AVISO: A partir de 13/07, estamos atendendo na Rua Saint Hilaire 96 (a 5 minutos da clínica antiga), de segunda a sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

Acupuntura e antidepressivos no tratamento de depressão

Introdução

No início de 1970, H. L. Wen, um neurocirurgião de Hong Kong descobriu que a acupuntura pode reduzir significativamente os sintomas de abstinência de drogas. Em 1977, Shuaib e Haq fizeram uma das primeiras tentativas de avaliar a eficácia da técnica de acupuntura de Wen sobre os sintomas psicossomáticos em pacientes com neuroses secundárias ao tratamento farmacológico. Os participantes perceberam uma redução na tensão, agitação, tristeza, dor de cabeça, parestesia cefálica, e perda de apetite durante o estudo. No entanto, os sintomas obsessivos ficaram inalterados. Os pesquisadores identificaram a acupuntura como um método seguro e potencialmente eficaz para o tratamento de depressão.

Vários estudos compararam acupuntura com antidepressivos tricíclicos (principalmente) no tratamento da depressão. Em um estudo controlado, 20 pacientes foram tratados com a acupuntura 6 vezes por semana, e 21 pacientes foram tratados com 150 a 300 mg de amitriptilina (grupo de controle). Ambos os tratamentos duraram 6 semanas. Nenhuma diferença significativa no efeito (P> 0,05) foi registada; sintomas de depressão foram melhorados em ambos os grupos. No entanto, a redução na ansiedade foi significante no grupo de acupuntura (P <0,01) em comparação com o grupo de controle.

Luo e pesquisadores compararam os efeitos de EAT e amitriptilina em pacientes com depressão. Os resultados mostraram que EAT teve um melhor efeito terapêutico no controle da ansiedade e distúrbios do processo cognitivo do que a amitriptilina (P <.05). EAT também pareceu ser mais eficaz para a depressão reativa do que a amitriptilina. Efeitos adversos de EAT foram significativamente menores do que de amitriptilina (P <.001). Testes bioquímicos mostraram uma alteração do nível de noradrenalina plasmática significativa de EAT, o que sugere que o efeito terapêutico de EAT se deve à modulação do metabolismo da norepinefrina. EAT tinha um perfil de efeito adverso preferível. Em termos de eficácia de EAI no tratamento da depressão, os resultados deste estudo são promissores.

Ambos os estudos demonstraram eficácia semelhante entre acupuntura e amitriptilina. Entretanto, por terem sido conduzidos na China, em que o resultado terapêutico da acupuntura é altamente esperado, o efeito placebo não pode ser descartado.

Não houve diferença significativa entre a acupuntura e fluoxetina encontrada nos dois estudos que incluíram pacientes com depressão pós-AVC. Ambos os estudos indicaram que os pacientes não toleraram a fluoxetina, nem a acupuntura. Estes resultados de eficácia foram apoiados por Mukaino e pesquisadores, que sistematicamente revisaram ensaios clínicos randomizados e sugeriram que o efeito terapêutico do EAT pode não ser significativamente diferente de antidepressivos convencionais.

Roschke e colegas realizaram um estudo cego único, controlado por placebo que testou duas hipóteses: (1) a combinação de acupuntura e medicamentos antidepressivos (mianserina, um antidepressivo tetracíclico que é usado na Europa) é mais eficaz para a depressão do que apenas o tratamento farmacológico (de dosagem de 90 a 120 mg/d), e que (2) verum (tradicional) acupuntura é mais eficaz do que a simulação da acupuntura no tratamento da depressão.

Os resultados do estudo mostraram que os pacientes que receberam mianserina e acupuntura (verum ou simulada) apresentaram mais melhorias do que os pacientes que foram tratados apenas com mianserina. Não houve diferença significativa entre os pacientes que receberam a acupuntura verum e aqueles que receberam acupuntura placebo. Estes resultados sugerem que a acupuntura tem um efeito mais eficaz do que antidepressivos tradicionais.

