AVISO: A partir de 13/07, estamos atendendo na Rua Saint Hilaire 96 (a 5 minutos da clínica antiga), de segunda a sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

Dor nas articulações: o que pode ser

Quer descobrir quais são as principais doenças que podem causar dor nas articulações? Então leia o texto a seguir!

As articulações são estruturas importantes para que ocorra o correto funcionamento do nosso corpo. 

Por isso, quando nós apresentamos algum tipo de dor nessas estruturas acabamos por ter várias atividades do nosso cotidiano prejudicadas. 

Logo, é de extrema importância que saibamos quais são as principais doenças que podem gerar essa dor articular. 

Mas, para defini-las, precisamos saber quais são as suas causas e quais são os seus principais sintomas. 

Assim, características como número de articulações acometidas, histórico da pessoa, realização de atividades e, até mesmo, o aparecimento de outros sintomas (como a febre) podem nos conduzir para um certo diagnóstico. 

Desse modo, hoje iremos abordar quais são as seis principais doenças que podem causar dor nas articulações, confira!

  1. Artrite Reumatóide

Artrite consiste em uma inflamação das articulações que costuma causar dor e bastante dificuldade na realização de movimentos, principalmente, se acometer articulações as quais usamos como muita frequência como as das mãos.

Assim, as pessoas que sofrem com essa patologia, podem apresentar diversas dificuldades no cotidiano, seja por não serem capazes de realizar atividades do dia a dia, ou pela intensidade da dor que sentem. 

Mas, uma coisa é preciso deixar claro, não existe só um tipo de artrite, na verdade, a artrite pode ser dividida em vários grupos. E, quando estamos diante disso, uma das que recebe mais destaque é a artrite reumatoide.

Na artrite reumatoide o corpo começa a atacar as próprias articulações, principalmente aquelas de origem mais distal, ou seja, as primeiras manifestações costumam atingir as mãos e os pés, e depois, vão se espalhando para o centro do corpo indo para punhos, cotovelos, joelhos, etc.

A causa ainda é incerta, mas, atualmente, o que se sabe é que ela pode ter uma origem genética e que as pessoas que são fumantes, costumam ter uma chance maior de desenvolver a doença.

Como consequência, se observa: 

  • Dor nas articulações
  • Inchaço
  • Dificuldade de movimentos
  • Rigidez matinal
  • Febre baixa
  • Fadiga

Fora isso, também podem surgir deformações irreversíveis caso o quadro não seja controlado a tempo.

Outro problema também que pode ser observado com o avanço da doença, é o ataque aos ossos, que acabam por ser destruídos progressivamente.

Mais raramente, também podemos observar manifestações sistêmicas, ou seja, podemos perceber que alguns órgãos, como coração e pulmão, também podem ser atingidos.

Por essa razão, se você suspeita que está sofrendo com o problema, o mais indicado é buscar ajuda médica para que consiga receber o tratamento adequado. Pois, ainda que não exista uma cura para a doença, o tratamento retarda a sua progressão e impede que manifestações mais graves ocorram.

Nesse caso, se o diagnóstico for confirmado, o médico pode prescrever diversas medicações como: anti-inflamatórios, analgésicos e drogas modificadoras da doença (como o metotrexato).

  1. Artrose

As nossas cartilagens são de extrema importância para o correto funcionamento dos nossos movimentos. 

E, quando estamos falando sobre artrose, estamos diante de um quadro em que ocorre um desgaste dessa cartilagem, o que acaba por deixar expostas as estruturas que compõem as articulações, podendo gerar uma lesão nas mesmas.

Já em relação ao que pode causar a artrose, não se tem uma situação específica, o que se sabe é que isso pode estar relacionado a genética e a sobrecarga de pesos, o que faz com que a obesidade e carregamento de peso excessivo em academias sejam fatores de risco. 

Os sintomas podem ser variados, dentre os quais merecem destaque:

  • Dor nas articulações acometidas
  • Inchaço de articulações
  • Dificuldade para realização de movimentos
  • Rangidos na hora de movimentar o local

Outro ponto importante, e que serve como diagnóstico diferencial da artrite reumatoide, é o fato de que ela pode acometer qualquer articulação sem uma ordem específica e, geralmente, atinge aquelas que mais sofrem com sobrecarga como: joelhos, tornozelo, quadris e ombros.

