CENTRO DE TRATAMENTO DE DOR: Dor, Acupuntura Médica, Ondas de Choque, Fisiatria e Fisioterapia.

Dor nas costas em mulheres

As dores nas costas são uma condição muito recorrente tanto em homens como em mulheres, seja devido à má postura, ao tipo do trabalho da pessoa, a posição como dorme ou outras causas. No entanto, o corpo feminino apresenta algumas características que aumenta a suscetibilidade às dores nas costas.

Há uma série de dores nas costas e condições relacionadas que as mulheres são mais suscetíveis a desenvolver.

Além disso, para as mulheres, a dor nas costas tem maior probabilidade de se tornar crônica com o tempo

 

 

 

Tipos de dor nas costas

vistas da coluna vertebral

 

A coluna vertebral é composta por 33 vértebras, sendo ela dividida em 4 regiões:

 

As regiões mais afetadas são cervical e lombar, devido à maior movimentação e sobrecarga.

Assim, os dois principais tipos de dor nas costas em mulheres são cervicalgia e lombalgia.

Dores nas costas

dor nas costas

As causas de dores nas costas (sejam elas na região cervical ou lombar) são muitas vezes difíceis de definir.

Vale sempre a pena ter uma dor nas costas grave ou crônica verificada por um profissional – se tiver mais de 55 anos, existe uma chance de 5% de que a sua dor lombar seja causada por uma fratura e 1% de chance de se tornar algo mais sinistro, como um tumor, aneurisma ou infecção.

No entanto, é importante notar que geralmente isso pode ser atribuído a fatores de estilo de vida ou desgaste normal.

Causas de cervicalgia

torcicolo dor cervical

A maioria das pessoas sentirá dores no pescoço em algum momento da sua vida e, seja leve ou grave, pode realmente ser incapacitante. Compreendendo melhor as causas da dor no pescoço, você pode não apenas tratá-la, mas também impedir que ela ocorra em primeiro lugar.

A dor nas costas em mulheres na região cervical é mais relacionada ao trabalho, isto é, a forma de se sentar, digitar, muito comum nos dias atuais devido ao uso do computador como principal ferramenta de trabalho.

Com o avanço tecnológico e com a inserção de cada vez mais mulheres nas linhas de produção, escritórios, editoras e diversos cargos administrativos, as condições de saúde relacionadas às mulheres tem ido muito além das questões do sistema reprodutivo.

O estresse prolongado no local de trabalho é conhecido por causar sintomas físicos, como fadiga ou dores no corpo, e algumas pessoas podem ser mais propensas a elas do que outras. De acordo com um estudo sueco recente, a dor no pescoço relacionada ao estresse é uma ocorrência comum, e afeta mais as trabalhadoras do sexo feminino do que seus colegas do sexo masculino.

É preciso adequar os hábitos para evitar as dores na cervical, bem como praticar alongamentos.

Na maioria dos casos, a dor no pescoço geralmente dura menos de uma semana. Mas se o problema persistir por mais de uma semana, consulte um profissional de saúde para um exame completo.

Lombalgia e Lombociatalgia

Causas da lombalgia

As dores na lombar podem ter causas mais diversificadas, veja as principais causas de dor nas costas em mulheres nesta região específica:

  • Gravidez: O aumento do peso e a pressão dos órgãos incidem diretamente na postura da gestante, além disso, a própria curvatura da coluna sofre alteração, isto é, aumenta-se a lordose, o que causa dores intensas na lombar.
  • Seios grandes: muitas mulheres possuem mamas muito grandes a ponto de prejudicar a postura, devido ao peso concentrado na frente do corpo, fazendo com que a mulher tenha que adequar a postura para tentar equilibrar o peso, porém isso faz causar lombalgia e pressão nos discos intervertebrais.
  • Salto alto: O uso de sapatos de salto alto pode interferir diretamente na postura da mulher, pois altera a posição natural da coluna, podendo causar dor nas costas em mulheres, bem como problemas nas articulações do quadril, joelhos e tornozelo, com isso a lombar recebe uma sobrecarga.
  • Bolsas pesadas: É consensual que quanto maior a bolsa da mulher, mais objetos ela carrega, geralmente estas bolsas são unilaterais, o que faz com que o peso seja todo incidente em um ombro, podendo causar desgaste dos discos intervertebrais e até mesmo causas desvio na coluna.

As mulheres sentem mais dor?

Geralmente, as mulheres têm mais dores e dores do que os homens. As mulheres são mais propensas a ter enxaqueca, artrite reumatóide, cãibras nos bezerros, fibromialgia (dor crônica difusa no corpo) e polimialgia reumática (dores musculares reumáticas), além de dores específicas, como dor de parto, menstruação, endometriose, dor no baixo-ventre e dores no corpo pré-menstrual.

As mulheres são mais propensas a deficiências minerais, como osteoporose (deficiência de cálcio), anemia (deficiência de ferro), baixa tireóide (muitas vezes devido à deficiência de iodo) e fadiga crônica (muitas vezes devido à deficiência de vitamina D ou magnésio).

Portanto, podem sofrer de uma série de doenças, incluindo distúrbios articulares e musculares. Eles geralmente se machucam muito facilmente e, por isso, têm mais probabilidade de ter lesões no pescoço e nas costas.

As mulheres geralmente trabalham mais horas do que os homens. Eles são os primeiros a se levantar e durar. De cuidar de crianças a organizar refeições e resolver os assuntos gerais da família, elas geralmente desempenham um papel importante.

O desgaste nas articulações e músculos é óbvio. Como mulheres que trabalham, além disso, eles têm um dia inteiro de deveres normais para realizar. Sua postura é geralmente ruim devido à fadiga e ao esforço excessivo.

Finalmente, a gravidez coloca muita pressão na região lombar. O peso do bebê sobrecarrega a virilha e a parte inferior das costas. Pouco antes do final do prazo, o corpo secreta um hormônio que causa perda óssea nas superfícies articulares pélvicas e lombares.

Isso é para torná-los mais flexíveis para que a cabeça possa atravessar a cintura pélvica sem qualquer impedimento. Isso geralmente causa dores nas costas adicionais.

À medida que o bebê cresce, a mãe precisa carregá-lo com muita frequência, o que sobrecarrega os braços e o pescoço. As mães esquecem que a criança ganha peso rapidamente e continua a levantá-las e carregá-las, o que causa muita dor nas costas.

Outras causas de dor nas costas em mulheres

Também é importante destacar o fator hormonal que interfere na saúde da coluna vertebral da mulher e pode causar dor nas costas em mulheres, isto é, elas são mais suscetíveis à osteoporose devido à redução do nível de estrogênio  decorrente da menopausa,  que causa enfraquecimento dos tecidos ósseos.

Falta de atividade física também interfere diretamente tanto em homens como em mulheres, porém o corpo feminino tende a acumular mais gordura e menos massa muscular do que o masculino, por isso, praticar atividade física regularmente previne  diversos tipos de dor nas costas em mulheres.

 

Clinica Hong Jin Pai Sao Paulo e1621991307344

RUA SAINT HILAIRE 96 – JARDIM PAULISTA – SÃO PAULO – SP

Clínica de Dor, Fisiatria e Acupuntura Médica

Clínica médica especializada localizada na região dos Jardins, próximo à Av. Paulista, em São Paulo — SP.

Centro de Dor, com médicos especialistas pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Tratamento por Ondas de Choque, Infiltrações, Bloqueios anestésicos e Acupuntura Médica

Infografico - Dor no quadril - Piriforme

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorado em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Presidente do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira de Regeneração Tecidual (SBRET). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).  

Artigos relacionados