CENTRO DE TRATAMENTO DE DOR: Dor, Acupuntura Médica, Ondas de Choque, Fisiatria e Fisioterapia.

Osteoartrose (osteoartrite): Mitos e Verdades

O que é a osteoartrose ou osteoartrite?

A artrose, também conhecida por osteoartrose ou osteoartrite, é a doença mais comum do sistema musculoesquelético. Ela ataca as articulações promovendo, principalmente, o desgaste da cartilagem que recobre as extremidades dos ossos e também danifica outros componentes articulares como os ligamentos, a membrana sinovial e o líquido sinovial.

 


A cartilagem articular tem por função promover o deslizamento, sem atrito, entre duas extremidades ósseas durante o movimento de uma articulação. Seu comprometimento pode gerar dor, inchaço e limitação funcional 1.

Apesar de poder danificar qualquer junta do corpo, a artrose afeta mais comumente as articulações das mãos, da coluna, joelhos e quadris. É um processo progressivo e degenerativo, pois modifica o funcionamento das células, tecidos ou órgãos do corpo humano.

A artrose piora progressivamente com o tempo, e não existe cura. Mas os tratamentos podem retardar a progressão da doença, aliviar a dor e melhorar a função articular.

É uma doença crônica, que atinge milhões de pessoas.

A osteoartrite é muito comum. Só no Brasil chega a atingir 15 milhões de pessoas, segundo o Ministério da Saúde.

Quando ela não é tratada pode ir piorando progressivamente. Mas os tratamentos atuais conseguem retardar essa progressão e oferecem um enorme alívio nos sintomas, devolvendo a capacidade de movimentação.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a osteoartrose é a quarta doença que mais reduz a qualidade de vida para cada ano vivido.

Como a artrose se desenvolve?

Em uma articulação saudável, um revestimento de tecido duro, mas suave e escorregadio, chamado cartilagem, cobre a superfície dos ossos e ajuda os ossos a se moverem livremente uns contra os outros.

Quando uma articulação desenvolve osteoartrite, parte da cartilagem fina e a superfície torna-se mais áspera.

Isto significa que a articulação não se move tão suavemente como deveria.

Quando a cartilagem se torna desgastada ou danificada, todos os tecidos dentro da articulação tornam-se mais ativos do que o normal, em que o corpo tenta reparar o dano.

Os processos de reparação podem alterar a estrutura da articulação, mas muitas vezes permitirá que a articulação funcione normalmente e sem qualquer dor e rigidez.

Quase todos nós vamos desenvolver osteoartrite em algumas de nossas articulações à medida que envelhecemos, embora possamos nem estar cientes disso.

Locais acometidos pela osteoartrite

A osteoartrite pode afetar diversas articulações do corpo2.

As mais comuns incluem:

Mão

A osteoartrite das mãos parece ter tendência genética. Se sua mãe ou avó tem ou teve osteoartrite em suas mãos, você está em maior risco do que a média de tê-lo, também. As mulheres são mais propensas do que os homens a ter osteoartrite nas mãos. Para a maioria das mulheres, desenvolve-se após a menopausa.

Joelho

Os joelhos estão entre as articulações mais afetadas pela osteoartrite. Os sintomas da osteoartrite do joelho incluem rigidez, inchaço e dor, o que torna difícil andar, escalar e entrar e sair de cadeiras e banheiras. Osteoartrite nos joelhos pode levar a incapacidade.

Quadril

Dor e rigidez da própria articulação. Mas às vezes a dor é sentida na virilha ou glúteos. A osteoartrite do quadril pode limitar o movimento e flexão, tornando as atividades diárias, como vestir e calçar sapatos um desafio.

Coluna

A osteoartrose da coluna vertebral pode apresentar-se como rigidez e dor no pescoço ou na parte inferior das costas. Em alguns casos, alterações relacionadas com a artrite na coluna vertebral pode causar pressão nos nervos onde eles saem da coluna vertebral, resultando em fraqueza, formigueiro, ou dormência dos braços e pernas.

Osteoartrose na coluna

Artrose na Coluna

Qual a diferença entre artrose primária ou secundária?

A artrose pode ser primária ou secundária3.

 

Artrose primária

A primária ocorre principalmente devido ao uso excessivo de uma articulação, mas também pelo envelhecimento natural do indivíduo4.

O uso repetitivo das articulações ao longo dos anos causa danos à cartilagem, que leva a dor nas articulações e inchaço. Com o passar dos anos, o fluido que existe entre as articulações (líquido sinovial) se degenera, bem como a cartilagem que recobre esse líquido, chamada de membrana sinovial.