O tratamento precisa ser orientado por um médico e envolve a realização de atividades como a fisioterapia, e a prescrição de medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos.

Além disso, se a lesão for muito extensa, pode haver indicação da realização de uma cirurgia para corrigir o problema. 

Mas, para isso, é preciso que o profissional peça exames de imagem para identificar melhor o quadro. 

No mais, é importante lembrar que é possível realizar a prevenção da patologia da seguinte forma: 

  • Evitar a sobrecarga de peso em academias
  • Realizar atividades físicas orientadas por um profissional
  • Tratar a obesidade 
  • Evitar carregar pesos em excesso no dia a dia
  1. Tendinite

Os tendões consistem em um tecido que liga o músculo aos ossos. Por essa razão, eles são de extrema importância para que a movimentação ocorra de maneira correta. Afinal, são eles os responsáveis por permitir que a contração do músculo consiga mover os ossos e as estruturas próximas para o local desejado. 

Mas, em alguns casos, pode acontecer que os tendões sofram uma inflamação (ou irritação) e, consequentemente, causem dor nas articulações.

Essa dor pode ter a característica de irradiar para toda a extensão do músculos e vir associada a fraqueza e extrema dificuldade em realizar movimentos. 

As causas podem ser variadas, envolvendo até questões genéticas e autoimunes, porém, o que se sabe é que a razão mais comum para o problema é a realização de atividades repetitivas ou o excesso de esforço gerado sobre uma articulação. 

Assim, as pessoas que mais são acometidas, são pessoas que precisam fazer trabalhos repetitivos (como aqueles que digitam diariamente) ou atletas que geram muito impacto sobre uma articulação (tenistas, corredores, jogadores, etc).

Sobre os locais que essa patologia acomete, podemos destacar vários, porém, os mais comuns são: pulso, joelho, quadril e ombro. 

Já o diagnóstico, precisa ser feito por um profissional o qual avaliará a história e solicitará os exames necessários para, depois prescrever o tratamento correto. 

Esse tratamento, pode ser feito de três modos:

  1. Mais convencional consistindo em repouso, fisioterapia e fortalecimento do local.
  2. Com todas as estratégias anteriores, porém, com o uso de anti-inflamatórios e analgésicos para aliviar a dor.
  3. E com cirurgia (a qual só é indicada em casos graves quando a lesão no tendão foi tão intensa que ocorreu rompimento).

No mais, podemos destacar algumas medidas de prevenção para evitar que tal situação ocorra, são elas: 

  • Fortalecimento da musculatura
  • Realização de alongamentos após realizar atividades repetitivas
  • Fazer atividades físicas acompanhado de um profissional
  • Evitar o excesso de sobrecarga sobre uma articulação
  1. Bursite 

A bursa é uma espécie de bolsa de líquido sinovial que se encontra revestindo algumas estruturas das articulações do corpo.

Essa estrutura cheia de líquido existe com o objetivo de reduzir o impacto nas articulações na hora de se realizar um movimento e protege a região em diversas situações. 

Assim, quando por alguma razão ocorre a inflamação da bursa, nós denominamos de bursite. 

A bursite pode ter diversas causas, dentre as quais podemos citar: traumas, infecções (principalmente de bactérias), movimentos repetitivos e algumas doenças reumáticas (como a gota).

Assim, dependendo da causa, a pessoa com bursite pode apresentar diversos sintomas, dentre os quais:

  • Dor na articulação 
  • Rubor e calor da articulação acometida 
  • Febre
  • Dificuldade para realizar movimentos

No mais, bem definida a causa, o médico pode instituir um tratamento, o qual pode variar desde aplicação de gelo no local com repouso, até a utilização de medicamentos como anti-inflamatórios e analgésicos. 

Fora isso, em casos extremos pode ser necessário a injeção de corticoides no local a fim de reverter a inflamação.

Outro ponto importante a se destacar, é que esse quadro é benigno e tende a regredir em poucos dias quando o tratamento é instituído de forma correta.

  1. Fibromialgia

A fibromialgia é um problema de saúde bastante comum entre mulheres entre 30 e 50 anos. 

