AVISO: Retornaremos o atendimento parcialmente a partir de 07/04. Para maiores informações, favor entrar em contato via WhatsApp

Aprenda mais sobre a Ventosaterapia e seus benefícios

Por que tantos atletas estão ostentando grandes marcas circulares vermelhas em seus corpos? A resposta é que eles são fãs de ventosaterapia – uma técnica que envolve pressionar frascos quentes sobre o corpo. Isso provoca uma sucção, que pode aumentar o fluxo de sangue nestas áreas. Os nadadores e ginastas que utilizam a técnica afirmam que ela ajuda a aliviar suas dores.

Acredita-se que a acupuntura, ventosaterapia (cupping) e Medicina Tradicional Chinesa possa ajudar em muitas patologias, mas tem havido uma prevalência crescente em suas utilizações para a medicina esportiva (Young, 2005). A ventosaterapia é utilizada frequentemente para tratar tanto lesões atléticas agudas quanto crônicas (Meleger & Borg-Stein, 2000). Condições musculoesqueléticas têm provado ser uma das principais razões pelas quais os pacientes se voltam para acupuntura. A validade dos benefícios da ventosaterapia e acupuntura está começando a ser analisada em diversos estudos.

Não só os efeitos sobre as lesões musculoesqueléticas estão sendo estudados, mas o efeito da acupuntura no desempenho físico também está sendo considerado. Sugere-se que a acupuntura possa melhorar o desempenho físico e mental. Perguntas estão surgindo para entender se este método afeta ou não a força muscular, flexibilidade e a fadiga. Ao avaliar os usos da acupuntura no campo da medicina esportiva, todos aspectos devem ser considerados.

Esportes estão se tornando cada dia mais competitivos, e os atletas estão sempre procurando melhorar o seu desempenho. Recentemente, médicos que trabalham com esporte e reabilitação vêm olhando além das lesões físicas, focando também na melhoria de desempenho através do aperfeiçoamento físico e mental.

Muitos atletas irão longe para obter uma “vantagem” na concorrência. A literatura tem demonstrado que os atletas estão entre os mais frequentes usuários de acupuntura e cupping.  A acupuntura e ventosaterapia têm demonstrado ser um método mais natural, seguro e legal para usar em oposição a substâncias proibidas, tais como esteróides.

Há uma abundância de outras técnicas de recuperação que os atletas usam, como massagem esportiva, sauna, banhos de gelo e roupas de compressão – mas de acordo com o ginasta americano Alex Naddour, “a ventosaterapia foi o dinheiro mais bem gasto da minha vida”. “Este foi o segredo da minha saúde este ano”, Naddour disse, acrescentando que a técnica o poupou de um “monte de dor”.

Sobre a ventosaterapia

A ventosaterapia é uma terapia da medicina tradicional chinesa (MTC), que surgiu há pelo menos 2 mil anos.

O mecanismo da ventosaterapia não é claro, mas alguns pesquisadores sugerem que a colocação de copos em pontos de acupuntura selecionados na pele produz hiperemia ou hemostasia, o que resulta num efeito terapêutico. Alguns estudos também indicam que a estimulação de pontos nervosos na pele aumenta a liberação de peptídeos endógenos (gerando analgesia) e controle da dor. O tratamento poderia também auxiliar na microcirculação muscular local, promovendo relaxamento e diminuição de banda tensa muscular.

Outros estudos também indicam que o relaxamento muscular pode ser explicado pela diminuição de input nociceptivo ou pela liberação de óxido nítrico local (molécula que media vasodilatação e circulação sanguínea local).

História das ventosas

A ventosaterapia remonta aos antigos egípcios, chineses, e outras culturas do Oriente Médio.

A terapia de ventosaterapia é uma modalidade de cura da medicina chinesa que tem sido aplicado na Ásia, em particular na China, bem como no norte da Europa (Escandinávia).  A ventosaterapia remonta aos antigos egípcios, chineses, e outras culturas do Oriente Médio.

Uma das primeiras documentações de ventosaterapia pode ser encontrada no trabalho intitulado ‘Um Manual de Prescrições Para Emergências’, que foi escrito por um herbalista taoísta de nome Ge Hong e que data de aproximadamente 300 AD. Um dos mais antigos livros de medicina do mundo, o Papiro de Ebers, descreve como os antigos egípcios estavam usando terapia por ventosa em 1550 a.C.

