertebral pode resultar em dor na região lombar, no pescoço e no dorso. Quando afeta os dedos das mãos, a artrose faz surgir nódulos duros nas pequenas articulações, causando deformações.

Fatores que aumentam o risco de desenvolver osteoartrose

Existem alguns fatores que aumentam os riscos da artrose aparecer. O principal é o avanço da idade pelo desgaste natural. Outro é a obesidade. Deformidades ósseas também influem na doença.

Alguns tipos de acidentes e lesões iniciam o processo da artrose. Já quem trabalha com movimentos repetitivos também precisa tomar cuidado.

Como é feito o diagnóstico da osteoartrite

radiografia osteoartrose

Deve-se procurar um médico clínico especialista, como o médico fisiatra, caso sinta dores com queimação e inchaço em alguma articulação. Informe ao especialista uma descrição detalhada sobre o que você sente, quando começou, além de um histórico de saúde seu e de sua família. Tudo isso vai ajudar o médico para entender qual é o seu problema.

O especialista vai fazer um exame físico para examinar de perto a articulação doente, observando sua vermelhidão, sensibilidade ou inchaço. Ele também vai analisar como estão os movimentos que usam aquela articulação. Conforme o caso, pode ser pedido exames de imagem como o raio X e a ressonância magnética que irão possibilitar uma observação mais detalhada da articulação afetada.

Alguns exames de laboratório também podem ser necessários, como um teste de sangue ou do líquido sinovial, que pode determinar se existe uma inflamação ou alguma infecção.

Qual é o tratamento para osteoartrite

tratamento osteoartrose infiltracao

Ainda não foi descoberta uma cura definitiva para a osteoartrite. O que os especialistas atuais conseguem é reduzir a dor, desacelerar o progresso da doença e manter os movimentos normais do paciente.

Para reduzir a dor, geralmente são usados alguns medicamentos. Mas isso também dependerá de cada caso e do perfil do paciente. Os analgésicos simples, por exemplo, podem aliviar a dor, mas não irão atuar na inflamação. São mais aconselhados para quem tem uma osteoartrite leve.

Já os anti-inflamatórios não esteroides conseguem reduzir a inflamação além de aliviar a dor. Mas não servem para todas as pessoas pois possuem efeitos colaterais como lesões no fígado e nos rins, dores de estômago, zumbido nos ouvidos e problemas cardiovasculares. Quanto maior a idade de pessoa, maior o risco desses efeitos causarem complicações.

Existem medicamentos mais fortes, como os narcóticos, que contêm ingredientes similares a opióides como a morfina, codeína, dentre outros. Eles conseguem oferecer alívio da dor no caso de osteoartrite mais grave. O problema desse tipo de remédio mais forte é que eles possuem um risco de dependência, apesar de ser considerado pequeno pelos especialistas. Além disso, eles possuem efeitos colaterais que vão de sonolência a náusea e constipação.

É importante, justamente por conta dos efeitos colaterais e do que os medicamentos são capazes de fazer, que quando a pessoa sofre de osteoartrite, procure um especialista para se tratar. Não é aconselhado de forma alguma tomar medicamentos por conta própria pois isso pode até piorar o problema. Depois que é feito o diagnóstico e o médico recomenda a medicação necessária, siga as orientações à risca, comprando o remédio correto, respeitando os horários sugeridos pelo especialista, assim como a dose que deve ser tomada. Quaisquer alterações em alguma dessas três orientações podem afetar o tratamento e ele não ser tão eficaz quanto o esperado.

Alguns tipos de terapias podem ser usados combinadas com o tratamento para ajudar no alívio da dor e também na prevenção. A acupuntura atualmente é bastante usada e eficaz para equilibrar o organismo como um todo e assim, ajudar a prevenção e no controle da dor. A Acupuntura é uma boa opção terapêutica para o alívio dos sintomas da osteoartrose, como a dor e limitação de movimento, ajudando a relaxar também a musculatura em volta da articulação, permitindo melhor qualidade de vida. Diversos estudos grandes indicam que a acupuntura pode ter um efeito benéfico para os pacientes com osteoartrite, com resultados que podem se manter por um médio a longo período após as sessões.

Já a fisioterapia pode ajudar o paciente a fazer uma série de exercícios individualizados para fortalecer os músculos que ficam ao redor da articulação doente. E dessa forma, aumentar a capacidade de se movimentar e reduzir a dor. Há também a terapia ocupacional que pode ajudar quem tem osteoartrite a descobrir novas maneiras de fazer suas as tarefas diárias ou seu trabalho sem afetar as articulações que já estão doloridas.

