CENTRO DE TRATAMENTO DE DOR: Dor, Acupuntura Médica, Ondas de Choque, Fisiatria e Fisioterapia.

Dor ciática (ciatalgia): Aprenda mais

A dor ciática consiste em uma dor, formigamento ou dormência produzida por uma irritação das raízes nervosas que levam ao nervo ciático. O nervo ciático é formado pelas raízes nervosas que saem da medula espinhal para a região lombar. O nervo desce pela nádega e, em seguida, seus ramos se estendem pela parte de trás da perna até o tornozelo e o pé[1]Jensen RK, Kongsted A, Kjaer P, Koes B. Diagnosis and treatment of sciatica. Bmj. 2019 Nov 19;367..

A dor ciática é um termo usado para descrever um conjunto de sintomas causados por essa compressão de nervo, podendo ter várias causas, tais como hérnia de disco, abaulamento discal, estenose da coluna lombar, espondilolistese, síndrome do piriformedoença degenerativa do disco, compressões musculares ou espasmos musculares, dentre outras[2]Valat JP, Genevay S, Marty M, Rozenberg S, Koes B. Sciatica. Best Practice & Research Clinical Rheumatology. 2010 Apr 1;24(2):241-52..

O termo, nem sempre colocado de forma correta, ficou popular porque, muitas vezes, dores unilaterais que começam nas costas e irradiam para as coxas ou panturrilhas podem, de fato, estar relacionadas à inflamação ou à irritação do nervo ciático.

Além dos termos que identificam as patologias subjacentes que causam ciática, os termos radiculopatia lombar ou dor radicular podem ser usados de forma intercambiável com o termo ciática.

Mas você sabe o que é esse nervo ciático?

  • 01.Para começar, vale explicar que o ciático é o nervo mais longo do corpo. Ele começa no final da coluna, na região lombar, passa pelos glúteos e posteriores de coxa e, quando chega ao joelho, se divide entre o nervo tibial e fibular comum, se estendendo até o dedão dos pés.
  • 02.Assim, se por algum motivo ele sofre alguma lesão, é por todo esse trajeto que ele pode causar dor ou incômodo.
  • 03.O ciático é responsável pelo movimento dos músculos da perna e também pelas sensações nessa parte do corpo.
  • 04.Não seria exagero nenhum, portanto, dizer que esse nervo é tão importante que, sem ele, algumas das nossas ações básicas seriam simplesmente inviáveis.

Dor nos glúteos

A dor ciática clássica começa na região lombar e nas nádegas. Afeta uma perna, passando pela parte de trás da coxa, pelo joelho e, às vezes, na panturrilha e no pé.

Dor pior nas pernas

A dor pode ser pior na perna do que nas costas. Pode variar de uma dor leve a queimação intensa ou uma dor intensa.

Dor intensa

A dor é geralmente bem incapacitante, respondendo pouco à analgésicos comuns.

Dor pior ao flexionar a coluna

tividades como dobrar ou torcer a coluna pioram a dor, enquanto que a deitada tende a trazer alívio. Correr ou caminhar pode realmente parecer melhor do que ficar sentado ou em pé por muito tempo.

Movimento

A dor piora quando você está parado e melhora com o movimento

Sensações desagradáveis

Dormência ou formigamento (alfinetes e agulhas) podem ocorrer na perna e no pé. Isso geralmente não é uma preocupação, a menos que você tenha fraqueza nos músculos das pernas ou perda de força nos pés.

Perda de força nas pernas

Fraqueza em uma ou nas duas pernas

Procure ajuda médica imediatamente se tiver fraqueza extrema nas pernas, dormência na área genital ou perda da função da bexiga, ou intestino.

Estes são sinais de uma condição chamada síndrome da cauda equina.

Anatomia da coluna vertebral

Na chamada protrusão discal, o anel fibroso não se rompe, apenas se distende. Nessa fase, o abaulamento do disco pode pressionar a raiz e gerar dor

Agora que você já sabe onde fica o nervo ciático e qual é a sua função, visualizar melhor a anatomia da coluna vertebral vai te ajudar a entender melhor de onde vem essa dor que você pode estar sentindo.