Material e técnica das ventosas

Os copos utilizados podem ser feitos de materiais diferentes, tais como o bambu, plástico, vidro, ou cerâmica.

Durante o tratamento, o ar no interior dos copos é primeiramente rarefeito para criar um vácuo parcial, o qual pode ser conseguido por vários meios, tais como aparelhos de calor ou de vácuo. Os copos são então aplicados sobre a pele sobre os pontos de acupuntura prescritos. O efeito resultante é hiperemia local ou homeostase como tratamento para uma doença específica.

Geralmente, a ventosaterapia é combinada com um tratamento em acupuntura, mas também pode ser utilizada sozinha.

A sucção e pressão negativa fornecida pela ventosaterapia pode afrouxar músculos, estimular o fluxo sanguíneo e sedar o sistema nervoso.  A ventosaterapia é usada para aliviar dores nas costas e pescoço, rigidez muscular, ansiedade, fadiga, enxaquecas, reumatismo, e até mesmo a celulite.

Dependendo da condição que está sendo tratada, os copos serão deixados no lugar de 5 a 10 minutos. Diversos copos podem ser colocados no corpo de um paciente ao mesmo tempo.

Alguns profissionais também aplicam pequenas quantidades de óleos medicinais e óleos de ervas para a pele pouco antes do procedimento de ventosaterapia, o que lhes permite mover os copos para cima e para baixo em particulares pontos de acupuntura ou meridianos depois de terem sido aplicadas.

Uso da ventosaterapia

Na China, a ventosaterapia é usada principalmente para tratar doenças respiratórias, como bronquite, asma e congestão; artrite; problemas gastrointestinais e certos tipos de dor. Alguns profissionais também usam a ventosaterapia para tratar a depressão e reduzir o inchaço. Locais do corpo com mais músculos, tais como o abdômen e costas (e, em menor grau, os braços e pernas), são os locais preferidos para tratamento.

Nas Olimpíadas do Rio de Janeiro de 2016, o público em geral pôde notar um elevado número de atletas de alto rendimento fazendo uso da ventosaterapia para tratamento de dores, reabilitação músculo-esquelética esportiva, e também prevenção de lesões.

Alguns exemplos de atletas que se utilizaram da terapia foram a equipe de natação dos Estados Unidos da América (como o recordista olímpico Michael Phelps), além de atletas da China e de outras delegações.

Aprenda mais sobre a dor

A maioria das pessoas sofrem de dor grave em algum momento de suas vidas. Quase 80% de todas as visitas ao clínico geral envolvem pelo menos uma queixa diretamente relacionada com a dor, e 75% dos têm experimentado dor crónica ou dor recorrente, custando 200 bilhões de dólares anualmente. Enquanto muitas vezes a dor é profilática para o agravamento do prejuízo, um adequado tratamento da dor também é reconhecido como um direito humano fundamental e integral para a boa assistência ao paciente.

A dor pode ser classificada fisiologicamente como esquelética, neuropática, inflamatória ou ainda ser classificada pelo tipo de tecido envolvido, como pele, músculo, vísceras, articulações e ossos; ou relacionados com alguma doença / condição, tal como o câncer ou fibromialgia; ou pode refletir estados psicológicos, idade, sexo e cultura.

No entanto, a maioria das diretrizes e organizações, incluindo a mais recente Classificação Internacional de Doenças, fundamentalmente classifica a dor como aguda ou crônica de acordo com a fase inicial de categorização.

Evidencias cientificas da ventosaterapia

Um estudo de 2012 publicado na revista PLoS ONE sugere que a ventosaterapia pode ser mais eficaz do que um efeito placebo.

Pesquisadores australianos e chineses avaliaram cerca de 135 estudos sobre a terapia publicados entre 1992 e 2010. Eles concluíram que a ventosaterapia pode ser eficaz quando combinada com outros tratamentos como acupuntura ou medicamentos no tratamento de várias doenças e condições, tais como:

  • Herpes zoster
  • Acne
  • Paralisia facial
  • Espondilose cervical

 

Mas os pesquisadores reconhecem que muitos dos estudos em sua revisão continham algum viés.  Eles afirmam que melhores estudos são necessários para tirar uma conclusão definitiva.

