AVISO: NOVO LOCAL DE ATENDIMENTO - Rua Saint Hilaire 96 (a 5 minutos da clínica antiga), de segunda a sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

Acupuntura alivia tonturas e vertigens

Tonturas e vertigens são um dos mais desafiadores problemas no Departamento de Emergência, e muitas vezes podem ter um tratamento difícil. Pesquisas vêm demonstrando que a acupuntura pode ajudar no alívio destes sintomas.

Tonturas e vertigens são doenças comumente encontradas, que podem ser causadas por muitos problemas. Pessoas com vertigem têm a ilusão de que o ambiente está se movendo sobre eles,ou que eles estão se movendo no ambiente. (DTB 2009).

A condição geralmente se origina do sistema nervoso periférico, por exemplo, devido a uma desordem do ouvido interno como a Doença de Ménière, vertigem posicional paroxística benigna (VPPB), ou labirintite e neurite vestibular. Também pode ocorrer devido a patologias no SNC (vertigem central), tais como hemorragias, isquemia, ou tumores do SNC, além de infecção ou trauma. Patologias do pescoço também pode causar vertigem.

Alguns destes problemas não são graves, enquanto outros podem ser vida-ameaçando, assim, o primeiro gol dos clínicos baseia-se na identificação de pacientes que necessitam de gerenciamento de internamento ou de intervenção emergente

Tontura é um dos sintomas mais desafiadores na medicina. Nenhuma medicação para tontura de uso atual tem valor profilático ou curativo bem estabelecido, ou é apropriado para uso paliativo a longo prazo.

O tratamento para tontura e vertigem consiste geralmente de terapia farmacológica, tais como supressores vestibulares, anti-eméticos e benzodiazepínicos. No entanto, estes medicamentos são frequentemente acompanhados com efeitos colaterais inevitáveis.

Vertigem crônica é uma preocupação de saúde pública. Existem milhões de pacientes com vertigem crônica. No entanto, nem o mecanismo nem métodos de tratamento seguro e eficaz foram esclarecidos.

Qualquer método de tratamento que reduza a vertigem crônica seria uma intervenção importante.

Estudo: acupuntura alivia tonturas e vertigens

acupuntura

Acupuntura é segura e eficaz para o tratamento de tonturas e vertigens para pacientes de pronto-socorro. Medidas subjetivas e objetivas documentam resultados positivos significativos do pacientes em uma investigação recente.

A Escala Visual Analógica (VAS) de tonturas e vertigens, Dizziness Handicap Inventory (DHI) e HRV (variabilidade da frequência cardíaca) mostram que a acupuntura tem um efeito terapêutico imediato e significativo.

Os pesquisadores observam que, embora a acupuntura tenha sido utilizada para o alívio de tonturas e vertigens por mais de mil anos, poucos estudos modernos investigaram este fenômeno clínico.

O objetivo do estudo foi determinar a segurança e a eficácia da acupuntura para o tratamento de tonturas e vertigens no Departamento de Emergência de um hospital. Os pacientes foram recrutados do Departamento de Emergência no Hospital de Changhua, Taiwan.

Os pesquisadores recrutaram 60 pacientes para este estudo.

Todos os pacientes foram selecionados por um otorrinolaringologista e um neurologista para os critérios de inclusão e exclusão. Os critérios de inclusão foram tontura, vertigem, síndrome de artéria vertebrobasilar, Doença de Ménière e neurite vestibular.

Acupuntura

Os pacientes foram divididos em grupos de acupuntura e controle. Os pacientes do grupo de acupuntura receberam aplicação nos pontos de acupuntura E36 (Zusanli) e PC6 (Neiguan), sendo utilizadas agulhas de acupuntura descartáveis, 0,25 x 40 mm. As agulhas foram estimuladas manualmente para alcançar a sensação de qi.

O tempo de retenção de agulha foi 30 minutos por sessão de acupuntura.

O grupo controle recebeu acupuntura sham. Patches de sementes foram aplicados a áreas aproximadamente 1 cm distais aos pontos de acupuntura reais. Massagem e acupressão não foram aplicadas para ambos os grupos.

O estudo demonstra que a aplicação da acupuntura PC6 e E36 resulta em reduções imediatas no desconforto e melhorias de VAS para tonturas e vertigens.

Segundo os pesquisadores, o “estudo fornece evidências clínicas sobre a eficácia e segurança da acupuntura para tratar a vertigem e tontura, no departamento de emergência.”