Sobre a coluna espinhal, convém lembrar que ela é formada por três partes:

  • Vértebras (ossos individuais na espinha que protegem nervos subjacentes)
  • Nervos
  • Discos

 

Os discos intervertebrais são estruturas formadas por cartilagem, um tecido forte e resiliente. Eles agem como uma espécie de almofada entre cada vértebra e têm a função de absorver qualquer tipo de impacto entre os ossos, desde os mais inocentes até os causados pelos movimentos de saltar ou correr.

Cinco conjuntos de raízes nervosas emparelhadas na coluna lombar combinam-se para criar o nervo ciático. Começando na parte de trás da pélvis (sacro), o nervo ciático estende-se a partir da parte traseira, sob a nádega, em sentido descendente, passando através da zona da anca em cada perna.

Radiculopatia ocorre quando há compressão de uma raiz nervosa na coluna lombar antes da ingressar no nervo ciático, seja por uma ruptura do disco (hérnia de disco) ou por um esporão ósseo (osteofitose).

Dizemos que há uma hérnia de disco quando um desses discos é temporariamente colocado fora do lugar e pressiona o nervo ciático, causando dor. Isso é importante porque, embora não seja a única causa de dor ciática, é uma das principais delas.

Dito isso, convém aprender mais sobre o que pode causar esse incômodo.

Ciatalgia consiste em dor no nervo isquiádico. Isso normalmente resulta da compressão das raízes dos nervos na região lombar
O que Causa Compressão do Nervo Ciático?

1 – Abaulamento de Disco Lombar ou Hérnia de Disco

disco normal e hernia de disco na coluna

 

Um abaulamento de disco é também conhecido como transtorno do disco contido. Isso significa que centros gelatinosos (núcleos pulposos) continuam “contidos” na parede externa do disco (anéis fibrosos)

Uma hérnia de disco ocorre quando o núcleo quebra e se espalha através do anel fibroso. Conhecido como transtorno do disco “não contido”. Quando um disco sofre abaulamento ou hérnia, o material do disco pode pressionar alguma raiz nervosa adjacente, comprimindo seu tecido nervoso delicado e causando dor ciática.

As consequências da hérnia de disco são ainda piores. Não apenas a hérnia de disco causa compressão direta da raiz nervosa contra a parte interior do canal medular ósseo, mas o material do disco contém um químico ácido (ácido hialurônico), que causa irritação e inflamação dos nervos. Em ambos casos, compressão e irritação causam inflamação e dor, podendo levar a extrema dormência, formigamento e fraqueza muscular.

Em resumo, a dor ciática pode aparecer por diversos motivos, mas acontece basicamente quando o nervo fica irritado por causa de uma inflamação, deslocamento do disco intervertebral, por uma compressão externa, contratura do músculo piramidal ou por causa de uma hérnia de disco na coluna lombar.

Normalmente a lesão acontece no canal espinhal, mas isso não é uma regra. Dependendo do problema que originou a dor, ela pode começar em qualquer lugar ao longo do nervo.

Qualquer pessoa pode desenvolver uma dessas condições e apresentar dor ciática, mas estudos de prevalência apontam que a condição atinge entre 13% e 40% da população e que é mais frequente na quarta e quinta década de vida, sendo assim as pessoas de meia-idade suas vítimas mais comuns.

2- Estenose lombar vertebral

Estenose vertebral é um transtorno da compressão do nervo que afeta normalmente pessoas idosas. Pode ocorrer uma dor na perna, similar a dor ciática, como resultado da estenose vertebral lombar.

Normalmente, a dor é localizada, incomodando mais em atividades como levantar ou andar e diminui ao sentar.

As raízes nervosas vertebrais se espalham para as articulações através de passagens na medula espinhal, compostas de ossos e ligamentos e chamadas de foraminas neurais. Existe um forame tanto do lado esquerdo quanto do direito de cada par de corpos vertebrais.

As raízes nervosas passam por essas aberturas e se estendem para além da coluna vertebral, inervando outras partes do corpo. Quando essa passagem sofre um estreitamento ou entope, causando a compressão do nervo, o termo estenose foraminal é usado.

