CENTRO DE TRATAMENTO DE DOR: Dor, Acupuntura Médica, Ondas de Choque, Fisiatria e Fisioterapia.

Dor no ombro: Tendinopatia do Bíceps

Tendinite do bíceps, também chamado de tendinite bicipital, é uma inflamação no tendão principal que une a parte superior do músculo bíceps ao ombro. A causa mais comum é o uso excessivo de certos tipos de atividades desportivas ou de trabalho.

A tendinopatia bicipital é uma inflamação no tendão do músculo bíceps braquial que provoca dor na parte da frente (anterior) do ombro. O bíceps braquial, como é conhecido, está localizado na porção anterior do braço.

A tendinopatia do bíceps é uma condição musculo-esquelética comum. Ela se assemelha muito com outras dores dos ombros e dos braços, e muitas vezes é confundida com a Tendinopatia do Supra Espinhal ou Tendinopatia do Manguito Rotador.

A diferença de uma para a outra é a localização da dor. Na tendinopatia do bíceps a dor está localizada entre o tubérculo maior e o menor do úmero, sendo desse local que esse tendão se origina. 

Ele tem várias funções, como flexionar o cotovelo e ajudar a girar o antebraço.

A tendinopatia do bíceps é uma lesão músculo-esquelética, e existem motivos para esse tendão inflamar.

Ações repetitivas e contínuas do ombro podem causar o uso exagerado do tendão. Com o uso repetitivo e prolongado, as células que foram danificadas no tendão não tem tempo de se recuperar por causa das ações repetitivas. É isso que muitas vezes leva a tendinite e inflamação deste tendão muscular.

Essa patologia é bem comum em pessoas que praticam esportes ou atividades que exigem o uso frequente e repetido do braço, principalmente em movimentos realizados acima do nível do ombro. Em atividades com raquetes, natação, vôlei ou outros esportes de arremesso é comum acontecer esse problema. Mas ele também acontece em trabalhadores, principalmente aqueles que precisam levantar peso acima do ombro e fazem esse movimento muitas vezes ao dia.

Nessas pessoas os tecidos acabam apresentando sinais de degeneração, quando um tendão se degenera provoca uma perda da disposição normal das fibras de colágeno, quando isso ocorre no bíceps acontece uma inflamação e em casos mais graves até a ruptura do tendão.

O problema também pode acontecer por causa de uma lesão direta, como uma queda, por exemplo. Quando o ligamento umeral transverso é rasgado ele pode levar a tendinite do bíceps.

Com o ligamento rompido o tendão fica livre e pode saltar para fora do sulco, esse movimento irrita e pode causar a inflamação.

Ela é causada por outros problemas também como:

  • Ruptura do manguito rotador – o envelhecimento normal pode causar a ruptura do manguito rotador e desenvolver a tendinopatia. Quando ele se rompe, a cabeça do úmero fica livre assim como já falamos e o impacto pode causar inflamação.
  • Instabilidade do ombro – Algumas vezes as condições podem alterar a instabilidade do ombro, quando uma pessoa faz movimentos extremos do ombro, repetindo e com frequência pode ocasionar a tendinopatia.
  • Impacto do ombro – Com o impacto alguns problemas podem acontecer e um deles é a tendinopatia do bíceps.

Sintomas da tendinite do bíceps braquial

dor no braço

Os sintomas são muitas vezes inespecíficos.

Os sintomas podem incluir:

Dor na região anterior do ombro

A dor geralmente piora com atividade física ou manobras de elevação do ombro

Dor ou incômodo com atividades

Movimentos como elevar o braço, que combinam abdução e rotação externa podem resultar em dor

Fraqueza muscular

Alguns pacientes descrevem fraqueza muscular, ou sensação de instabilidade com o ombro

Sensação de estalos

Sensação de estalidos pode ocorrer em lesões do tendão

Fraqueza ao dobrar o cotovelo

Muitas vezes o paciente também se sente fraco ao dobrar o cotovelo e torcer o antebraço.

Assim que começar a sentir as dores é importante procurar um médico especialista.

Em problemas assim, quanto antes você visitar um médico, melhor.

Assim que procurar seu médico ele fará o histórico clínico detalhado, e exame do ombro.

Alguns diagnósticos diferenciais ou patologias que podem estar associadas incluem:

Síndrome Dolorosa Miofascial

A dor miofascial é causa comum de dor em região anterior do ombro. Pode acometer a musculatura do bíceps, e músculos associados como o deltóide e supraespinhal.