Uma revisão sistemática da literatura baseada em estudos clínicos disponíveis publicados desde 1958 até 2008, foi publicado por Cao et al. Os autores concluíram que a maioria dos os 550 estudos incluídos mostraram que a ventosaterapia possui um potencial benefício para condições dolorosas, além de herpes zoster, e também tosse e dispneia.

Outra revisão publicada pelos mesmos autores procurou verificar se a terapia foi eficaz ou não para várias patologias, especialmente quando combinada com outros tratamentos.

Com esta revisão, eles expandiram a pesquisa para incluir artigos publicados entre 2008 e 2010. Os 62 novos estudos indicam que a antiga prática de ventosas continua a ser uma importante modalidade terapêutica na China e está ganhando reconhecimento em outros locais. Apesar do grande número de estudos sobre esta terapia incluir estes 62 novos estudos, continua a haver uma falta de investigações bem delineada.

A avaliação de Kim publicada em 2011, mostrou que 6 de 7 ensaios analisados relataram que ventosaterapia teve um efeito positivo para a dor lombar, dor oncológica, neuralgia trigeminal, e braquialgia parestésica noturna  em comparação com os cuidados habituais, analgésicos, ou terapia de calor. Somente um estudo não encontrou efeitos superiores da terapia de ventosaterapia para a herpes zoster em comparação com a medicação.

A terapia combinada com outros tratamentos, tais como acupuntura ou medicamentos, mostrou benefícios significativos em relação a outros tratamentos sozinhos

Desafios nos estudos

Outra questão é a incerteza, que continua a ser um desafio para estudos, envolvendo terapias de cura manuais, como a acupuntura, massagem e ventosaterapia. Uma meta-análise revelou que colocar a terapia combinada com outros tratamentos, tais como acupuntura ou medicamentos, mostrou benefícios significativos em relação a outros tratamentos sozinhos na perspectiva de cura para o herpes zoster, acne, paralisia facial, e espondilose cervical.

Isto parece apoiar a prática comum na China de combinar a medicina tradicional chinesa com modalidades terapêuticas, seja MTC com MTC ou MTC com a medicina ocidental (medicamentos, exercícios), para melhorar a eficácia das terapias.

Efeitos colaterais

Efeitos adversos resultantes da terapia de ventosaterapia estão relacionados com equimoses (que tipicamente solucionadas dentro de alguns dias), inchaço e/ou queimaduras em alguns casos. 

Em nossa revisão, 10,34% dos estudos incluídos relataram equimoses em locais de tratamento como um leve efeito colateral com lesões desaparecendo dentro de 2-5 dias após o tratamento. Equimose é considerada uma reação normal após a ventosaterapia, que desaparecerá automaticamente em poucos dias, e não há necessidade de qualquer tratamento.

Outros eventos adversos leves foram relatados como aumento da dor ou formigamento.

O efeito a longo prazo da terapia de escovação não é conhecido, mas a prática é geralmente segura com base no uso clínico de longo prazo e os relatórios dos estudos clínicos.

Segurança da ventosaterapia

O uso desta técnica é geralmente seguro com base na aplicação clínica ao longo dos resultados relatados nos ensaios clínicos analisados.

Não se encontrou na literatura médica relatos de efeitos adversos mais graves.

Conclusão

Em conclusão, os resultados de revisões sistemáticas e evidências médicas sugerem que a ventosaterapia pode ser eficaz para várias doenças / condições, em particular, dores crônicas, e na reabilitação esportiva, além de acne, neuralgia herpética e paralisia facial.

No entanto, a principal limitação dos trabalhos foi que os ensaios, quase todos incluídos, foram avaliados com um alto risco de viés.

Estes trabalhos encontraram pelo menos uma moderada evidência de que a ventosaterapia é mais eficaz do que nenhum tratamento ou outros tratamentos (tais como a termoterapia, o tratamento usual e convencional com medicamentos) na redução da dor a curto prazo (dentro de 4 semanas).

Como tal, é necessário realizar mais ensaios clínicos randomizados que são de amostras maiores de alta qualidade a fim de se chegar a uma conclusão definitiva.

2 Comentários

Deixe o seu comentário.

Deixe o seu comentário

Send this to a friend