 

 

Acupuntura como uma monoterapia

Em um estudo cego duplo, controlado por placebo, desenvolvido para avaliar a eficácia da acupuntura como uma monoterapia para a depressão, 38 mulheres foram aleatoriamente selecionadas em 1 de 3 grupos e receberam tratamento que durou 8 semanas: (1) a acupuntura específica para sintomas depressivos ( n = 12), (2) de acupuntura não específica para os sentimentos gerais de “desarmonia” (n = 11), e (3) de lista de espera controles (n = 10) . Os pacientes e acupunturistas fizeram um teste cego usando pontos de acupuntura válidos, mas diferentes. Todos os acupunturistas tinham a expectativa de que o tratamento que realizaram seria eficaz para a depressão.

Os sintomas reduziram mais significativamente no grupo específico (P <0,05) do que no grupo não específico. No entanto, a diferença entre os grupos de acupuntura e a lista de espera do grupo foi menor (P <0,12). Estes resultados podem ser explicados pelo reduzido tamanho da amostra do estudo. A taxa de remissão (64%) foi comparável aos tratamentos convencionais de depressão.

Este estudo sugere que a acupuntura pode ser uma monoterapia apropriada para depressão leve a moderada. No entanto, os resultados de um ensaio semelhante (N = 151) não identifica a acupuntura como uma monoterapia para a depressão.

Num outro estudo duplamente cego, controlado por placebo, em comparação Eich e seus colegas compararam verum e acupuntura placebo aplicada em pacientes com depressão baixa (n = 43) e pacientes com desordem de ansiedade generalizada (n = 13). O tratamento consistiu em 10 sessões de acupuntura (verum ou placebo). O grupo de acupuntura verum (n = 28) apresentaram melhora clínica significativa (P <0,05) e teve uma taxa significativamente maior de resposta (60,7% vs 21,4%, P <0,01) de diminuição dos sintomas de ansiedade em pacientes com depressão e distúrbios de ansiedade generalizada.

 

 

Efeitos de longo prazo

Apesar dos contínuos tratamentos farmacológicos e/ou psicoterápicos da depressão, as taxas de recaída são elevadas. Gallagher e associados focaram no prognóstico a longo prazo dos pacientes com depressão que foram tratados com sucesso com a acupuntura no estudo de Allen descritos anteriormente. Dezessete dos 26 pacientes tinham alcançado remissão completa durante a fase aguda desse estudo.

Na fase de acompanhamento, 26 participantes foram avaliados através de uma entrevista clínica estruturada para o DSM após 6 meses de tratamento. Quatro (24%) das 17 mulheres que obtiveram remissão completa após a acupuntura específica experimentou recorrência da depressão dentro de 6 meses. Seis dos 9 pacientes com remissão parcial (67%) também teve um episódio depressivo maior durante o período de acompanhamento de 6 meses.

Este estudo indica que as taxas de resposta e as taxas de recaída com acupuntura são semelhantes aos tratamentos tradicionais de depressão. Smith e Hay também não encontraram provas de que os medicamentos são melhores do que a acupuntura para ajudar os pacientes a atingir a remissão ou a prevenir recaída.

 

 

Acupuntura e depressão durante a gravidez

Manber e colegas estudaram o efeito terapêutico da acupuntura em mulheres grávidas com depressão. Os resultados são particularmente interessantes. 61 mulheres foram aleatoriamente atribuídas a cada um desses três grupos: (1) de acupuntura, em que os sintomas depressivos foram especificamente tratados (SPEC) (n = 20); (2) acupuntura válido controlada, o que não foi concebido especificamente para a depressão (nspec) (n = 21); e (3) a massagem terapêutica (MSSG) (n = 20). O tratamento consistiu em 12 sessões (25 a 30 min cada) durante um período de 8 semanas. Pacientes e o acupunturistas realizaram o teste às cegas. As pacientes que responderam ao tratamento na fase aguda continuaram com o mesmo tratamento durante 10 semanas pós-parto. Os sintomas foram avaliados por meio da Escala de Hamilton para Depressão-17 e Escala de Depressão de Beck.

No final da fase aguda, a taxa de resposta foi significativamente maior no grupo Spec (69%) do que no grupo de nspec (47%) e para o grupo MSSG (32%). No pós-parto, todos os grupos tiveram uma redução significativa nos sintomas de depressão. No entanto, a taxa de remissão foi significativamente maior no grupo Spec (86%) do que no grupo de nspec (50%) e no grupo MSSG (67%). Os autores sugeriram que a acupuntura pode ser um tratamento não farmacológico eficaz para a depressão durante a gravidez.

