AVISO: Atendimento de segunda a sábado. Agendamentos: (11) 3284-2513 ou WhatsApp

Bursite do Calcâneo: Sintomas, causas e tratamento

A bursite do calcâneo é uma causa relativamente comum de dor na região do calcanhar. O problema, que pode ter diversas origens, tende a se agravar a medida que a pessoa caminha, comprimindo repetidamente os tecidos moles por trás do calcanhar contra o calçado. 

O quadro se caracteriza pela inflamação da bursa localizada em áreas de deslizamento da pele, de músculos, tendões e ligamentos sobre os ossos da região. A função dessa estrutura é amortecer a fricção, facilitando os movimentos articulares. Os sintomas do problema incluem os sinais inflamatórios típicos, dor, calor, vermelhidão e edema. 

Continue a leitura para saber mais sobre essa condição, seus sintomas, causas e conheça as opções de tratamento. 

O que é Bursite?

O prefixo “ite” remete a inflamação, nesse caso, da bursa. A bursa é uma bolsa cheia de fluido, responsável por reduzir o atrito entre as partes móveis do corpo, como as que ficam em torno das articulações do ombro, cotovelo, quadril, joelho, e região adjacente ao tendão de Aquiles no calcanhar.

O número varia, mas a maioria das pessoas tem cerca de 160 bursas em todo o corpo. Elas são revestidas com células especiais, chamadas células sinoviais, que secretam um fluido rico em colágeno e proteínas. Esse fluido sinovial atua como lubrificante quando o corpo se move. 

A bursite é, portanto, a inflamação de uma dessas bolsas. A doença pode ser aguda ou crônica. 

Bursite aguda: A bursite aguda geralmente causa dor durante o movimento, devido a sua compressão ou alongamento. Os sintomas desse problema incluem eritema e dor, principalmente. Pode haver ainda edema, embora seja mais comum em bursites do olécrano do que na bursite do calcâneo. 

Bursite crônica: A principal diferença entre a bursite aguda e a crônica é o tempo de duração ou a recorrência dos sintomas. Nesse caso, o quadro sintomatológico tende a durar por muitos meses ou mesmo se manifestar por meio de múltiplas crises dolorosas. Além disso, tais desconfortos podem durar poucos dias, ou permanecer continuamente por semanas. 

Em todo caso, o tratamento da bursite é essencial, especialmente se a inflamação afetar a amplitude do movimento. Essa limitação, se por tempo prolongado, pode levar à atrofia muscular. 

Bursite do Calcâneo

A bursite retrocalcânea ocorre quando a bursa sob o tendão de Aquiles, na parte de trás do calcanhar, torna-se inflamada. Costuma ser causada por trauma local associado a um sapato de formato ruim (em geral, saltos altos), ou andar por longos períodos. Também pode ocorrer junto da tendinite de Aquiles.

Bursite nesta parte do corpo, muitas vezes, ocorre também como uma lesão por uso excessivo em jovens atletas, como patinadores, e pessoas que estão começando programas de exercícios novos, como caminhar ou saltar. A dor costuma ser na parte de trás do calcanhar e aumenta com extensão passiva ou flexão resistida.

De acordo com o local afetado, a bursite do calcâneo pode ser de dois tipos: 

 

Bursite posterior do tendão calcâneo

A bursite posterior do tendão calcâneo produz sintomas como vermelhidão, queimação e inchaço na parte de trás do calcanhar, há ainda risco de desgaste da camada exterior da pele. 

Com o tempo, a bursa se torna elevada, avermelhada, em alguns casos com cor de carne vida. Geralmente ,o tecido é macio ao toque, embora dolorido. 

O problema pode se tornar crônico, causando fibrose da bursa, que tende a ir endurecendo. 

 

Bursite anterior do tendão calcâneo

A bursite anterior do tendão, geralmente ocorre após alguma lesão, e seus sintomas tendem a aparecer repentinamente. Além disso, é também bastante comum que o problema tenha relação com outros distúrbios, como GOTA, por exemplo. 

Sua sintomatologia inclui dor, inchaço, que tende a se espalhar para as laterais, sensação de queimação e cansaço na parte de trás do calcanhar. Alguns pacientes relatam dificuldades para caminhar e usar calçados. Manchas vermelhas e alterações da sensibilidade também podem surgir. 

Fatores de risco

Embora qualquer pessoa possa desenvolver a bursite do calcâneo, existem alguns fatores que podem aumentar o risco de aparecimento do problema.

