AVISO: Informamos que devido ao COVID-19, estamos fechados temporariamente a princípio até o dia 07/04. Para maiores informações, favor entrar em contato via WhatsApp

Síndrome do impacto no ombro: conceito, causas, sintomas e tratamento

A Síndrome do Impacto no Ombro é uma das causas mais comuns de dor no ombro, sendo uma patologia inflamatória e degenerativa, que é caracterizada por dor no ombro limitante, podendo afetar pessoas de todas as idades.


 

O ombro é uma articulação, composta pelo úmero e pelos ossos e músculos do braço e próximos ao pescoço, é uma das articulações mais móveis, pois o ser humano utiliza os braços para realizar inúmeras atividades diárias.

Embora seja uma articulação extremamente móvel, é pouco estável, devido à sua anatomia, no entanto, o manguito rotador auxilia no ganho de maior estabilidade, compensando a instabilidade das cinco articulações escapulotorácica, acromioclavicular, esternoclavicular, subdeltoidea e glenoumeral.

Trabalhando adjacente á articulação do ombro, está o manguito rotador, que consiste em um conjunto de quatro músculos que realizam movimentos de extensão, abdução, flexão e rotação, os músculos são denominados de subescapular, supraespinhal, infraespinhal e redondo menor.

As estruturas pelas quais este artigo se interessa são os tendões do músculo supra-espinhal e do bíceps, a bursa subacromial, localizada entre o acrômio e o úmero e a articulação acromioclavicular, localizada entre a parte externa da clavícula e o acrômio, são sobre estas estruturas que incide a síndrome do impacto no ombro, da qual este artigo irá tratar, confira!

 

O que é síndrome do impacto no ombro?

impacto ombro

Também conhecida como conflito subacromial, a síndrome do impacto no ombro consiste em uma patologia de compressão de alguma estrutura no ombro ou de atrito mecânico, caracterizada pela inflamação ou degeneração na região umeroacromial.

As estruturas mais afetadas na síndrome do impacto no ombro são o tendão supra-espinhal, o tendão do bíceps, a bursa subacromial e a articulação acromioclavicular, nas quais pode ocorrer lesões, compressão ou impacto. Caso o atrito continue, a síndrome pode se agravar e progredir, causando lesões e fibrose ou mesmo rompimento do manguito rotador.

A síndrome do impacto no ombro afeta principalmente pessoas com mais de 40 anos, porém tem sido percebido um aumento de casos entre indivíduos jovens, de cerca de 20 anos de idade.

 

 

Causas da síndrome do impacto no ombro

Não há uma causa única, mas sim diversos fatores que são observados em diferentes casos, os mais comuns são:

-Artrose: pacientes que já são acometidos com esta patologia são propensos a desenvolver também a síndrome;

-Traumas: um impacto direto em uma das estruturas pode originar a síndrome;

-Trabalho: o uso excessivo e constante da articulação costuma ocasionar a síndrome do impacto no ombro, por isso, é muito comum entre trabalhadores cujas funções são caracterizadas por alguma tarefa que inclui vibração ou movimentação constante do braço em 90 graus, como pintor;

-Esporte: assim como o trabalho, alguns esportes podem comprometer o ombro devido ao esforço repetitivo e que mantenha o braço acima da cabeça;

-Anatomia do acrômio: a formação do acrômio pode influenciar o desgaste do tendão supra-espinhal, isto é, pacientes que apresentam um acrômio curvo, plano ou com presença de esporões podem desenvolver a síndrome;

-Degeneração do manguito rotador: se houver lesão ou fraqueza do manguito rotador, as estruturas adjacentes podem sofrer interferência e, assim, desenvolver a síndrome.

 

 

Sintomas da síndrome do impacto no ombro

Assim como a etiologia, os sintomas também podem variar de acordo com cada caso clínico, no entanto, a dor no ombro e a limitação dos movimentos são sintomas básicos.

A intensidade da dor é o que mais varia entre os relatos, alguns pacientes alegam que a dor e espontânea, outros alegam que a dor ocorre após um esforço específico e a maioria relata que durante a noite a dor tende a se intensificar, alguns sentem dor mais profunda do que outros, devido ao grau de inflamação que cada caso apresenta.

O movimento limitado é principalmente o de colocar o braço com o cotovelo articulado atrás das costas, como o movimento de coçar a região da escápula, bem como o movimento de abdução a partir de 60 graus. A rigidez também pode existir no quadro clínico.

Devido a esta variedade na sintomatologia da síndrome do impacto no ombro, foi elaborada uma classificação que divide a patologia em três fases clínicas. Estas fases não são etapas pelas quais todos pacientes passam, mas as quais indicam qual o nível de inflamação da síndrome, confira:

-Fase I: caracteriza-se pela dor aguda, edema e hemorragia, como resposta do organismo ao esforço ou ao atrito, podendo amenizar com repouso, esta fase acomete mais aos jovens de 20 a 25 anos;

-Fase II: o processo inflamatório é iniciado e fica evidente, podendo desencadear fibrose, aumento da densidade da bursa subacromial e/ou tendinopatia do manguito rotador, esta fase afeta principalmente indivíduos de 25 a 40 anos de idade;

-Fase III: ocorrem microlesões ou lesões totais nos músculos do manguito rotador ou no bíceps braquial, podendo ocasionar problemas ósseos, esta fase prevalece entre os indivíduos mais velhos, com idade acima de 40 anos.