O uso repetitivo das articulações ao longo dos anos causa danos à cartilagem, que leva a dor nas articulações e inchaço. Em casos avançados, há uma perda total da cartilagem que envolve as extremidades ósseas nas articulações. Isso provoca o atrito direto entre os ossos, causando dor e limitação da mobilidade articular.

Os danos à cartilagem também podem estimular calcificações em alguns pontos em torno das articulações, formando os osteófitos, que são também chamados de bicos de papagaio quando acometem a coluna.

A artrose primária frequentemente pode ser encontrada em vários membros da mesma família, o que sugere que ela possa ter características hereditárias.

 

Artrose secundária

Já a artrose secundária é uma consequência de doenças ou condições que a pessoa tenha.

Problemas que podem levar a artrose secundária incluem a obesidade, trauma repetido ou cirurgia das estruturas articulares, articulações anormais no nascimento (anomalias congênitas), gotaartrite reumatoide, diabetes e outros distúrbios hormonais.

Sintomas da osteoartrite

Os sintomas tendem a aumentar ao longo do tempo, em vez de aparecer de repente.

 

Dor

As articulações afetadas podem doer durante ou após o movimento.

Rigidez

A rigidez articular pode ser mais perceptível ao acordar ou depois de estar inativo.

Sensibilidade maior

A sua articulação pode mais sensível quando se aplica pressão leve a ela ou perto dela.

Perda de flexibilidade

Limitações e dificuldades no movimento completo da articulação.

Inchaço (edema)

Isto pode ser causado por inflamação do tecido mole em torno da articulação.

Estalos

Sensação de clique ou estalido ao movimentar a articulação. Sensação de falseio articular.

Fraqueza muscular

Dificuldade crônica do movimento pode levar a perda muscular associada, piorando a funcionalidade.

Diferenças entre osteoartrose e artrite reumatóide

Diferencas artrose artrite reumatoide

Fatores que aumentam o risco de desenvolver osteoartrose

Fatores que podem aumentar o risco de osteoartrite incluem:5

Idade

O risco de osteoartrite aumenta com a idade.

Sexo feminino

As mulheres são mais propensas a desenvolver osteoartrite, embora não seja claro por que.

Obesidade

O aumento de peso aumenta o stress nas articulações de suporte de peso, tais como os quadris e joelhos. Além disso, o tecido adiposo produz proteínas que podem causar inflamação prejudicial dentro e em torno de suas articulações.

Lesões articulares

Lesões, tais como aquelas que ocorrem quando se joga esportes ou de um acidente, pode aumentar o risco de osteoartrite. Mesmo as lesões que ocorreram há muitos anos e aparentemente curadas podem aumentar o risco de osteoartrite.

Lesões repetitivas

Se seu trabalho ou um esporte que você pratica coloca estresse repetitivo em uma articulação, essa articulação pode eventualmente desenvolver osteoartrite.

Fatores genéticos

Algumas pessoas herdam uma tendência para desenvolver osteoartrite.

Deformidades ósseas

Algumas pessoas nascem com articulações deformadas ou cartilagem defeituosa.

Certas doenças metabólicas

Estes incluem diabetes e uma condição em que o seu corpo tem muito ferro (hemocromatose).

Como é feito o diagnóstico da osteoartrite?

radiografia osteoartrose

 

Deve-se procurar um médico clínico especialista, como o médico fisiatra, caso sinta dores com queimação e inchaço em alguma articulação.

Informe ao especialista uma descrição detalhada sobre o que você sente, quando começou, além de um histórico de saúde seu e de sua família. Tudo isso vai ajudar o médico para entender qual é o seu problema.

O especialista vai fazer um exame físico para examinar de perto a articulação doente, observando sua vermelhidão, sensibilidade ou inchaço. Ele também vai analisar como estão os movimentos que usam aquela articulação. Conforme o caso, pode ser pedido exames de imagem como o raio X e a ressonância magnética que irão possibilitar uma observação mais detalhada da articulação afetada.

Exame clínico

Histórico médico informações, sintomas, como a dor afeta atividades, bem como problemas médicos e uso de medicação. O médico vai olhar e mover as articulações.

Raio-X

A cartilagem não aparece nas imagens de Raio-X, mas a perda de cartilagem é revelada por um estreitamento do espaço entre os ossos da articulação. Um raio-X também pode mostrar esporas ósseas em torno de uma articulação.

Ressonância magnética

Produz imagens detalhadas dos tecidos ósseos e moles, incluindo cartilagem. Uma ressonância magnética não é comumente necessária para diagnosticar osteoartrite, mas pode ajudar a fornecer mais informações em casos complexos.