Veja a seguir alguns exemplos. 

  • Idade: a ocorrência de bursite se torna mais comum com o envelhecimento
  • Ocupações: uma pessoa trabalha em uma profissão que requer movimento repetitivo ou que exerça pressão excessiva sobre a articulação específica, o risco é aumentado. 
  • Artrite reumatoide
  • Gota
  • Diabetes 
  • Certas doenças sistêmicas 
  • Trauma
  • Infecções cutâneas

Causas

Diferentes causas podem levar a bursite. Dentre elas, sem dúvidas a mais comum são os movimentos repetitivos, que podem estar relacionados tanto ao trabalho como a prática esportiva. 

Mas além dessa, outros fatores se relacionam com o problema. Veja a seguir. 

 

Trauma

Traumas causam bursite inflamatória devido a lesões repetitivas ou impacto direto. Podem acontecer progressivamente ao longo do tempo, ou mesmo serem frutos de uma queda ou acidente, por exemplo.

 

Infeccões

As bursas mais próximas da superfície da pele são as mais propensas a serem infectadas por bactérias, uma afecção que é chamada de bursite séptica. As bactérias mais comuns a causar bursite séptica são Staphylococcus aureus ou Staphylococcus epidermis. 

Pessoas com diabetes, alcoólatras, com certas doenças renais, com sistema imunológico debilitado, às vezes causado por medicamentos à base de cortisona (tratamentos esteroides), e aqueles com feridas na pele logo acima de uma bursa têm maior risco de desenvolver bursite séptica. Cerca de 85% dos casos de bursite séptica ocorre em homens.

 

Doenças autoimunes (reumatológicas)

Pessoas com certas doenças reumatoides como GOTA e pseudogota podem desenvolver bursite por depósitos de cristal. Quando estes cristais se formam em uma bursa, causam uma inflamação que leva a bursite.

 

Outras causas para bursite incluem

  • Má postura ou maneira de caminhar
  • Estresse nos tecidos moles em decorrência de ossos ou articulações em posição precária (como diferenças de comprimento das pernas ou deformações das articulações)
  • Alguns tipos de artrite e patologias relacionadas (artrite reumatoide, osteoartrose e gota)
  • Doenças metabólicas como a diabetes
  • Efeitos colaterais a certos medicamentos

Sintomas da bursite do calcâneo

Os sintomas da bursite do calcâneo embora facilmente reconhecíveis, podem se confundir com os de outros problemas que também acometem essa região. De toda forma, é importante ficar atendo aos sinais e procurar ajuda médica em caso de persistência ou agravamento do quadro. 

Conheça a sintomatologia: 

A condição pode ainda ser unilateral ou bilateral, e tende a piorar a medida que o paciente começa a se movimentar após um período de descanso.

Buscando ajuda médica

Diante dos sintomas anteriormente apresentados, é recomendado que se procure ajuda médica. Especialmente se a dor nas articulações persistir por mais de uma ou duas semanas, e se houver inchaço excessivo ou febre. 

Tais sintomas são os primeiros sinais da doença, e devem ser avaliados pelo médico. 

 

 

Diagnóstico

A consulta médica geralmente tem início com uma anamnese detalhada, onde o médico irá fazer algumas perguntas sobre seus histórico de saúde de uma maneira geral, além de perguntar sobre hábitos, vícios e profissão, fatores que podem estar relacionados as causas da bursite do calcâneo. 

Um exame físico completo também é importante. Após passar por todos os sistemas do corpo de uma forma mais generalista, o profissional dará uma atenção especial a área da dor, averiguando também os outros sinais da doença por meio da observação e da palpação. 

Para uma investigação mais detalhada e um diagnóstico assertivo, o médico poderá pedir alguns exames complementares. Embora nem todos os testes sejam úteis para identificar a bursite do calcâneo em si, eles ajudam a eliminar outras possíveis causas.

 

 

Exames para diagnosticar bursite

Histórico: O médico costuma iniciar a investigação por pedir um histórico detalhado do início dos sintomas e vai querer saber que movimentos ou atividades fazem você sentir mais ou menos dor. Você precisará comunicar outros problemas médicos que possa ter.

Remoção de fluidos: O médico pode retirar líquido da bursa com uma agulha e enviar para análises laboratoriais. Esta análise ajudará a determinar se a bursite é devido a uma infecção, patologia reumatológica ou trauma. 