3- Espondilolistese

Espondilolistese é um transtorno que afeta mais comumente a espinha lombar. É caracterizada pelo evento de uma vértebra “escorregar”, caindo sobre uma vértebra adjacente.

Quando uma vértebra escorrega, saindo de posição, ocorre a compressão da raiz do nervo vertebral, causando dor ciática na perna.

Espondilolistese é caracterizada como congênita (descoberta ao nascimento, se desenvolvendo durante a  infância) ou adquirida por uma degeneração vertebral, trauma ou stress físico  por exemplo, levantamento de peso).

4- Trauma

Dor ciática pode ser resultado de uma compressão direta do nervo causada por forças externas na coluna lombar ou nas raízes nervosas da vértebra sacral.

Exemplos incluem acidentes com automóveis, quedas e acidentes em esportes e trabalho. O impacto pode danificar os nervos ou, ocasionalmente, fragmentos de ossos quebrados podem comprimir os nervos.

5- Síndrome do Piriforme

SÍNDROME DO PIRIFORME

O piriforme é um músculo da região do quadril. Anatomicamente, está próximo ao nervo ciático e pode causar sua compressão, dando o nome à síndrome

Síndrome piriforme é o nome dado à dor causada por uma irritação do músculo piriforme ao nervo ciático. O músculo piriforme fica localizado na parte mais baixa da coluna, se conectando ao osso da coxa e ajudando na rotação do quadril. O nervo ciático passa por baixo do músculo piriforme.

A síndrome do piriforme se desenvolve quando ocorrem espasmos musculares no músculo piriforme, comprimindo o nervo ciático. Pode ser muito difícil diagnosticar e tratar a síndrome por conta da dificuldade de descobrí-la por exames de raio-x ou ressonância magnética.

6- Tumores Vertebrais

Tumores vertebrais são crescimentos anormais, podendo ser tanto benignos quanto cancerosos (malignos) Felizmente, tumores desse tipo são raros.

De qualquer forma, quando um tumor se desenvolve na região lombar, há risco do desenvolvimento de dor ciática como resultado da compressão de algum nervo.

Se você acredita que sofre de dor ciática, ligue para seu médico. O primeiro passo na direção do alívio da dor é um diagnóstico profissional.

Agendamento de Consulta Clinica de Dor

Tipos de dor ciática

Lesões e doenças podem fazer pressão na medula espinhal, causando dor nas costas, formigamento, fraqueza muscular e outros sintomas.

A dor ciática pode ser de dois tipos, aguda, quando os sintomas são reduzidos, ou ainda crônica, quando a dor permanece por um longo período e precisa ser investigada e devidamente tratada[3]Tubach F, Beauté J, Leclerc A. Natural history and prognostic indicators of sciatica. Journal of clinical epidemiology. 2004 Feb 1;57(2):174-9.

dor aguda geralmente não requer tratamento profissional e desaparece ou melhora significativamente apenas com uso de analgésicos, compressas quentes, e exercícios específicos.

Já a dor crônica requer intervenção profissional, que varia desde uso de medicamentos, fisioterapia, acupuntura ou até cirurgia. Veremos mais sobre os tipos de tratamento adiante.

Essa dor pode permanecer por meses, enquanto a ciática aguda tende a sumir em até oito semanas.

Fatores de risco para dor ciática

A idade é sempre o primeiro fator de risco para a dor ciática, visto que os discos intervertebrais tendem a se desgastar naturalmente com o passar do tempo, ficando mais sujeitos a lesões.

No entanto, existem outras condições que podem te deixar mais exposto a lesões e irritações que causam a dor.

Idade

Devido à deterioração dos discos, as pessoas após a faixa dos 30 ea40 anos têm um risco maior de desenvolver ciática.

Obesidade

O excesso de gordura na região lombar aumenta a pressão sobre a coluna e pode causar danos nos músculos e ligamentos.

Sedentarismo

Exercícios físicos são importantes para fortalecer a musculatura da região lombar, que protege a coluna e, consequentemente, os nervos. Passar longas horas sentado no escritório ou na frente da TV também são fatores de risco.