Alguns médicos fisiatras optam por usar infiltrações dependo do caso e do histórico de saúde do seu paciente. Principalmente quando é observado que os procedimentos tradicionais não estão ajudando. As infiltrações podem ser injeções de cortisona, isto é, medicamentos corticosteroides que aliviam a dor articular. É preciso fazer isso com um especialista pois o excesso desse remédio pode piorar o problema. Outra opção são as injeções de ácido hialurônico que além de aliviar a dor, também oferece certo amortecimento das articulações.

Quando é o caso de cirurgia para osteoartrose

protese osteoartrose joelho

Em alguns casos mais raros, nenhum dos tratamentos citados são eficazes ou a situação é mais complicada e exige um procedimento cirúrgico. Nesses casos, há duas formas. O médico pode optar por um realinhamento dos ossos, em uma operação chamada osteotomia. O osso é cortado para ser realinhado. Com isso o peso do corpo é afastado para longe da parte desgastada. Outra forma de reduzir o problema é substituir a articulação. Nessa forma mais radical de cirurgia, as superfícies articulares que estão danificadas são substituídas por próteses feitas de metal e plástico especial.

Geralmente essas próteses são usadas quando o problema atinge as articulações do quadril e do joelho. Os riscos são os mesmos de uma cirurgia de médio porte, como as infecções e a trombose (formação de coágulos no interior das veias. As próteses devem ser monitoradas pois elas se desgastam ou soltam com o passar dos anos, o que pode exigir uma nova cirurgia para substituí-las.

Quando a pessoa possui osteoartrite mas segue os tratamentos propostos pelo especialista, respeitando horários, doses, duração e o que deve ser feito, a vida pode ter uma ótima qualidade, com as dores reduzidas e até inexistentes, e o retorno dos movimentos normais de todo o corpo.

Mitos e verdades da Osteoartrose

osteoartrose ilustracao de joelhoi

A artrose é uma doença bastante popular no Brasil, principalmente entre os idosos.

As pesquisas para lidar com elas também são grandes. E até por isso, muitos mitos são criados.

Vamos falar agora sobre alguns desses mitos.

A artrose não possui cura definitiva: VERDADE

Realmente a artrose não possui cura definitiva, mas existem tratamentos que promovem uma melhora significativa no bem estar e qualidade de vida dos pacientes, ajudando a melhorar ou acabar totalmente com os sintomas da patologia.

Terapia medicamentosa, infiltrações no joelho com corticóides ou ácido hialurônico, e acupuntura podem ajudar no tratamento conservador da artrose, prevenção de suas complicações e melhora da qualidade de vida.

O essencial é procurar um especialista o mais rápido possível para ter logo um diagnóstico e saber qual o melhor tratamento

A artrose se desenvolve de forma igual em todos os pacientes: MITO

Apesar de existirem casos semelhantes de osteoartrose, cada organismo é acometido pela doença de forma particular.

Sua evolução depende muito da existência ou não de fatores que possam agravar o caso, como questões hereditárias, fatores hormonais, densidade óssea, obesidade, entre outros.

A doença é presente apenas em regiões articulares do corpo: VERDADE

As articulações são os espaços ou zonas em que dois ou mais ossos se encontram, como no quadril, joelho, ombro, cotovelo e tornozelo. A dor articular é a sensação de desconforto, podendo, dependendo da intensidade, incapacitar o indivíduo para as atividades mais simples do dia a dia.

Acreditava-se antes que a artrose era específica da cartilagem que é uma estrutura que recobre a ponta dos ossos para permitir melhor deslizamento entre eles. Hoje, já se sabe que o acometimento é em toda a articulação, o que pode incluir ligamentos, ossos e o músculo.

Excesso de peso agrava os sintomas da artrose: VERDADE

Quem tem artrose e ainda está acima do peso tem o problema piorado. Por conta do excesso de peso, as articulações acabam sofrendo uma sobrecarga maior, agravando os sintomas da artrose.

Isso acontece principalmente nas articulações do joelho e do quadril, que são responsáveis pela sustentação natural do corpo. Os joelhos costuma ser a articulação mais afetada, chegando a atingir 80% das pessoas acima dos 41 anos.

A incidência de artrose em homens e mulheres é igual: MITO

Estudos provam que há mais mulheres afetadas pela doença. Segundo a Sociedade Brasileira de Estudo da Dor (SBED), elas representam 61% dos pacientes que sofrem com a patologia.