Raios X: Não costumam ser úteis, mas o médico pode realizá-las caso outras afecções estejam sob suspeita como fraturas ou deslocamentos. IRM e Tomografias costumam ser requeridas caso haja a necessidade de excluir mais causas.

Exames de Sangue: O médico pode pedir um hemograma para excluir infecção ou outras condições, como artrite reumatoide.

Tratamento da Bursite do calcâneo

O tratamento tem início com algumas medidas simples que podem aliviar significativamente a dor, especialmente se o diagnóstico do problema for precoce. Em muitos casos, essas simples mudanças de hábitos combinadas a medidas paliativas são suficientes para a recuperação do paciente. 

As medidas que você pode tomar em casa para aliviar a dor da bursite, são:

  • Repouso
  • Perda de peso
  • Imobilização da área afetada
  • Aplicação de gelo para reduzir o inchaço e aliviar a dor
  • Uso de medicamento anti-inflamatório 
  • Amortecimento nos joelhos
  • Alongamentos e fortalecimentos muscular, em especial dos membros inferiores

Tratamento medicamentoso

O tratamento medicamentoso visa o controle da dor e da inflamação. Em caso de infecção, o médico poderá indicar ainda o uso de antibiótico.

Medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios podem ser utilizados em uma fase inicial para tratamento sintomático.

Em todo caso, apenas o médico pode dizer qual o melhor medicamento para o seu caso, assim como a dosagem e a duração do tratamento. Siga estritamente as orientações médicas e não se automedique. A automedicação oferece riscos à saúde, podendo haver complicações.

Fisioterapia

A fisioterapia também é bastante útil para o tratamento da doença e pode ser indicada em combinação com outras terapias. Além de reduzir a dor, a fisioterapia fortalece os músculos, prevenindo crises reincidentes. 

Um fisioterapeuta pode realizar tratamentos de meios físicos ou cinesioterapia para bursite. Em resumo, algumas das possibilidades:

  • Tratamentos com calor/frio, ultrassons, terapia com laser e com água
  • Mobilização dos tecidos moles ou das articulações (terapia manual)
  • Órteses ou aparelhos para alívio da pressão 
  • Um programa de exercícios personalizado
  • Análise da postura e da marcha
  • Educação sobre atividades apropriadas para permitir que a cura ocorra

Injeções de corticosteroide

As injeções de corticosteroide são aplicadas diretamente sobre a bursa afetada e ajudam a reduzir a inflamação. O tratamento produz resultados rápidos, aliviando a dor e recuperando a qualidade de vida do paciente. Em muitos casos essa terapia é suficiente para reversão completa do quadro.

Cirurgia

Se nenhum dos tratamentos anteriormente descritos forem suficientes, a bursite do calcâneo pode ser tratada por meio de procedimentos cirúrgicos. Dois são os procedimentos mais indicados: 

Bursectomia: é realizada uma pequena incisão, por onde a bursa é removida. Geralmente, o procedimento é artroscópico, por isso possui baixíssimo risco de complicações. 

Reparo de tendão: a reparação do tendão pode ser realizada por meio de cirurgia, o seu alongamento é costumeiramente o método escolhido para redução do atrito. 

Prevenção

Não há ainda uma maneira definitiva para prevenir a bursite do calcâneo. Porém, existe sim algumas medidas que podem fazer a diferença nesse sentido, reduzindo o risco da doença e até mesmo a gravidade de seus sintomas. 

Reunimos algumas dicas práticas que podem te ajudar a evitar esse problema. Veja a seguir. 

  • Faça atividades físicas diariamente, em especial exercícios para fortalecimento muscular, mas cuidado com a intensidade da prática, especialmente se estiver começando agora
  • Sempre aqueça o corpo antes da atividade física 
  • Alongamentos também podem ajudar 
  • Mantenha-se em forma 
  • Evite movimentos repetitivos, se forem necessários ao seu trabalho, faça pausas de tempos em tempos 
  • Evite carregar muito peso
  • Tente não permanecer em uma mesma posição por muito tempo 
  • Prefira calçados mais confortáveis e evite usar saltos altos 
  • Faça acompanhamento médico regular, especialmente se tem histórico para distúrbios como esses

Cuide bem de você e da sua saúde, e não espere a situação se agravar para procurar ajuda. Diante de qualquer sintoma, consulte um médico de sua confiança em busca de um diagnóstico e tratamento adequados, essa é a única maneira de assegurar a sua saúde e qualidade de vida. 

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorando em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).

Deixe o seu comentário

Send this to a friend