AVISO: NOVO LOCAL DE ATENDIMENTO - Rua Saint Hilaire 96 (a 5 minutos da clínica antiga), de segunda a sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

Tenossinovite: o que é?

Tenossinovite é a inflamação da bainha que recobre um tendão, e tem como principais sintomas dor, inchaço e vermelhidão no local acometido. 

Além disso, o paciente tem a mobilidade articular comprometida, apresentando dificuldades para desenvolver atividades que exigem o uso da área afetada.

Logo, descobrir a causa e tratá-la é primordial para que a qualidade de vida do paciente seja mantida. 

O que é?

Os tendões do corpo são envoltos por um tecido denominado bainha tendínea. Essa, é composta em seu interior por um líquido sinovial lubrificante, e tem como funções minimizar o desgaste do tendão, bem como favorecer o movimento de deslizamento do mesmo nos momentos em que é exigido durante uma contração muscular, por exemplo. 

Porém, existem situações clínicas que desencadeiam um processo inflamatório da bainha do tendão e, consequentemente, estabelecem um quadro doloroso associado à dificuldade de mobilidade na área comprometida. O nome dessa situação em questão é tenossinovite. 

Vale salientar que, embora ela possa ocorrer em qualquer tendão com bainha, existem alguns locais do corpo humano nos quais ela apresenta maior prevalência. São eles: os punhos, as mãos, os tornozelos, os ombros e os joelhos. 

Abaixo citamos a nomenclatura específica para algumas dessas tenossinovites: 

  • tenossinovite de quervain (local: punho); 
  • tenossinovite estenosante (local: dedos da mão);
  • tenossinovite posterior tibial (local: tornozelo); 
  • tenossinovite bicipital (local: ombro); 
  • tenossinovite do gastrocnêmio lateral (local: joelho). 

Além do que foi exposto, destacamos também que o motivo mais comum para o surgimento de uma inflamação da bainha tendínea, é a realização de movimentos repetitivos envolvendo o tendão, mas há a possibilidade de outras causas para tal ocorrência médica, como veremos a seguir.

Causas comuns

Como dito acima, a causa mais comum para a tenossivite é o excesso de uso do tendão devido à repetição, o que pode acontecer por causa de uma prática esportiva, de atividades ocupacionais, ou até mesmo do dia a dia em casa, por exemplo. 

Porém, dentre os outros motivos que podem desencadear o surgimento dessa inflamação, citamos: 

Junto a isso, salientamos que as mulheres têm maior predisposição para desenvolver a tenossinovite, assim como pacientes entre 30 e 50 anos.

E, ainda, existe uma correlação entre o surgimento desta condição e a gravidez.

Diagnóstico

Para que seja realizado um diagnóstico adequado, o paciente, ao perceber a perda de mobilidade articular junto à dor local, deve buscar ajuda médica. 

Durante a consulta, é realizado tanto uma análise detalhada dos sintomas como exames físicos, para identificar características da dor e capacidades funcionais da área acometida. Além disso, correlacionar esses dados com o histórico clínico do paciente é essencial. 

Vale salientar que, geralmente, não há necessidade de fazer exames de imagem ou sanguíneos quando a causa para a tenossinovite é o excesso de uso tendíneo. 

Porém, se houver suspeita de alguma doença ocasionando a inflamação da bainha é preciso recorrer a testes complementares.

O surgimento dos sintomas da tenossinovite tende a acontecer gradualmente.

Sintomas

No início, a dor é percebida apenas durante a execução de movimento que envolva a articulação comprometida. 

Porém, com o tempo e a evolução do quadro, o paciente sente o desconforto até mesmo quando a área está em repouso. 

Além da dor, citamos como sinais frequentemente presentes, o inchaço e a vermelhidão da região do tendão, características de um processo inflamatório, e também a perda da mobilidade devido à fraqueza da musculatura associada a ele. 

Mais alguns indicativos da inflamação da bainha tendínea podem ser: 

  • rigidez articular; 
  • aumento da sensibilidade; 
  • dor quando a área é pressionada;
  • estalos durante a movimentação da articulação. 

Enfim, é a partir da identificação desses sintomas, bem como do conhecimento da duração e progressão deles, que o médico faz o diagnóstico e escolhe o tratamento adequado para a tenossinovite.

 

Tratamento

Inicialmente, deve-se conhecer a causa para a tenossinovite. Na sequência, define-se um tratamento que seja eficiente para aliviar os sintomas, assim como para curar a condição clínica associada, quando isso for possível.  

No geral, para alívio da dor são indicados: 

  • repouso da área acometida; 
  • realização de compressas com gelo; 
  • uso de medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos

Além disso, a utilização de talas e órteses é uma alternativa para manter a imobilidade da articulação, evitando tanto a dor como a progressão do dano ao tendão. 

Em algumas situações, nas quais o quadro doloroso é bastante intenso, pode-se inclusive recomendar a injeção local de corticosteroides. 

E, ainda, se a condição estiver em um estágio avançado e houver alto comprometimento da mobilidade do paciente, junto a ausência de resposta ao tratamento acima indicado, pode ser necessária uma cirurgia. 

Relativo às causas, vale salientar que, caso a inflamação da bainha do tendão ocorra devido ao uso excessivo e repetitivo da região, deve-se mudar os hábitos mesmo após o tratamento. Dessa maneira, evita-se que a situação torne-se crônica e de difícil solução. 

Se o motivo inicial for alguma doença reumatológica ou metabólica, é preciso realizar um tratamento voltado para a cura, ou redução da progressão da patologia, em associação com uma intervenção específica que amenize a inflamação da bainha tendínea. 

Além disso, é sempre recomendado que o paciente faça fisioterapia durante e após o tratamento da tenossinovite. 

Em um primeiro momento, tal prática interfere favoravelmente no alívio dos sintomas. Depois, promove o alongamento e o fortalecimento muscular na área afetada minimizando-se chances de uma recidiva. 

Finalmente, é possível e indicado prevenir o processo inflamatório da bainha de um tendão, pois conviver com a dor e com a perda de mobilidade articular é desconfortável e compromete a qualidade de vida do paciente. Dentre algumas medidas preventivas para evitar isso, citamos: 

  • evitar fazer movimentos repetitivos no dia a dia; 
  • realizar pausas durante o trabalho;
  • fazer uso de órteses durante atividades físicas que envolvam repetição;
  • alongar músculos e articulações frequentemente. 

Diante dessas atitudes, consegue-se reduzir as chances para o surgimento de uma tenossinovite em qualquer tendão do corpo humano. Como resultado, gera-se uma sensação de bem-estar e de relaxamento, assim como amplia-se a saúde física geral do paciente. 

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorando em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).

Deixe o seu comentário

Send this to a friend