Exames laboratoriais

Embora não haja nenhum teste de sangue para a osteoartrite, certos testes podem ajudar a descartar outras causas de dor articular, como a artrite reumatoide.

Qual é o tratamento para osteoartrite?

A osteoartrite não pode ser curada, mas os tratamentos podem reduzir a dor e ajudá-lo a se mover melhor6.

Medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios

Analgésicos simples e anti-inflamatórios podem ser usados no controle sintomático agudo e crônico da osteoartrite leve a moderada.

Corticoesteróides

Podem ser utilizados tanto por via oral, como injetável, para casos sintomáticos e refratários ao tratamento

Medicamentos adjuvantes

Antidepressivos tricíclicos e alguns anti-convulsivantes podem ser utilizados no tratamento da dor crônica gerada pela osteoartrite, sendo aprovados pelo FDA.

Exercícios

O exercício é fundamental. De acordo com a OMS, pelo menos 150 minutos de atividade moderada a extenuante deve ser realizada por semana.

Fortalecimento

Ajudam a fortalecer a musculatura ao redor das articulações, tirando a sobrecarga e estresse mecânico sobre elas.

Perda de peso

Pesar mais do que é saudável coloca stress extra nos joelhos, pés e coluna. Perder peso ajuda a reduzir a dor e diminuir os danos nas articulações. Cada quilo de peso perdido remove quatro quilos de pressão nas articulações inferiores do corpo.

Fisioterapia

Exercícios específicos para ajudar a estabilizar as articulações e aliviar a dor, e orientações para facilitar o movimento e proteger as articulações.

Repouso

Se as suas articulações estiverem inchadas e doridas, dê-lhes um tempo. Tente evitar usar uma junta inflamada durante 12 a 24 horas para deixar o inchaço diminuir. Também é uma boa ideia dormir o suficiente. A fadiga pode aumentar a sua percepção da dor.

Calor ou gelo

Tanto o frio como o calor podem ajudar. O gelo durante 20 minutos ajuda a diminuir o fluxo dos vasos sanguíneos. Isto reduz o líquido no tecido e diminui o inchaço e a dor. Pode repetir o tratamento duas ou três vezes por dia.

Ondas de choque

Possui efeito analgésico e anti-inflamatório na dor. Estudos mostram efeito na cartilagem articular, neovascularização, reparação tecidual e resposta inflamatória em modelos animais.

Acupuntura

A acupuntura pode ser utilizada como tratamento complementar, para alívio sintomático de dores agudas e/ou crônicas.

Infiltração de ácido hialurônico

Em casos refratários. Melhora a lubrificação articular, com melhoria da viscosidade do líquido sinovial, estabiliza a degradação da matriz cartilaginosa e ação direta em receptores da dor articular.

Quando é o caso de cirurgia para osteoartrose

protese osteoartrose joelho

Em alguns casos mais raros, nenhum dos tratamentos citados são eficazes ou a situação é mais complicada e exige um procedimento cirúrgico. Nesses casos, há duas formas. O médico pode optar por um realinhamento dos ossos, em uma operação chamada osteotomia.

O osso é cortado para ser realinhado. Com isso o peso do corpo é afastado para longe da parte desgastada. Outra forma de reduzir o problema é substituir a articulação. Nessa forma mais radical de cirurgia, as superfícies articulares que estão danificadas são substituídas por próteses feitas de metal e plástico especial.

Geralmente essas próteses são usadas quando o problema atinge as articulações do quadril e do joelho. Os riscos são os mesmos de uma cirurgia de médio porte, como as infecções e a trombose (formação de coágulos no interior das veias. As próteses devem ser monitoradas pois elas se desgastam ou soltam com o passar dos anos, o que pode exigir uma nova cirurgia para substituí-las.

Quando a pessoa possui osteoartrite mas segue os tratamentos propostos pelo especialista, respeitando horários, doses, duração e o que deve ser feito, a vida pode ter uma ótima qualidade, com as dores reduzidas e até inexistentes, e o retorno dos movimentos normais de todo o corpo.

Mitos e verdades da Osteoartrose

Artrose evolucao

 

A artrose é uma doença bastante popular no Brasil, principalmente entre os idosos.

As pesquisas para lidar com elas também são grandes. E até por isso, muitos mitos são criados.

Vamos falar agora sobre alguns desses mitos.

 

A artrose não possui cura definitiva: VERDADE

Realmente a artrose não possui cura definitiva, mas existem tratamentos que promovem uma melhora significativa no bem-estar e qualidade de vida dos pacientes, ajudando a melhorar ou acabar totalmente com os sintomas da patologia.

