AVISO: Atendimento de segunda à sábado, seguindo protocolos de segurança.

Coxartrose – Artrose no Quadril

A coxartrose, também conhecida como artrose do quadril ou artrite degenerativa do quadril, é uma patologia que progride lentamente, ao longo de vários anos. De forma gradual limita a mobilidade do paciente, além de ocasionar dores intensas. É relacionada à idade, sendo uma doença articular degenerativa e em menor grau, inflamatório.

É a forma mais comum de dor articular.

 

O que é coxartrose?

Como qualquer artrose, a coxartrose caracteriza-se por ser um quadro clínico no qual há a degeneração da cartilagem articular. Neste caso, a área acometida é a articulação coxofemoral. E vale ressaltar que ela pode ser de origem primária ou secundária.

Quando a condição é primária, não existe uma causa conhecida para o processo degenerativo. Mas ela é, em geral, associada ao envelhecimento do organismo e a fatores genéticos. Além disso, costuma acometer o paciente bilateralmente.

Já a artrose de quadril secundária surge a partir de uma causa inicial diagnosticável que pode ser outra patologia, um trauma ou uma infecção, por exemplo. Nesses casos, na maioria das vezes, apenas um dos lados do quadril do paciente é comprometido.

Salientamos que por atingir a articulação coxofemoral, essencial para a realização de inúmeros movimentos e suporte do peso corporal, essa artrose deve ser diagnosticada e tratada com um programa de reabilitação, a fim de evitar a perda de funcionalidade do paciente.

Ainda, dentre os indivíduos com maior predisposição a desenvolvê-la destacam-se os idosos e praticantes de atividades físicas de alto impacto, como atletas de corrida, de futebol, de tênis e outras modalidades que exigem bastante da articulação do quadril.

 

 

Artrite do Quadril

Fatores de risco para Coxartrose

Idade
Obesidade
Fatores genéticos
Estresse repetitivo e sobrecarga mecânica
Esportes de alto impacto (futebol, levantamento de peso e corrida de longa distância)
Displasia acetabular
Impacto femoroacetabular
Doença de Perthes
Trauma (como luxação ou fratura do quadril)

Causas comuns de artrose no quadril

Diversos podem ser os fatores que levam ao desgaste da cartilagem articular do quadril, uma vez que esta é utilizada quase que incessantemente e não é incomum sua sobrecarga, seja por sobrepeso ou pela realização de movimentos em excesso.

Logo, algumas situações que favorecem o surgimento da coxartrose são a obesidade, a prática intensa ou excessiva de atividades físicas – principalmente as de alto impacto sobre a estrutura femuro-acetabular – e traumas que atingem diretamente a articulação.

Além disso, há correlação entre esse quadro clínico, o processo de envelhecimento e condições genéticas.

Mas existem ainda outras situações relevantes associadas aos casos de artrose do quadril.

Causas comuns incluem:

 

Artrite reumatoide e outras patologias reumatológicas

Artrites decorrentes de infecções

Diabetes

Doença de Legg-Calvé-Perthes

Luxação congênita

Osteonecrose da cabeça do fêmur

Radiografia com coxartrose severa do lado direito (lado esquerdo do raio-x)

artrose quadril

Diagnóstico de coxartrose

Além do exame clínico, um exame primordial para o diagnóstico da artrose do quadril é a radiografia da pelve. Esta permite a observação de alterações na estrutura da articulação coxofemoral como a presença de osteófitos e a redução do espaço articular.

Portanto, em associação com o relato dos sintomas, o histórico clínico do paciente e o exame físico, ela é suficiente para identificar a coxartrose.

Porém, a fim de verificar a causa inicial para tal condição pode ser preciso realizar exames complementares de sangue, tomografia computadorizada e ressonância magnética. Assim, se houver outras patologias presentes elas são diagnosticadas.

Ainda, esses exames de imagem complementares são capazes de detectar qual o grau da lesão articular com maior acuidade quando comparados à radiografia.

Na sequência, a partir de todas as informações coletadas, o médico pode indicar o tratamento adequado para o paciente.

Raio-x

Fornecem imagens detalhadas de estruturas densas, como ossos. Os raios X de um quadril artrítico podem mostrar um estreitamento do espaço articular, alterações no osso e a formação de esporões ósseos (osteófitos).

Ressonância magnética

Uma ressonância magnética pode mostrar um edema ósseo reativo (acúmulo de líquido na medula óssea, que causa inchaço), inflamação dos tecidos moles, bem como cartilagem degenerada ou fragmentos ósseos alojados na articulação.

Tomografia computadorizada

Utilizadas para visualizar os osteófitos (esporões ósseos) e os tecidos moles adjacentes. A tomografia é útil para fornecer orientação para procedimentos terapêuticos e diagnósticos.

Sintomas

A coxartrose é uma patologia caracterizada por sua evolução lenta e gradual. Portanto, seus sintomas aumentam ao longo dos anos.

Na fase inicial, dores no quadril e região da virilha costumam aparecer após a realização de atividades físicas ou movimentos como caminhar, ficar sentado por muito tempo, apoiar-se sobre o quadril, etc. Em geral a dor cessa após um período de repouso.

À medida que o quadro evolui os desconfortos aparecem já durante a movimentação e mantêm-se até mesmo nos momentos de repouso. Outro sintoma importante é a dor durante a noite, acompanhada por rigidez da articulação ao acordar.

Quando a degeneração articular está bastante avançada é comum que surjam limitações físicas ao paciente e, consequentemente, a saúde do mesmo é afetada de forma global, comprometendo aspectos biológicos e psicológicos.

Na sequência, indicamos sinais que podem ser percebidos quando a coxartrose já está evoluindo e aos quais é importante prestar atenção:

  • dor na região do quadril e da virilha;
  • irradiação da dor para a parte interna da coxa e joelho;
  • dormência e formigamento nos membros inferiores;
  • dor na panturrilha;
  • estalos no quadril;
  • sensação de presença de areia na articulação.
  • mancar ao caminhar.

 

Além disso, ressaltamos que uma vez que o quadro avança, e não há um tratamento adequado, a perda da mobilidade acarreta também atrofia da musculatura relacionada ao quadril.

Diferencas artrose artrite reumatoide

Tratamento de coxartrose

Perda de peso

Provavelmente um dos tratamentos mais importantes, embora menos comumente realizados. Quanto menos peso a articulação tiver de carregar, menos dolorosas serão as atividades.

Modificação da atividade

Pode ser necessário limitar certas atividades e aprender novos métodos de exercícios pode ser útil.

Meios auxiliares de marcha

O uso de uma bengala ou muleta na mão oposta ao quadril afetado ajudará a diminuir a demanda colocada na articulação artrítica.

Fisioterapia

O fortalecimento dos músculos ao redor da articulação do quadril pode ajudar a diminuir a carga sobre o quadril. A prevenção da atrofia dos músculos é uma parte importante da manutenção do uso funcional do quadril.

Medicamentos

Os medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios para a dor são medicamentos que ajudam a tratar a dor e a inflamação.

Acupuntura

A acupuntura pode ser usada no tratamento de dor e limitação de movimento do quadril pela coxartrose.

Suplementos para articulações

A glucosamina parece ser segura e pode ser eficaz no tratamento da osteoartrite, mas a pesquisa sobre esses suplementos tem sido limitada.

Prótese de quadril

Em casos de doença severa, com dor e limitação importante, após falha do tratamento conservador.

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorando em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Presidente do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira de Regeneração Tecidual (SBRET). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).  

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Send this to a friend