AVISO: Retornaremos o atendimento parcialmente a partir de 07/04. Para maiores informações, favor entrar em contato via WhatsApp

Tendinopatia do Manguito Rotador: dor no ombro

Se você sente muita dor no ombro, dificuldade de executar alguns movimentos de rotação com o braço ou fraqueza, pode estar com a chamada Tendinite do Manguito Rotador.

A Síndrome do Maguito Rotador é uma patologia associada à inflamação, irritação ou ruptura da musculatura dessa zona do corpo e que é extremamente comum na população.

A tendinite do manguito rotador, do músculo su­pra-espinhoso e do tendão bicipital é causa comum de dor e incapacidade na região do ombro. A tendinite do supra-espinhoso é causada por relações anatômicas desfavoráveis que geram isquemia tecidual e degene­ração da estrutura ligamentar. A isquemia prolongada pode desencadear ou perpetuar tendinites e síndromes dolorosas miofasciais .

A Tendinite do Manguito Rotador não tem causa específica, mas pode aparecer de forma súbita, após uma queda, por exemplo, ou piorar com o tempo devido à execução de movimentos repetitivos, seja no trabalho, no dia a dia, ou na prática esportes.

Pessoas de qualquer idade podem desenvolver o quadro e seu tratamento geralmente é simples e bem-sucedido, com o desaparecimento total ou quase total da dor.

Ignorar os sintomas, no entanto, pode levar à perda de mobilidade do ombro ou ainda à piora da inflamação, levando à necessidade de intervenção cirúrgica ou ainda transformando o quadro em uma doença crônica, sem possibilidade de cura total.

Entendendo o problema: anatomia do ombro

O ombro é composto por três ossos: a clavícula, a escápula (omoplata) e o úmero (osso do braço).

A escápula é um osso triangular que tem duas partes importantes para o ombro: o acrômio e o glenóide.

Os três ossos na região dos ombros compõem duas articulações principais:

Articulação acromioclavicular, que permanece entre o acrômio da escápula e da clavícula

Articulação glenoumeral, que está entre a glenóide da escápula e do úmero

Além disso, o ombro é composto por músculos, tendões (fibras que unem os músculos aos ossos) e ligamentos (unem os ossos de uma articulação)

O chamado manguito rotador é formado por um grupo de quatro músculos que estão posicionados em torno da articulação do ombro. Eles servem para estabilizar a articulação do ombro e ajudam no movimento dessa zona do corpo.

Os quatro tendões dos músculos do manguito rotador se juntam para formar um tendão maior, chamado de tendão do manguito rotador. Ele se liga à cabeça do úmero (a superfície óssea na parte superior do osso do braço). Debaixo do acrômio da escápula há um espaço, chamado espaço subacromial, por onde esse tendão passa.

Como acontece a lesão

A maioria das roturas ocorrem no músculo e no tendão do supra-espinhal.

A ruptura do tendão do manguito rotador, que leva à inflamação, pode ser de duas maneiras: total ou parcial, sendo que esta última pode evoluir para uma ruptura completa se não for tratada a tempo, porque o tendão continua a se desgastar com ã movimentação da articulação.

A maioria das roturas ocorrem no músculo e no tendão do supra-espinhal, mas outras partes do manguito rotador também podem estar envolvidas.

Quando os tendões parcialmente lesionados não são tratados, a lesão pode progredir para um rompimento total. Isso às vezes acontece subitamente, ao elevar um objeto pesado, por exemplo.

Causas da Tendinite do Manguito Rotador

A lesão do manguito rotador não tem uma única causa definida, o que pode acabar por dificultar o seu diagnóstico.

Existem vários fatores envolvidos na síndrome, que podem ser mecânicos (movimentos repetitivos, má postura ou sobrecarga) ou biológicos, como o desgaste natural das articulações pelo envelhecimento ou ainda alterações na circulação da região.

Fatores mecânicos:

  • Má postura (a posição de “ombros caídos” diminui o espaço entre os tendões, o que causa atrito entre eles e favorece o aparecimento de lesões)
  • Falta de alongamento
  • Lesão por carga (objetos muito pesados)
  • Uso excessivo da articulação (em atividades laborais ou na prática esportiva)
  • Lesões como fraturas, traumas ou luxações

Fatores biológicos:

  • Envelhecimento (a idade naturalmente causa degeneração óssea e articular)
  • Tabagismo (o hábito pode causar problemas de vascularização)
  • Tendinites crônicas
  • Influência genética
O uso repetitivo da articulação, seja no uso de tablets e telefones celulares, ou ainda no trabalho é uma das principais causas.

Embora muitos fatores estejam envolvidos no aparecimento da inflamação do manguito rotador, uma das maiores causas, segundo especialistas, é o uso repetitivo da articulação, seja no uso de tablets e telefones celulares, ou ainda no trabalho.

As profissões de carpinteiro e de pintor, por exemplo, são bastante propícias para a tendinite na região do ombro, porque exigem muito da articulação.