E, uma situação bastante curiosa sobre essa patologia, é que as pessoas que sofrem com isso, normalmente demoram para ter um diagnóstico fechado porque, por mais que elas reclamem das dores, os seus exames aparecem todos normais. 

Assim, é comum que, muitas vezes, a pessoa com essa doença, passe por muitos médicos e, em alguns casos, digam que os sintomas são psicológicos

Mas, ainda que não se saiba uma causa exata do que gera o problema, se sabe que ela tem uma clínica bem definida e, também, um tratamento. 

Uma das teorias que se tem a respeito do que leva a esse quadro é uma mudança na supressão da dor no sistema nervoso central. 

Logo, o limiar de dor da pessoa fica alterado e ela começa a sentir diversos sintomas. Fora isso, também se sabe que os níveis de serotonina (hormônio ligado a o prazer e felicidade) costumam estar reduzidos no corpo.

Dentre os sintomas envolvidos, podemos citar: 

Sobre as dores, podemos dizer que são de caráter crônico e costumam estar presentes em alguns pontos de gatilho no corpo (locais que quando pressionados causam dores semelhantes às percebidas normalmente). 

Inclusive, um dos critérios usados no diagnóstico da doença é a presença desses pontos de gatilho associados a dor no corpo por mais de três meses. 

O tratamento precisa ser prescrito por um médico e inclui a utilização de medicamentos como antidepressivos tricíclicos, analgésicos e anti-inflamatórios, além de outras medidas associadas  das quais se destaca:

  • Prática de exercício físico regular
  • Acupuntura
  • Massagens 
  • Terapia psicológica para que a pessoa aprenda a lidar com as dores que sente no corpo
  1. Gota

Esse tipo de artrite é reconhecido por estar associado com o aumento de ácido úrico no corpo.

Isso porque, quando o ácido úrico está em níveis elevados no corpo, se formam cristais que são depositados nas articulações (principalmente dos membros inferiores como dedão do pé, tornozelo e joelho). 

Essa situação faz com que ocorra uma inflamação no local gerando uma artrite, consequentemente a pessoa sentirá dor, vermelhidão e inchaço no local. 

A dor na articulação acaba por aparecer na madrugada e é forte o suficiente para acordar o paciente.

Outro ponto importante a se destacar é que essa doença acomete mais os homens com idade entre 40 e 50 anos. E, ainda que possa acometer mulheres, essa situação é mais rara e costuma acontecer após os 60 anos.

Após diagnosticado, o tratamento é feito com a tentativa de reduzir a inflamação no local, pois esse problema não tem cura. 

Primeiro é necessário que se tome medidas para tentar reduzir o nível de ácido úrico no corpo, nesse caso, é recomendado o aumento da ingestão de líquidos e a diminuição do consumo de alimentos. 

Além disso, em épocas de crises pode ser recomendado o uso de anti-inflamatórios e outros medicamentos para reduzir a inflamação e a dor. 

Em alguns casos também podem ser prescritas medicações que visão a redução dos níveis de ácido úrico no corpo, mas, qualquer que seja o caso, é preciso ser recomendado por um médico anteriormente. 

Por fim, é bom lembrar que não é porque uma pessoa está com o ácido úrico aumentado que, necessariamente, vai apresentar gota, na verdade, esse fato é apenas um fator de risco para o desenvolvimento da doença. 

Fora isso, também se sabe que quem tem o problema pode ter deposição de cristais em outros locais do corpo, como nos rins, e por isso precisa de um acompanhamento profissional mais de perto.

Conclusão

Se você chegou até aqui, já conhece quais são os principais motivos que levam a dores nas articulações e como deveria proceder em cada caso. 

Para relembrar, você viu:

  • Artrite reumatoide
  • Artrose
  • Tendinite
  • Bursite
  • Fibromialgia
  • E gota

Porém, gostaríamos de deixar claro que não são somente essas as doenças que podem causar dor nas articulações, isso porque existem outras patologias que também podem cursar com esse sintoma. 

Por isso, gostaríamos de reforçar que o mais  indicado é que, se você suspeita que está com algum problema articular, procure um médico para que seja orientado de maneira correta. 

Gostou? Então compartilhe esse post com mais pessoas às quais iriam gostar de saber quais são as principais doenças que geram dor nas articulações.

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorando em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).

Deixe o seu comentário

Send this to a friend