 

 

Uso da acupuntura para sintomas relacionados à menopausa

Porzio e pesquisadores avaliaram a segurança e a eficácia da acupuntura em sintomas relacionados à menopausa combinados com a terapia com tamoxifeno em pacientes com câncer de mama. Não ficou claro se os sintomas foram induzidos pela droga ou eram um efeito natural da menopausa.

A acupuntura foi associada à uma redução significativa da ansiedade (P <0,001), depressão (P <0,001), e somáticas (P <0,001) e sintomas vasomotores (p = 0,001). A acupuntura não modificou a libido das participantes.

Esse estudo identificou que a acupuntura pode ser um tratamento seguro e eficaz para tratar sintomas vasomotores induzido por tamoxifeno, ansiedade e depressão. Os autores enfatizaram o papel da acupuntura apenas como um complemento na terapia e não como uma alternativa de tratamento para o câncer de mama.

 

 

Alterações bioquímicas e neurofisiológicas relacionadas à acupuntura

Embora a acupuntura esteja sendo incorporada na medicina ocidental, ainda temos uma compreensão muito limitada de como ela funciona. Em um pequeno estudo, Dhar e Vasanti investifaram o efeito da acupuntura sobre o estado de hormônios da tireoide na depressão endógena.

Os resultados identificaram uma melhora significativa dos sintomas avaliados (insônia, depressão, inquietação, dores no corpo e perda de apetite), após a acupuntura (P <.05). Os testes de função da tireoide anormais retornaram ao valor normal, ao final do tratamento.

Pohl e Nordin estudaram o efeito da EAT sobre os níveis de neuropeptídeo Y (NPY) por mais de 4 semanas em um pequeno estudo piloto com 6 pacientes com depressão. Durante a terapia com acupuntura houve uma redução dos níveis plasmáticos de NPY em 5 pacientes. Esta descoberta foi associada com melhora clínica da depressão.

Em um estudo conduzido por Han e associados, 26 níveis plasmáticos de cortisol e endotelina-1 foram estudados como marcadores biológicos em pacientes com depressão antes e após o tratamento. O cortisol está envolvido na “regulação, transcrição, atividade e expressão” de receptores de endotelina. Por outro lado, a endotelina influencia a atividade do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HPA). Disfunção do eixo HPA tem sido implicado na patogénese da depressão.

Trinta pacientes foram tratados com EAT e 31 pacientes foram tratados com maprotilina (tetracyclic). Ambos os grupos apresentaram melhoras dos sintomas após o tratamento (P <0,01), e não houve diferença significativa entre os grupos (P> 0,05). Pontuação da Escala de Depressão Montgomery-sberg identificaram uma melhora significativa dos efeitos adversos na acupuntura quando comparada a maprotilina. Normalização do teor de cortisol e endotelina-1 foram observadas em ambos os grupos (P <0,01), sem diferença significativa entre eles (P> 0,05). Os autores concluíram que EAT teve os mesmos efeitos terapêuticos, mas menos efeitos adversos do que maprotilina.

Huang e colegas utilizaram tomografia de emissão de positrões para demonstrar a associação entre melhorias clínicas da depressão, a normalização de circuitos córtex-límbico, e aumento do metabolismo da glicose em diferentes regiões do cérebro com a utilização de acupuntura no couro cabeludo.

 

 

Conclusões

A acupuntura vêm sendo utilizada como uma intervenção terapêutica na medicina Ocidental no tratamento de várias condições médicas. No entanto, a sua prática em saúde mental ainda é limitada e, muitas vezes, experimental. Apesar da escassez de evidências objetivas, a maioria dos estudos têm mostrado que a acupuntura é uma opção terapêutica segura e promissora. Traz menos efeitos colaterais do que os medicamentos psicotrópicos e está associada com baixas taxas de efeitos colaterais.

Devido ao número significativo de pacientes que não respondem ou que não toleram os tratamentos convencionais para a depressão, outras opções devem ser exploradas. Os dados aqui apresentados sugerem que a acupuntura merece mais investigação como uma opção alternativa para o tratamento da depressão.

Send this to a friend