A lesão também é comum em atletas, sobretudo nos praticantes de tênis, arco e flecha e natação.

Fora os fatores de risco listados acima, levar uma vida estressante também pode ser uma causa para a lesão. Isso porque o estresse leva à contratura muscular, o que, por sua vez, pode causar uma irritação ou inflamação na região do ombro.

Sintomas da Tendinite do Manguito Rotador

O principal sintoma da síndrome do manguito rotador é o início súbito de uma dor no local que pode descer por fora do ombro e irradiar até o cotovelo. Outros sinais são incômodo ou dor ao movimentar a articulação e a piora dela ao levantar braço acima do nível do ombro ou executar movimentos no alto.

Outro sintoma importante é a fraqueza muscular do braço afetado, que pode ser efetiva ou aparente.

Existem testes que podem ser realizados pelo médico para verificar se a queixa é real ou apenas decorrente da dor na região inflamada.

Quando há fraqueza real, significa que o músculo está danificado ou o tendão está rasgado. Essencialmente, o músculo não funciona.

Fraqueza aparente ocorre quando a dor limita a capacidade de alguém de executar alguma atividade. Mesmo que o músculo e o tendão estejam danificados, é a dor que impede o indivíduo de realizar suas atividades normais.

A síndrome do manguito rotador também poder ser assintomática.

A ausência de dor ou outros sinais é mais comum do que se imagina. Muitas pessoas têm a região lesionada e só descobrem ao fazer um exame de imagem, como uma ressonância magnética.

Um estudo sobre o assunto publicado na Revista Brasileira de Ortopedia em 2004 cita que análises anteriores feitas com o auxílio de exames detectaram a ruptura em pelo menos um terço dos pacientes.

Um deles, feita pelo escaneamento de 96 indivíduos assintomáticos, encontrou lesões em 34% deles. No grupo com mais de 60 anos, a síndrome foi diagnosticada em 51% dos participantes.

Incidência:

Na população geral, estima-se que o problema afete de 7% a 40% das pessoas, sendo que o índice aumenta conforme o envelhecimento

Como é feito o diagnóstico

Se você apresenta qualquer dos sintomas mencionadas acima, a primeira coisa a se fazer é buscar a avaliação de um médico. Os especialistas capacitados para avaliar e diagnosticar a síndrome do manguito rotador são:

  • Clinico geral
  • Médico fisiatra
  • Ortopedista

Quando for à consulta, leve com você uma lista com os sintomas e detalhe como aconteceu o início da dor, se você já teve alguma lesão específica e o que agravou o problema, como alguma atividade específica ou movimento.

Provavelmente, ele deverá questionar também sobre os movimentos que você faz no dia a dia, principalmente no trabalho e na prática de atividades esportivas.

Exames:

Os exames podem ser clínicos, em consultório, ou radiológicos.

Um dos testes específicos que podem ser usados pelo médico na consulta é o chamado Teste de Neer.

Nessa manobra, o médico pede ao paciente que levante o braço para frente, mantendo a palma da mão voltada para o lado do corpo. Se o movimento for doloroso, o resultado é positivo e a síndrome do impacto do manguito rotador é comprovada.

Outro teste, da “queda do braço”, consiste em ficar com o braço ao lado do corpo e levantá-lo para fora, em direção a cabeça. Em seguida, o paciente move o braço para trás e para baixo lentamente, em direção ao seu lado.

Baixar o braço lentamente a 90 graus pode ser comum, mas em casos de ruptura, o braço cai rapidamente para o lado do corpo, em função do desgaste na articulação.

Depois do exame clínico, o médico pode solicitar exames de imagens para fechar o diagnóstico específico. Os mais comuns são:

  • Raio-X (pode mostrar lesões ósseas, o que sugere uma doença antiga no manguito rotador)
  • Ressonância magnética (é mais acurado deles e oferece mais informações ao médico, inclusive sobre a existência de outra doença que não a de desconfiança inicial)

Os três estágios da lesão

Segundo o ortopedista Charles Neer, que dá nome ao principal teste de diagnóstico clínico da doença, a síndrome passa por três estágios:

  • Estágio 1: Marcado por edema e inflamação, hemorragia da bursa e dos tendões. É mais comum em jovens.
  • Estágio 2: São encontrados espessamento da bursa e fibrose dos tendões do manguito.
  • Estágio 3: Há ruptura completa dos tendões do manguito rotador, geralmente associada a diversas alterações ósseas da cabeça do úmero e do acrômio. Encontrada, na maior parte, em pessoas com mais de 40 anos.

Tratamento da síndrome do manguito rotador

O tratamento da tendinite do manguito rotador tem, basicamente, duas etapas e raramente envolverá intervenção cirúrgica, visto que o método conservador costuma ser bem sucedido para a maioria dos pacientes.

A primeira etapa consiste em garantir o alívio da dor e do desconforto que pode comprometer atividades básicas do dia a dia.