Profissão

Trabalhos que exigem o levantamento de pesos muito pesados ou que requerem a execução de tarefas repetitivas também podem lesionar o nervo.

Diagnóstico da ciatalgia

A dor ciática é um sintoma que varia de uma pessoa para outra e depende da condição que a está causando. Para diagnosticar a ciática, seu médico primeiro deseja obter seu histórico médico completo.

Na avaliação de dores na coluna e dores na perna, algumas questões são importantes na consulta:

  • O início da dor e outros sintomas
  • Tipo, natureza e duração da dor
  • Presença de espasmos e rigidez muscular
  • Trauma ou lesão nas costas, ou na área do quadril
  • A ocorrência de espasmos musculares ou cãibras na região pélvica
  • Diminuição da força na perna (principalmente comparando o lado doloroso vs não doloroso)
  • Presença de formigamentos, sensação de choque, alterações de sensibilidade na perna
  • Alteração de reflexos (diminuição de reflexo patelar e aquileu)

 

Exame físico para dor ciática

Durante a consulta, o médico irá avaliar sinais e sintomas como:

  • Dor localizada na região lombar, nádegas, coxa e perna
  • A resposta aos movimentos da perna que alongam o nervo (endireitando a perna)
  • A resposta a certos estímulos, como pressionar suavemente os dedos dos pés ou a região da panturrilha

 

Se houver suspeita de ciática, alguns médicos podem solicitar exames de imagem médica ou testes diagnósticos de bloqueio nervoso.

Esses testes são usados para confirmar a causa da ciática.

Exames de imagem para dor ciática

Muitas pessoas têm hérnia de disco ou esporões ósseos que surgem em raios-X e outros exames de imagem, mas não apresentam sintomas.

Exames para avaliação de causas de dor na coluna vertebral e dor ciática incluem:

  • Raio-X. Um raio-X de sua coluna pode revelar um crescimento excessivo de osso (esporão ósseo) que pode estar pressionando um nervo.
  • Ressonância magnética. Este procedimento usa um poderoso ímã e ondas de rádio para produzir imagens transversais de suas costas. Uma ressonância magnética produz imagens detalhadas de ossos e tecidos moles, como hérnias de disco. Durante o teste, você se deita em uma mesa que se move para dentro da máquina de ressonância magnética.
  • Tomografia computadorizada. Quando uma TC é usada para obter imagens da coluna, você pode ter um corante de contraste injetado no canal espinhal antes que os raios-X sejam feitos – um procedimento chamado mielograma de TC. O corante então circula em torno de sua medula espinhal e nervos espinhais, que aparecem em branco na varredura.
  • Eletromiografia (EMG). Este teste mede os impulsos elétricos produzidos pelos nervos e as respostas de seus músculos. Este teste pode confirmar a compressão do nervo causada por hérnia de disco ou estreitamento do canal espinhal (estenose espinhal).
Infografico Dor Ciática
YouTube Hong Jin Pai

Tratamentos

Vamos olhar para tratamentos para a dor ciática aguda e ciática crônica separadamente.

 

Dor ciática aguda

A maioria dos casos de dor ciática aguda respondem bem ao medidas de autocuidado os quais podem incluir:

  • Medicamentos analgésicos – analgésicos comuns e anti-inflamatórios podem ser utilizados em uma fase inicial. Nem todos os analgésicos são adequados para cada paciente; certifique-se de rever as opções com seu médico.
  • Corticóides – medicamentos corticóides, em casos agudos, podem ser importantes para alívio e diminuição da inflamação. O abuso do medicamento pode levar a efeitos adversos como aumento de peso, aumento de glicemia, dentre outros.
  • Exercícios como caminhada ou alongamento leve.
  • Termoterapia, com bolsa de água quente ou calor para alívio e relaxamento muscular superficial do glúteo e musculatura parevertebral da coluna.

 

Dor ciática crônica

O tratamento de dor ciática crônica envolve geralmente uma combinação de medidas de autocuidados e tratamento médico.