Terapia medicamentosa, infiltrações no joelho com corticoides ou ácido hialurônico, ondas de choque e acupuntura podem ajudar no tratamento conservador da artrose, prevenção de suas complicações e melhora da qualidade de vida.

O essencial é procurar um especialista o mais rápido possível para ter logo um diagnóstico e saber qual o melhor tratamento

 

 

A artrose se desenvolve de forma igual em todos os pacientes: MITO

Apesar de existirem casos semelhantes de osteoartrose, cada organismo é acometido pela doença de forma particular.

Sua evolução depende muito da existência ou não de fatores que possam agravar o caso, como questões hereditárias, fatores hormonais, densidade óssea, obesidade, entre outros.

 

 

A doença é presente apenas em regiões articulares do corpo: VERDADE

As articulações são os espaços ou zonas em que dois ou mais ossos se encontram, como no quadril, joelho, ombro, cotovelo e tornozelo. A dor articular é a sensação de desconforto, podendo, dependendo da intensidade, incapacitar o indivíduo para as atividades mais simples do dia a dia.

Acreditava-se antes que a artrose era específica da cartilagem que é uma estrutura que recobre a ponta dos ossos para permitir melhor deslizamento entre eles. Hoje, já se sabe que o acometimento é em toda a articulação, o que pode incluir ligamentos, ossos e o músculo.

 

 

Excesso de peso agrava os sintomas da artrose: VERDADE

Quem tem artrose e ainda está acima do peso tem o problema piorado. Por conta do excesso de peso, as articulações acabam sofrendo uma sobrecarga maior, agravando os sintomas da artrose.

Isso acontece principalmente nas articulações do joelho e do quadril, que são responsáveis pela sustentação natural do corpo. Os joelhos costumam ser a articulação mais afetada, chegando a atingir 80% das pessoas acima dos 41 anos.

 

 

A incidência de artrose em homens e mulheres é igual: MITO

Estudos provam que há mais mulheres afetadas pela doença. Segundo a Sociedade Brasileira de Estudo da Dor (SBED), elas representam 61% dos pacientes que sofrem com a patologia.

 

Somente idosos são acometidos pela artrose: MITO

A artrose ainda é muito lembrada como um problema que surge exclusivamente com o envelhecimento, no entanto, embora a maioria dos caos de artrose de fato acometa pessoas acima dos 60 anos, essa doença não se restringe apenas aos idosos, podendo afetar crianças, jovens e adultos também.

Essa sobrecarga acontece por  traumatismos, por acidentes ou obesidade, atividades físicas feitas de forma exagerada e descuidada entre outras causas, que podem acontecer precocemente.

 

 

Idosos acometidos pela artrose certamente ficarão incapacitados: MITO

A artrose realmente não tem cura. Mas quando o diagnóstico é feito rapidamente e os tratamentos começam cedo, a progressão da artrose pode ser desacelerada ou até mesmo interrompida. Por isso é fundamental manter-se atento e procurar ajuda imediata diante de qualquer suspeita da doença.

Isso faz com que a pessoa tenha boa qualidade de vida e realize suas atividades cotidianas normalmente. O aconselhado pelos especialistas é manter hábitos saudáveis e praticar exercícios físicos7.

 

 

Prática de esporte podem gerar lesões: VERDADE

Os esportes que oferecem mais riscos são aqueles que exigem maior amplitude e movimento do quadril, rotações ou aqueles com ‘ações explosivas’, ou seja, ações que exigem aceleração e desaceleração bruscas, como futebol, tênis, golfe, artes marciais, danças, balé, ginástica olímpica e atletismo. A prática inadequada dos exercícios é a principal causa dos problemas8.

Entre as lesões mais frequentes, estão os estiramentos musculares e as tendinites que, geralmente, ocorrem por sobrecarga, esforço excessivo, entorse, contusão ou erro de treinamento.

Vários estudos já provaram que exercícios físicos realizados com o acompanhamento de profissionais de saúde amenizam os sintomas da artrose a longo prazo. Isso ocorre porque esses exercícios auxiliam a fortalece os músculos e os ossos, reduzindo os sintomas da artrose. Quando os músculos estão fortes e alongados conseguem diminuir a pressão e absorvem uma parte da sobrecarga que vai para as articulações.

