AVISO: Atendimento de segunda à sábado, seguindo protocolos de segurança.

Medicamentos para o controle da dor: Analgésicos

Se você já sofreu de dores nas costas ou pescoço, provavelmente já tomou analgésicos para reduzir os sintomas.

Simplificando, analgésicos são remédios para alívio da dor. De fato, a palavra “analgésico” é derivada das palavras gregas “an” e “algesis”, significando “sem dor”.

Analgésicos comuns são divididos em analgésicos simples (como a dipirona ou paracetamol, que podem ser adquiridos sem receita) e opióides (normalmente só adquiridos com receita).

Analgésicos são uma extensa classe de medicamentos que está disponível em forma oral ou tópica.

Alguns analgésicos podem ser comprados sem receita, enquanto outros necessitam de prescrição médica.

Alguns aliviam a dor, outros reduzem não só a dor como também inflamações. O uso apropriado de analgésicos – o medicamento certo no intervalo certo – proporciona um bom alívio da dor para a maioria dos pacientes.

Existem diversos medicamentos que podem ser usados dependendo das circunstâncias clínicas.

Eles geralmente se enquadram em três categorias: analgésicos opioides, analgésicos não opioides e medicamentos adjuvantes com atividade analgésica.

Para ajudá-los a entender melhor esse grupo de medicamentos, esse artigo terá 2 sessões principais: analgésicos que podem ser conseguidos no balcão da farmácia, sem receita e analgésicos que precisam de prescrição médica.

Acetaminofenos (como Tylenol) e a dipirona (como a Novalgina) são os medicamentos mais utilizados para dores nas costas, e não é surpreendente que sejam o analgésico mais popular que pode ser conseguido sem prescrição. Também podem ser encontrados em combinação com analgésicos narcóticos (opióides), como a codeína (Tylex ou Paco), que no entanto, necessitam de prescrição médica.

O propósito dos acetaminofenos e da dipirona é no alívio de dor. Por isso o mesmo não reduz inflamações. Geralmente, são remédios seguros para serem utilizados a médio e longo prazo, com efeitos colaterais graves raros.

Outro analgésico comumente usado no Brasil é a dipirona (Novalgina, Lisador). Ela tem também ação antitérmica e antipirética, sendo por isso bastante utilizada no tratamento não só de dores agudas ou crônicas, mas também no alívio da febre, que pode ser normalmente provocada por gripes e resfriados, por exemplo.

 

Segue abaixo outros exemplos de medicamentos usados para dor aguda. Todos são remédios anti-inflamatórios sem esteróides (AINEs); isso quer dizer que esses analgésicos não apenas reduzem a dor, como também a inflamação.

  • Aspirina
  • Ibuprofeno (como Advil ou Motrin)
  • Naproxeno (como Flanax)
  • Meloxican (como Flamatec, Melocox)

 

É preciso ressaltar que os anti-inflamatórios não esteroidais não devem ser utilizados por períodos maiores do que 7 dias, devido ao maior risco de efeitos colaterais graves, como úlceras gástricas, e nefropatia ou insuficiência renal aguda. Consulte sempre seu médico se a sua dor persistir.

Aplicações tópicas de analgésicos, como creme de capsaicina e saliciatos são alternativas para analgésicos de uso oral. Esse cremes e bálsamos são comumente usados para aliviar dores nas articulações, mas algumas pacientes descobrem que os mesmos reduzem dores nas costas também.

Analgésicos que podem ser obtidos sem receita são mais eficientes nos estágios iniciais de dor lombar aguda. Se sua dor progredir ao ponto que analgésicos comuns não conseguem acabar com ela, talvez seja hora de explorar outras formas de tratamento de dor, como combinação de medicamentos, uso de medicamentos adjuvantes, ou até medicamentos opióides.

Outros medicamentos analgésicos

Seu médico pode prescrever um analgésico por uma variedade de motivos.

Se recentemente você teve que passar por uma cirurgia na coluna, esses medicamentos são normalmente potentes o suficiente para controlar a aguda dor pós operatória.

Ou talvez sua dor nas costas seja tão intensa que os medicamentos comprados sem receita não são mais efetivos em reduzir seus sintomas.

Qualquer que seja a razão, o mais importante é que você siga precisamente as instruções do seu médico quando tomar os medicamentos, já que eles podem causar sérios efeitos colaterais.

Os 2 tipos principais de analgésicos prescritos descritos nesse artigo são inibidores de COX-2 e opióides.

comprimidos e1589400508671

Inibidores de COX-2

Inibidores de COX-2 são a mais nova classe de AINEs, sobre prescrição médica, para reduzir a dor e inflamação, porém com um risco menor de causar efeitos colaterais gastrointestinais do que os anti-inflamatórios não esteroidais tradicionais.

Celecoxibe (Celebra) é um exemplo de inibidor COX-2.

Efeitos colaterais de inibidores de COX-2 incluem o aumento do risco de problemas cardiovasculares, como infartos e coágulos sanguíneos.

E, enquanto inibidores de COX-2 tem um menor risco de causar problemas estomacais que os AINEs tradicionais, esse risco ainda existe. Então se você tem algum problema gastrointestinal, converse com seu médico sobre o mesmo antes de tomar esses medicamentos.

 

 

Opióides

Opióides são analgésicos extremamente potentes – e devem apenas ser tomados se você tiver dor severa – Opióides também são chamados de narcóticos, o que pode lhe deixar inseguro sobre utilizá-los. A palavra “narcótico” carrega algumas conotações negativas. Esse tipo de medicamento é seguro e efetivo quando usado corretamente e sob supervisão médica..

Opióides funcionam essencialmente diminuindo sua percepção da dor e, portanto, sua reação a mesma.

Existem muitos tipos de analgésicos narcóticos. Morfina é um dos narcóticos mais conhecidos, porém outros opióides incluem:

  • Tramadol (Tramal)
  • Codeína (Tylex, Paco)
  • Metadona (Mytedom)

A maior preocupação sobre opióides é o risco de dependência. Apesar disso, esses medicamentos são seguros e efetivos quando usados corretamente e sobre cuidadosa supervisão médica.

Além do risco de se tornar dependente de narcóticos, outros efeitos colaterais incluem:

  • constipação
  • náusea

Conclusões

Analgésicos – sejam prescritos ou não – são comumente usados contra dores nas costas e pescoço.

Quando usados corretamente, são métodos seguros e efetivos de lidar com dores agudas e dores crônicas. No entanto, para muitas dores crônicas é possível que seja necessário a associação de outros medicamentos para um melhor alívio analgésico, como relaxantes musculares e medicamentos anti-depressivos.

Tomar mais do que a dose recomendada de paracetamol pode causar danos ao fígado (hepatite).

Tomar analgésicos opioides em doses mais altas do que o prescrito pelo médico ou combiná-los com outras drogas – incluindo álcool – que afetam o sistema nervoso central pode levar a overdoses.

O uso de analgésicos opióides traz risco de dependência e / ou overdose.

Como sempre, converse com seu médico sobre quaisquer questões e/ou preocupações que você tiver sobre seu plano de tratamento.

 

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorando em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Presidente do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira de Regeneração Tecidual (SBRET). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).  

Artigos relacionados

Send this to a friend