  • Medicamentos para dor crônicaantidepressivos, anticonvulsivantes podem ser utilizados para modular a resposta à dor neuropática, resultando em diminuição e controle da dor, formigamento e sensação de choque
  • Fisioterapia – Você pode aprender exercícios para fortalecer os músculos e melhorar a flexibilidade, e como evitar pressão sobre suas costas e glúteos.
  • Terapia comportamental cognitiva (TCC) – ajuda a gerenciar a dor crônica, a partir do treinamento de pacientes para reagirem de forma diferente à sua dor.
Vou precisar de cirurgia para dor ciática?

A cirurgia pode ser uma opção se os sintomas não responderam aos outros tratamentos e continuarem a se intensificar[4]Peul WC, Van Houwelingen HC, van den Hout WB, Brand R, Eekhof JA, Tans JT, Thomeer RT, Koes BW. Surgery versus prolonged conservative treatment for sciatica. New England Journal of Medicine. 2007 May … Continue reading

Mais de 90% dos casos de dor ciática melhoram com tratamentos clínicos, não invasivos[5]Koes BW, Van Tulder MW, Peul WC. Diagnosis and treatment of sciatica. Bmj. 2007 Jun 21;334(7607):1313-7

O repouso absoluto não é recomendado.

Devo fazer repouso para dor ciática?

O repouso absoluto geralmente não é recomendado, mas pode ser interessante reduzir um pouco a atividade nos primeiros dias, ou fazer um repouso relativo.

Um estudo de 2011 da Universidade de Maastricht, na Holanda, avaliou 183 pacientes com dor ciática divididos em dois grupos, um com recomendação de repouso absoluto, e outro de ritmo normal de atividade. O repouso, nesse caso, significava permanecer deitado a maior parte do tempo, levantando apenas para comer ou tomar banho.

Já a metade ativa foi orientada a sair da cama sempre que possível, mas sem estirar a coluna, para evitar a piora da dor. Eles também podiam voltar ao trabalho assim que possível, desde que a dor não fosse incapacitante.

Depois de duas semanas de observações, 70% do grupo em repouso e 65% do ativo melhoraram. Após 12 semanas, 85% dos pacientes dos dois grupos apresentavam melhora. As avaliações de intensidade da dor e função do membro afetado foram idênticas para os dois grupos.

Assim, os pesquisadores concluíram que a recomendação de repouso ou de atividade não fez diferença sobre a melhora dos sintomas para a dor ciática.

Prevenindo a dor ciática

As etapas a seguir podem ajudá-lo a prevenir a ciática ou impedir que ela ocorra novamente:

  • Exercite-se com frequência. Fortalecer os músculos das costas e os músculos do core abdominal é a chave para manter as costas saudáveis. Estudos mostram que exercícios aeróbicos podem ajudar na sobrecarga muscular paravertebral. Exercícios de fortalecimento, yoga e pilates podem ser úteis na prevenção da recorrência de crises de dor ciática.
  • Verifique sua postura. Certifique-se de que suas cadeiras ofereçam suporte adequado para as costas, coloque os pés no chão enquanto estiver sentado e use os apoios de braço. Uma cadeira ergonômica com bom apoio de braços e suporte lombar, um apoio de pés e altura adequada do monitor do computador podem fazer a diferença
  • Preste atenção em como você se move. Levante objetos pesados da maneira correta, dobrando os joelhos e mantendo as costas retas. Movimentos simples do dia-a-dia podem estar causando uma sobrecarga desnecessária na musculatura das costas.

Sinais de que você deve procurar um médico

Se você estiver com sintomas leves de ciática, pode agendar uma consulta com seu médico para receber testes de diagnóstico.