 

 

Diagnóstico da síndrome do impacto no ombro

Para avaliar a saúde do ombro e detectar se o quadro clínico é um caso de síndrome do impacto no ombro, o médico realiza exames clínicos inicialmente, podendo também solicitar exames de imagem.

Antes que qualquer teste ou exame seja realizado, o médico faz uma anamnese visando o levantamento de informações sobre o histórico médico, eventos antecedentes, sobre a forma de trabalho, a prática de esportes, etc.

Os exames clínicos envolvem os testes de posicionamento do braço, são posições manipuladas especificamente para verificar se o movimento das estruturas causa dor ou desconforto. Alguns destes testes são o palm-up, Yergason, Neer, Jobe, patte Hawkins, Yocum, entre outros.

Além dos testes, o médico pode realizar também a avaliação da amplitude do movimento (ADM), que pode ser testada ativa ou passivamente, ou seja, solicitar que o paciente execute os movimentos específicos, ou que o médico manipule o membro superior do lado do ombro afetado, há também a avaliação da forma muscular (AFM), que mensura o grau da força em uma escala de 0 a 10, através de comparação entre o lado saudável e o lado afetado.

Em relação aos exames de imagem, por sua vez, são realizados para a confirmação da situação das estruturas, bem como para verificar a anatomia do acrômio. Os principais exames de imagem solicitados são a ultrassonografia, a radiografia, a tomografia computadorizada ou a ressonância magnética.

O diagnóstico é de suma importância, para que o tratamento indicado seja adequado ao caso em questão, já que cada caso pode apresentar diferentes níveis de inflamação e gravidade.

 

 

Tratamento da síndrome do impacto no ombro

ondas de choque ombro

Após a identificação do local da dor e a origem da inflamação, compressão ou lesão, elabora-se o plano de tratamento. No entanto, independentemente da característica individual do caso, no início o repouso é indicado para todos, que consiste em evitar tarefas e exercícios que esforcem o ombro, principalmente a região acometida, envolve também aplicação de compressas de gelo para o alívio da dor.

O tratamento conservador para a síndrome do impacto no ombro consiste na administração oral, injetável e/ou tópica de anti-inflamatórios e analgésicos, para resolver a inflamação e aliviar a dor, tornando possível a realização de fisioterapia e exercícios físicos para fortalecer a musculatura. No entanto, alguns casos necessitam mais do que tratamento conservador, exigindo procedimento cirúrgico.

Novas opções terapêuticas incluem o tratamento por ondas de choque, um tratamento não invasivo para dores músculo-esqueléticas. O tratamento por ondas de choque extracorpórea está indicado para pacientes com problemas crônicos, que já tenham se submetido aos tratamentos convencionais como medicação e fisioterapia. Alivia a dor, alarga a amplitude de movimento e fortalece os músculos no tratamento da tendinite do manguito rotador.

O agulhamento seco ou dry needling pode ser realizado para alívio de dor miofascial secundária à dor do ombro. A acupuntura pode também ser utilizada, devido seus efeitos analgésicos e anti-inflamatórios para pacientes com dor aguda ou crônica.

A fisioterapia é de suma importância quando a patologia envolve articulação, músculos e ossos, ou seja, quando os movimentos e as funções destas estruturas estão afetados, portanto, a fisioterapia contribui com o alívio da dor, recuperação ou aumento da amplitude do movimento, recuperação ou aumento da força muscular, contribuindo com o retorno do funcionamento adequado do ombro e das estruturas adjacentes.

A atuação fisioterápica inclui massagens, exercícios físicos com ou sem peso, de isometria e de pendulação, estimulação nervosa elétrica. É importante salientar que o tratamento fisioterápico é elaborado de acordo com o grau da inflamação, a idade do paciente e a condição física posterior à síndrome do impacto no ombro.

Como foi dito há pouco, o tratamento conservador com repouso, medicamento e fisioterapia pode não ser suficiente em alguns casos, como quando há alteração anatômica de alguma estrutura e quando a idade do paciente não for muito avançada. Assim, recomenda-se a cirurgia.

O procedimento cirúrgico pode ser por mini-incisão, por artroscopia com vídeo ou a convencional via aberta, a depender da correção que deverá ser feita, como correção de alguma compressão, correção da anatomia do acrômio, remodelação da curvatura da articulação acromioclavicular, etc.

 

 

Considerações finais

O presente artigo pode demonstrar que a síndrome do impacto no ombro é bastante complexa, devido à variedade de causalidade e, consequentemente de sintomas, o que requer um diagnóstico detalhado, para que o tratamento seja de fato eficaz. A variedade desta patologia se dá pelas idades afetadas, antigamente era uma patologia muito comum entre idosos, sendo hoje muito observada entre jovens atletas e trabalhadores.

Vale concluir com um alerta em nível organizacional, ou seja, as empresas devem oferecer condições adequadas de trabalho através das ferramentas, equipamentos e ginástica laboral, para prevenir a síndrome do impacto no ombro e outras agravantes.

Vale também informar a importância da atividade física como forma de prevenção contra patologias como está em questão, pois vimos que ao fortalecer o manguito rotador, a articulação e as outras estruturas ficam mais preservadas, evitando o desenvolvimento de lesões, atritos e mais resistência quando houver esforço e uso excessivo.

Send this to a friend