A escolha de pontos de acupuntura é consistente com a teoria da medicina tradicional chinesa (MTC).

O ponto PC6 é indicado para o tratamento de náuseas, vômitos, asma, garganta inchada e dolorosa, epilepsia, dores nas costelas e tórax, gastralgia, soluços, palpitações e asma. O ponto PC6 está localizado 2 cun acima da dobra transversal do punho, entre os tendões do palmar longo e flexor radial do carpo.

O ponto E36 localiza-se 3 cun abaixo do ponto E35, próximo à crista anterior da tíbia no músculo tibial anterior. Este ponto E36 é indicado para o tratamento da gastroenterite, úlceras, dor de barriga, distensão abdominal, constipação, dispepsia, hipertensão, epilepsia e apendicite.

Conclusão dos autores do estudo

Acupuntura apresentou efeito imediato após 30 minutos de tratamento, reduzindo significativamente o desconforto e a Escala Visual Analógica de tonturas e vertigens.

Os resultados deste estudo piloto forneceram evidência clínica sobre a eficácia e segurança da acupuntura para tratar a vertigem e tonturas, no Departamento de Emergência. Segundo os pesquisadores, são necessários estudos maiores para confirmar os achados.

Outros estudos sobre acupuntura no tratamento de tontura e vertigem

Uma revisão sistemática de pesquisas sobre todos os tipos de acupuntura para síndrome de Ménière sugeriu um efeito benéfico da acupuntura, tanto para os pacientes na fase aguda da doença como para aqueles que tiveram a síndrome cronicamente (Long 2011).

Ensaios clínicos controlados compararam diferentes tipos de acupuntura (ou acupuntura e os procedimentos relacionados), ao invés de Acupuntura vs não-acupuntura/outras terapias.

Muitos das pesquisas têm focado especificamente vertigem cervical, envolvendo o fornecimento insuficiente de sangue através das artérias vertebrais (que fornecem o tronco cerebral e cerebelo).

Exemplos recentes de evidências encontraram que: terapia combinada de injeção eletroacupuntura e acuponto foi mais eficaz do que a acupuntura de rotina ou eletroacupuntura sozinho para a vertigem cervical (Li 2011); massagem de acuponto foi superior à manipulação (Kang 2008); acupuntura foi melhor do que moxabustão para aliviar ou eliminar os sintomas de vertigem, sem efeitos adversos (Zhang 2008); e que moxabustão foi superior à acupuntura tratamento (Xiaoxiang 2006).

Um estudo controlado porém não randomizado encontrou que a acupuntura tradicional pode efetivamente aliviar a vertigem cervical, reduzir a frequência de ataque e melhorar sintomas acompanhantes (Qi 2011).

Concluindo, acredita-se que a acupuntura estimule o sistema nervoso e cause a liberação de neurotransmissores. As alterações bioquímicas resultantes influenciam mecanismos homeostáticos do corpo, promovendo assim o bem-estar físico e emocional. Demonstrou-se que a estimulação de certos pontos de acupuntura poderia afetar áreas do cérebro que são conhecidas por reduzir a sensibilidade à dor e estresse (Hui 2010).

Referências bibliográficas

Chiu, Chih-Wen, Tsung-Chieh Lee, Po-Chi Hsu, Chia-Yun Chen, Shun-Chang Chang, John Y. Chiang, and Lun-Chien Lo. “Efficacy and safety of acupuncture for dizziness and vertigo in emergency department: a pilot cohort study.” BMC complementary and alternative medicine 15, no. 1 (2015): 173.

Acupuncture and heart rate variability: a systems level approach to understanding mechanism. BMC Complementary and Alternative Medicine. 12 (Suppl 1), P302. B Anderson, A Nielsen, B Kligler, and D McKee.

Kurono Y, Minagawa M, Ishigami T, Yamada A, Kakamu T, Hayano J. Auton Neurosci. Acupuncture to Danzhong but not to Zhongting increases the cardiac vagal component of heart rate variability. 2011 Apr 26;161(1-2):116-20. Epub 2011 Jan 7.

Newman-Toker DE, Cannon LM, Stofferahn ME, Rothman RE, Hsieh YH, Zee DS. Imprecision in patient reports of dizziness symptom quality: a cross- sectional study conducted in an acute care setting. Mayo Clinic Proc. 2007; 82(11):1329-1340.

Send this to a friend