Como a síndrome atinge uma parcela muito heterogênea de pessoas, seja pela idade, sexo ou nível de atividade, não existe um único protocolo de tratamento. Assim, os métodos a serem utilizados serão escolhidos e avaliados pelo especialista de acordo com cada paciente, os sintomas, e a rotina de cada um.

Alguns dos mais utilizados e indicados são:

  • Repouso do tendão afetado (o médico pode solicitar uso de tipoia)
  • Compressas de gelo
  • Uso de medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios
  • Fisioterapia
  • Injeções de esteroides
  • Ondas de choque ou bloqueio do nervo supraescapular
  • Infiltração dos pontos-gatilho
  • Mesoterapia (injeção de uma combinação de remédios anestésicos, analgésicos e anti-inflamatórios na derme para efeito prolongado)
  • Acupuntura (para melhora da dor e da amplitude dos movimentos)

Vale a pena você conversar com seu médico quanto a possíveis tratamentos. A fisioterapia e a acupuntura geralmente apresentam ótimos resultados na melhora das dores e dos movimentos, fazendo com o que o paciente retorne às suas atividades do dia a dia o mais brevemente possível.

A segunda etapa do tratamento é preventiva, e visa evitar que a dor reapareça.

Isso pode ser feito com a melhora da postura, fortalecimento muscular da região com exercícios físicos, ou ainda com a prática de sessões de alongamento.

Tratamento cirúrgico:

Embora a cirurgia não costume ser o primeiro tratamento eleito, ela pode ser indicada caso as medidas conservadoras não tragam melhorias para o paciente, Também pode ser uma solução mais adequada a pacientes muito ativos ou atletas

O procedimento é feito com o objetivo de descomprimir o tendão que está apertado e limpar as aderências e as inflamações ao seu redor.

Ele pode, ainda, ressecar calcificações e fibroses que encontrar dentro do tendão e suturá-lo, se for necessário.

Convivendo com a Tendinopatia do Manguito Rotador

Descobrir a causa do problema é importante para evitar que ele se repita no futuro.

Embora não seja uma doença grave, o diagnóstico da síndrome do manguito rotador implica mudanças no estilo de vida do paciente, caso ele queira conviver melhor com os sintomas e retomar as atividades do dia a dia normalmente.

Descobrir a causa do problema é importante para evitar que ele se repita no futuro. No caso de má postura, por exemplo, não mudá-la pode fazer com que os sintomas voltem a incomodar.

Fazer uma avaliação dos movimentos que a pessoa costuma fazer no dia a dia, seja no trabalho ou em atividades esportivas, também pode servir para corrigi-los ou adaptá-los.

A prevenção do aparecimento da lesão, ou ainda a precaução para evitar que ele volte passa por prática constante e correta de atividade física, observação dos movimentos repetitivos do dia a dia e ainda o alinhamento da postura.

8 Comentários

Deixe o seu comentário.
  • Bom dia,

    Excelentes esclarecimentos sobre o Manguito Rotator.
    Ja fiz uma cirurgia de ruptura do Manguito Rotador em Julho 2018, sem bons resultados. Em Novembro fiz uma Artroscopia para a mobilizacao do ombro, pq. estava congelado.

    Dia 01-03 tenho um horário com outro Especialista em Ombros. Vamos ver o que ele diz. Talvez vou precisar fazer outra cirurgia.

    Quero aliviar as dores com acupuntura. Com certeza vai ajudar.

    Obrigada
    Marilene

  • Estou com problemas no manguito e capsulite adesiva. Não suporte de dores. Estou fazendo tratamento médico e fisioterapia e a dor não cede. Hoje vou a outro médico, quero me livrar da dor, pois, já são três meses sofrendo.

  • Paulo Roberto Alves de Oliveira

    Já fiz infiltração (2)vezes já tomei vários remédios antiflamatorios e para dores não consigo dormir a noite com muitas dores, já não sei o que fazer.

  • Boa tarde Dtr.

    Ótima matéria, apresentada bem explicada parabéns.

  • Sou fisioterapeuta, e achei muito valioso o esclarecimento acerca do manguito rotador. Muito obrigada.

  • Estou que na mesma situação.
    Já tive dores; HOJE estou com dificuldade nos movimentos.
    O braço não levanta. Estou em fase de fisioterapia.
    Abaixo do ombro o músculo em momentos fica pouco inchado, em outro momento quase desaparece

  • Tenho essa maldita doença mais parece q ta afetando a mama e a costela é possível…ja q sinto tanta dor intensa nessa areas desde ja fico grata pelo esclarecimento

    • Sinto a mesma coisa. Regiao da axila e costela

      Sinto a mesma coisa. Regiao da axila e costela. Há 9 meses estou com todos os sintomas citados no artigo. Eu não sinto dores constantes mas há determinados movimentos que causam uma dor aguda que demora o tempo de uma câimbra aí depois o ombro ficar dolorido e inchado com mais limitação dos movimentos porque dói.

Deixe o seu comentário

Send this to a friend