 

 

Quem carregou muito peso durante a vida desenvolve sintomas da artrose: VERDADE

Ao carregar excesso de peso você sobrecarrega suas articulações. Essa é uma das principais causas do início da artrose. A artrose pode ter origem em determinados hábitos, tais como má-postura recorrente, levantamento de peso em excesso, esforços repetitivos, entre outros.

Segundo a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, 20% dos adultos brasileiros já são acometidos pela doença e o excesso de exercícios físicos será a causa dos casos no futuro. Além disso, o excesso de exercícios físicos será a causa de 45% dos casos de artrose do país no futuro, segundo o livro “Osteoartrite – Cenário Atual e Tendências no Brasil”.

 

 

Quem tem dores nas juntas tem artrose: MITO

Falso. A artrose realmente causa dores nas juntas. Mas existem outras doenças que podem resultar no mesmo sintoma.

É o caso de algumas doenças infecciosas e traumáticas que podem iniciar os mesmos sintomas.

Segundo a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia, 20% dos adultos brasileiros já são acometidos pela doença e o excesso de exercícios físicos será a causa dos casos no futuro. Além disso, o excesso de exercícios físicos será a causa de 45% dos casos de artrose do país no futuro, segundo o livro “Osteoartrite – Cenário Atual e Tendências no Brasil”.

 

 

Quem tem dores nas juntas tem artrose: MITO

Falso. A artrose realmente causa dores nas juntas. Mas existem outras doenças que podem resultar no mesmo sintoma.

É o caso de algumas doenças infecciosas e traumáticas que podem iniciar os mesmos sintomas.

Conclusão

Desmistificar a artrose é importante, para saber como lidar com a doença da melhor forma possível.

Conforme falamos, não há cura para a artrose, mas os tratamentos podem ajudar a reduzir a dor e manter o movimento e função articular.

Medicamentos como analgésicos simples, anti-inflamatórios, terapias como a acupuntura, infiltrações e até mesmo procedimentos cirúrgicos, dependendo de cada caso são muito importantes para um tratamento de qualidade e sucesso nos resultados.

Referências Bibliográficas

  1. Glyn-Jones S, Palmer AJ, Agricola R, Price AJ, Vincent TL, Weinans H, Carr AJ. Osteoarthritis. The Lancet. 2015 Jul 25;386(9991):376-87.
  2. Zhang Y, Jordan JM. Epidemiology of osteoarthritis. Clinics in geriatric medicine. 2010 Aug 1;26(3):355-69.
  3. Altman RD. Criteria for classification of clinical osteoarthritis. The Journal of rheumatology. Supplement. 1991 Feb 1;27:10-2.
  4. Bijlsma JW, Berenbaum F, Lafeber FP. Osteoarthritis: an update with relevance for clinical practice. The Lancet. 2011 Jun 18;377(9783):2115-26.
  5. Hinton R, David AK, Thomas SF, Moody RL. Osteoarthritis: diagnosis and therapeutic considerations. American family physician. 2002 Mar 1;65(5):841.
  6. Sarzi-Puttini P, Cimmino MA, Scarpa R, Caporali R, Parazzini F, Zaninelli A, Atzeni F, Canesi B. Osteoarthritis: an overview of the disease and its treatment strategies. InSeminars in arthritis and rheumatism 2005 Aug 1 (Vol. 35, No. 1, pp. 1-10). WB Saunders.
  7. Bennell K, Hinman R. Exercise as a treatment for osteoarthritis. Current opinion in rheumatology. 2005 Sep 1;17(5):634-40.
  8. Taruc-Uy RL, Lynch SA. Diagnosis and treatment of osteoarthritis. Primary Care: Clinics in Office Practice. 2013 Dec 1;40(4):821-36.

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorando em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Presidente do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira de Regeneração Tecidual (SBRET). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).  

3 Comentários

Deixe o seu comentário.
  • Senhores, boa tarde!

    Ficou super claro a explicação.
    Tive problemas com meu joelho esquerdo e foi necessário a me submeter a cirurgia de realinhamento dos ossos. Como trabalho na área técnica e dirijo muito na Grande SP a mais de 25 anos, observei que todos os finais de tarde meu joelho esquerdo ficava super inchado e doloridos. Ao observar o que poderia estar acontecendo diferente ao direito, pude observar o esforço repetitivo que exercia de acionar a embreagem varias vezes ao dia no transito caótico da cidade.
    Pergunto, apos a cirurgia, terei o risco deste tratamento não ser eficaz caso eu tenha que continuar a expor esse meu joelho esquerdo a esta esforço repetitivo na mesma prática diária ou essa cirurgia de realinhamento resolveria essa questão ?

    Grato pela matéria e pela atenção
    Humberto.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Send this to a friend