Somente idosos são acometidos pela artrose:MITO

A artrose ainda é muito lembrada como um problema que surge exclusivamente com o envelhecimento, no entanto, embora a maioria dos caos de artrose de fato acometa pessoas acima dos 60 anos, essa doença não se restringe apenas aos idosos, podendo afetar crianças, jovens e adultos também.

Essa sobrecarga acontece por  traumatismos, por acidentes ou obesidade, atividades físicas feitas de forma exagerada e descuidada entre outras causas, que podem acontecer precocemente.

Idosos acometidos pela artrose certamente ficarão incapacitados: MITO

A artrose realmente não tem cura. Mas quando o diagnóstico é feito rapidamente e os tratamentos começam cedo, a progressão da artrose pode ser desacelerada ou até mesmo interrompida. Por isso é fundamental manter-se atento e procurar ajuda imediata diante de qualquer suspeita da doença.

Isso faz com que a pessoa tenha boa qualidade de vida e realize suas atividades cotidianas normalmente. O aconselhado pelos especialistas é manter hábitos saudáveis e praticar exercícios físicos.

Prática de esporte podem gerar lesões: VERDADE

Os esportes que oferecem mais riscos são aqueles que exigem maior amplitude e movimento do quadril, rotações ou aqueles com ‘ações explosivas’, ou seja, ações que exigem aceleração e desaceleração bruscas, como futebol, tênis, golfe, artes marciais, danças, ballet, ginástica olímpica e atletismo. A prática inadequada dos exercícios é a principal causa dos problemas.

Entre as lesões mais frequentes, estão os estiramentos musculares e as tendinites que, geralmente, ocorrem por sobrecarga, esforço excessivo, entorse, contusão ou erro de treinamento.

Vários estudos já provaram que exercícios físicos realizados com o acompanhamento de profissionais de saúde amenizam os sintomas da artrose a longo prazo. Isso ocorre porque esses exercícios auxiliam a fortalece os músculos e os ossos, reduzindo os sintomas da artrose. Quando os músculos estão fortes e alongados conseguem diminuir a pressão e absorvem uma parte da sobrecarga que vai para as articulações.

Quem carregou muito peso durante a vida desenvolve sintomas da artrose: VERDADE

Ao carregar excesso de peso você sobrecarrega suas articulações. Essa é uma das principais causas do início da artrose. A artrose pode ter origem em determinados hábitos, tais como má-postura recorrente, levantamento de peso em excesso, esforços repetitivos, entre outros.  Segundo a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, 20% dos adultos brasileiros já são acometidos pela doença e o excesso de exercícios físicos será a causa dos casos no futuro. Além disso, o excesso de exercícios físicos será a causa de 45% dos casos de artrose do país no futuro, segundo o livro “Osteoartrite – Cenário Atual e Tendências no Brasil”.

Quem tem dores nas juntas tem artrose: MITO

Falso. A artrose realmente causa dores nas juntas. Mas existem outras doenças que podem resultar no mesmo sintoma.

É o caso de algumas doenças infecciosas e traumáticas que podem iniciar os mesmos sintomas.

Conclusão

Desmistificar a artrose é importante, para saber como lidar com a doença da melhor forma possível. Conforme falamos, não há cura para a artrose, mas os tratamentos podem ajudar a reduzir a dor e manter o movimento e função articular. Medicamentos como analgésicos simples, anti-inflamatórios, terapias como a acupuntura, infiltrações e até mesmo procedimentos cirúrgicos, dependendo de cada caso são muito importantes para um tratamento de qualidade e sucesso nos resultados.

artrose de joelhos infografico

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorando em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).

3 Comentários

Deixe o seu comentário.
  • Senhores, boa tarde!

    Ficou super claro a explicação.
    Tive problemas com meu joelho esquerdo e foi necessário a me submeter a cirurgia de realinhamento dos ossos. Como trabalho na área técnica e dirijo muito na Grande SP a mais de 25 anos, observei que todos os finais de tarde meu joelho esquerdo ficava super inchado e doloridos. Ao observar o que poderia estar acontecendo diferente ao direito, pude observar o esforço repetitivo que exercia de acionar a embreagem varias vezes ao dia no transito caótico da cidade.
    Pergunto, apos a cirurgia, terei o risco deste tratamento não ser eficaz caso eu tenha que continuar a expor esse meu joelho esquerdo a esta esforço repetitivo na mesma prática diária ou essa cirurgia de realinhamento resolveria essa questão ?

    Grato pela matéria e pela atenção
    Humberto.

Deixe o seu comentário

Send this to a friend