No entanto, você deve procurar atendimento médico imediatamente se desenvolver os seguintes sintomas:

  • Dor repentina e insuportável na parte inferior das costas ou na perna e fraqueza muscular ou dormência na mesma área.
  • Perda da capacidade de controlar sua bexiga ou intestinos, um sinal da síndrome da cauda equina, que pode levar à paralisia em 48 horas sem tratamento.
  • Sensação pulsante em sua perna ou coxa.
  • Pernas ou pés ficam frios, ou ficam azuis.
  • Desenvolvimento de uma infecção na perna que não cura.
  • Inchaço na coxa, perna ou parte inferior das costas.
  • Dor iniciada após um acidente grave ou lesão traumática.
Clinica Hong Jin Pai Sao Paulo e1621991307344

RUA SAINT HILAIRE 96 – JARDIM PAULISTA – SÃO PAULO – SP

Clínica de Dor, Fisiatria e Acupuntura Médica

Clínica médica especializada localizada na região dos Jardins, próximo à Av. Paulista, em São Paulo — SP.

Centro de Dor, com médicos especialistas pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Tratamento por Ondas de Choque, Infiltrações, Bloqueios anestésicos e Acupuntura Médica

Ciático
A ciática requer cirurgia?
A dor ciática exige intervenção cirúrgica apenas nos casos mais avançados ou extremos. A maioria dos pacientes pode obter o alívio que procuram através de métodos de tratamento não invasivos, como o tratamento de reabilitação com fisioterapia motora.
O que causa dor ciática?
Qualquer desequilíbrio estrutural que empurre estruturas da coluna vertebral para o tecido do nervo ciático pode causar ciática. Na maioria dos casos, a causa direta é um disco espinhal lombar ou sacral herniado que se projeta da coluna vertebral. Outras causas podem incluir um problema de alinhamento vertebral chamado espondilolistese, um estreitamento do canal medular chamado estenose espinhal ou uma mudança aguda no alinhamento da coluna devido a uma lesão. Uma síndrome do piriforme (ou síndrome do glúteo profundo) pode também gerar uma compressão ou sintomas de pseudo-ciática, resultando em dor glútea e dor na perna.
Quais são os sintomas da ciática?
A dor ciática geralmente causa dores nas costas, nádegas e pernas. Essa dor pode ser em pontada, aguda, ardente ou com sensação de choque elétrico. É mais comum a dor irradiar uma perna, mas às vezes pode ocorrer nas duas pernas. A maioria das pessoas sente dor principalmente nas nádegas, mas em alguns casos, a dor da compressão do nervo ciático pode irradiar para baixo da perna até o pé. Dormência e formigamento também são possíveis sintomas da ciática. A dor pode ser leve a severa e ocasional, frequente ou constante.
O que é dor ciática (ciatalgia) ou dor do nervo ciático?
A dor ciática é uma síndrome (conjunto de sintomas) relacionada ao impacto das principais raízes nervosas que ligam a medula espinhal ao maior nervo do corpo, o nervo ciático. Esse nervo, que se ramifica em muitos nervos menores na perna, conduz todos os sinais nervosos que fluem de e para a perna e o pé. A compressão das raízes nervosas interrompe as comunicações entre o nervo ciático e a medula espinhal (e, portanto, o cérebro), podendo gerar dor associado a formigamento, queimação, e perda de força na perna e pé.

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas
1 Jensen RK, Kongsted A, Kjaer P, Koes B. Diagnosis and treatment of sciatica. Bmj. 2019 Nov 19;367.
2 Valat JP, Genevay S, Marty M, Rozenberg S, Koes B. Sciatica. Best Practice & Research Clinical Rheumatology. 2010 Apr 1;24(2):241-52.
3 Tubach F, Beauté J, Leclerc A. Natural history and prognostic indicators of sciatica. Journal of clinical epidemiology. 2004 Feb 1;57(2):174-9
4 Peul WC, Van Houwelingen HC, van den Hout WB, Brand R, Eekhof JA, Tans JT, Thomeer RT, Koes BW. Surgery versus prolonged conservative treatment for sciatica. New England Journal of Medicine. 2007 May 31;356(22):2245-56.
5 Koes BW, Van Tulder MW, Peul WC. Diagnosis and treatment of sciatica. Bmj. 2007 Jun 21;334(7607):1313-7

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorado em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Presidente do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira de Regeneração Tecidual (SBRET). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).  

7 Comentários

Deixe o seu comentário.

Deixe o seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Artigos relacionados