Tendinopatia do manguito rotador

Tendinopatia da musculatura do manguito pode estar associada a uma lesão primária do bíceps

Capsulite adesiva

É importante a exclusão deste diagnóstico, popularmente conhecido como “ombro congelado”, pois o tratamento e sintomatologia são diferentes.

Bursite subacromial

A bursite (inflamação da bursa) pode ser uma lesão associada em pacientes com dor no ombro

Imagem de ressonância magnética do ombro

Diagnóstico

Para confirmação do diagnóstico ou avaliação de diagnósticos diferenciais, alguns exames podem ser solicitados, tais como:

  • Raio-X de ombro;
  • Ressonância magnética de ombro;
  • Ultrassonografia de ombro;
  • Eletroneuromiografia para afastar outras patologias como cervicobraquialgias

 

 

Tratamento de tendinopatia do bíceps

O tratamento é geralmente não-cirúrgico, consistindo de medidas farmacológicas e não farmacológicas.

Em uma fase inicial, repouso pode ser recomendado.

Também é feita uma administração de medicamentos como analgésicos e anti-inflamatórios não esteroides. Os medicamentos anti-inflamatórios vão auxiliar no alívio da dor, diminuir a inflamação local, e ajudar que o paciente volte as atividades normais.

Geralmente também é necessário a reabilitação com fisioterapia, ela também vai ajudar a diminuir a dor e inflamação.

Você também pode fazer aplicação de compressas de gelo (crioterapia), isso pode ser feito até mesmo antes de procurar o médico, a compressa ajudará a minimizar a dor e você conseguirá esperar pela consulta. O correto é fazer compressas de gelo por 8 minutos, depois dê uma pausa de 3 minutos e volte a repetir o processo de 8 minutos. Você precisa fazer isso por cerca de 30 minutos mais ou menos e em 3 ou 4 dias para que a dor diminua.

O tratamento com ondas de choque é uma opção terapêutica moderna, não invasiva, utilizada em atletas e em pacientes com dor aguda no ombro. As ondas mecânicas de alta energia tem efeito analgésico e anti-inflamatório, podendo ajudar na reabilitação da lesão.

Injeções de corticoides (como a triancinolona) podem reduzir a dor, reduzindo a inflamação. Eles não são considerados apaziguadores de dor. Injeções de cortisona podem proporcionar alívio rápido, mas os resultados são mistos. Injeções de cortisona repetidas para a mesma área podem enfraquecer, cartilagens, ligamentos e tendões.

Tratamento de acupuntura para dor no ombro

acupuntura

O tratamento de acupuntura é focado na redução da inflamação, melhorando o fluxo sanguíneo e diminuindo a dor. Acupuntura é excelente em tratar as lesões do tipo crônicas, podendo ser uma ótima opção para pacientes que não respondem bem ao tratamento convencional.

A Acupuntura envolve a inserção de agulhas finas, pré-esterilizadas e descartáveis em várias áreas do corpo para obter uma resposta. Acupuntura estimula a liberação do opióides (analgésicos químicos endógenos) bem como adenosina, que é um analgésico natural com propriedades anti-inflamatórias.

Ao contrário de uma injeção de cortisona, que é dado diretamente na área lesada, as agulhas de acupuntura não precisam ser colocado em uma área já lesionada. Usando um estilo de acupuntura que se concentra em tratamentos distais (longe das áreas dolorosas), podemos alcançar resultados sem causar qualquer desconforto adicional.

Como funciona a Acupuntura? Em um estudo de 2010 comparando acupuntura com tratamentos ortopédicos convencionais, o grupo de acupuntura saiu-se muito melhor. Os pacientes foram acompanhados durante 3 meses, e após o final deste período, o grupo de acupuntura teve uma taxa de recuperação de 65% contra 37% para o grupo ortopédico.

Referências bibliográficas:

Pain. 2010 Oct;151(1):146-54. Epub 2010 Jul 23. German Randomized Acupuncture Trial for chronic shoulder pain (GRASP) – a pragmatic, controlled, patient-blinded, multi-centre trial in an outpatient care environment. Molsberger AF, Schneider T, Gotthardt H, Drabik A.

Carr RM, Shishani Y, Gobezie R. How accurate are we in detecting biceps tendinopathy?. Clinics in sports medicine. 2016 Jan 1;35(1):47-55.

Raney EB, Thankam FG, Dilisio MF, Agrawal DK. Pain and the pathogenesis of biceps tendinopathy. American journal of translational research. 2017;9(6):2668.

7 Comentários

Deixe o seu comentário.

Deixe o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Send this to a friend