AVISO: NOVO LOCAL DE ATENDIMENTO - Rua Saint Hilaire 96 (a 5 minutos da clínica antiga), de segunda a sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

Dor embaixo da costela na corrida

A dor embaixo da costela na corrida é uma queixa frequente entre praticantes dessa modalidade, e até mesmo atletas de alto nível. Suas causas variam e, na maioria das vezes, não há relação com alguma condição clínica mais grave. 

Porém, uma vez que a situação se torna recorrente, é necessário fazer um diagnóstico para identificar ou descartar a presença de alguma patologia associada.

O que é?

A prática da corrida, como qualquer outra atividade física, exige um condicionamento de todo o corpo, assim como um preparo psicológico. Porém, muitas vezes os praticantes negligenciam certas condutas essenciais, antes ou durante o exercício, e são prejudicados pelo surgimento de uma dor aguda e constante na realização da atividade física. 

Geralmente, a dor surge por causa de alguma questão fisiológica relativa à prática da corrida que pode ser desde falta de condicionamento e intensidade elevada do exercício, como excesso de alimento no estômago ou um fígado sobrecarregado pela ingestão de alimentos gordurosos no dia anterior. 

Finalmente, a presença de doenças que afetam os tratos gastrointestinal ou respiratório, devido à estruturação anatômica do corpo humano, também podem ocasionar dores durante a corrida.

Enfim, diante da ampla variedade de motivos para esse desconforto durante a corrida, na sequência iremos abordar em mais detalhes os mais frequentes. 

Causas

Intensidade inicial da corrida elevada

Se o praticante correr em uma intensidade elevada desde o início, sem que haja um aumento gradual da mesma, o suporte de oxigênio e nutrientes, essencial para o correto funcionamento de todo a musculatura envolvida, não será feito adequadamente. 

Diante disso, o músculo diafragma, responsável em parte pela captação de oxigênio ao proporcionar a expansão dos pulmões, fica sobrecarregado e o resultado são dores devido às contrações que ele realiza em maior quantidade do que deveria.  

Falta de condicionamento físico

A falta de condicionamento físico também resulta em sobrecarga do diafragma e, consequentemente, nas dores e pontadas características do desconforto embaixo da costela. 

Em relação a isso, é preciso salientar que condicionar o próprio corpo é um processo que acontece de maneira lenta e gradual. Logo, a prática da corrida precisa considerar a capacidade física atual do praticante. 

Respiração inadequada

Quando não há uma respiração adequada, a partir da atuação do diafragma, a captação do oxigênio é limitada.

Por isso, é importante aprender a fazer a respiração abdominal. 

Além disso, um outro problema que impede a atuação eficiente do músculo respiratório, é a ausência de coordenação entre as passadas e a respiração. 

Ambas as situações reduzem a quantidade de oxigênio e nutrientes que chegam aos pulmões, e acabam por sobrecarregar o diafragma ao longo da atividade física. 

Má postura

Se o praticante correr com uma má postura compromete toda a área constituída pelo abdômen, peitoral e dorso. Assim, as vísceras e os músculos locais podem ser pressionados indevida ou excessivamente e ocasionar o surgimento de dores, dentre as quais está a dor embaixo da costela. 

Distúrbios gastrointestinais

O excesso de alimentos no estômago ou intestino, flatulência e azia, por exemplo, são situações que predispõem dor embaixo da costela na corrida, uma vez que o movimento fisiológico natural do músculo diafragma e outros músculos no exercício comprime as vísceras citadas acima. 

Certas doenças 

Finalmente, se a dor embaixo da costela durante a corrida torna-se uma constante para o indivíduo, é provável que alguma doença esteja interferindo na qualidade da prática física. 

Citamos, à título de exemplo, patologias relacionadas ao trato gastrointestinal, que afetam fígado, estômago e intestino, por exemplo, bem como doenças respiratórias, que atingem os pulmões e/ou o músculo diafragma. 

Portanto, se o desconforto durante a corrida for algo constante para o paciente, o ideal é fazer o diagnóstico clínico.

Diagnóstico

Como citado anteriormente, no geral, a dor embaixo da costela na corrida não está associada à patologia. Apenas desconfia-se de tal, quando ela se torna frequente. 

Nessa situação, a consulta com um médico será a melhor alternativa para identificar a causa da dor. 

Durante o atendimento, o histórico do paciente e seus sintomas são os elementos iniciais para a identificação de alguma doença. Na sequência, é feito um exame físico e são pedidos exames complementares que podem ser de imagem e de sangue. 

Caso haja a presença de patologia, o médico indica o tratamento adequado que visa eliminar a causa, aliviando assim os sintomas, dentre os quais a dor durante a corrida. 

Sintomas

A dor embaixo da costela na corrida é o próprio sintoma e, normalmente, não indica condições clínicas graves. 

Outros sinais que a acompanham costumam ser: 

  • sensação de pontadas na região; 
  • azia ou enjoo; 
  • dificuldade para continuar a corrida; 
  • falta de ar; 
  • ansiedade;
  • insegurança.   

Salientamos, que uma vez iniciada a dor, deve-se reduzir o ritmo da corrida e se ela continuar, é preciso parar a atividade até que os sintomas sejam eliminados. 

A situação de dor embaixo da costela na corrida só exige um tratamento quando está associada à alguma doença.

Tratamento 

A situação de dor embaixo da costela na corrida só exige um tratamento quando está associada à alguma doença, a qual deverá ser tratada para que o desconforto durante a prática física não ocorra mais. 

Porém, como na maioria das vezes essa dor decorre de causas menos complexas, podemos dizer que o tratamento adequado, e com caráter imediato, seria reduzir o ritmo da corrida ou até mesmo parar a atividade por alguns instantes. 

Mas o ideal, é utilizar estratégias que visam evitar o surgimento da dor embaixo da costela na corrida. A seguir citamos algumas delas: 

  • iniciar o exercício em um ritmo mais lento e ir aumentando-o gradualmente; 
  • praticar com uma intensidade adequada ao condicionamento físico atual; 
  • respeitar os limites do próprio corpo; 
  • manter-se consciente da respiração durante todo o exercício;  
  • correr com uma técnica e postura adequada; 
  • alimentar-se adequadamente antes da prática; 
  • manter uma alimentação saudável e equilibrada; 
  • evitar a interferência dos estresses do dia a dia no momento da prática física. 

Seguindo as estratégias acima, as chances de que a dor embaixo da costela surja durante a corrida são minimizadas. Consequentemente, pode-se suspeitar que haja alguma patologia caso mesmo diante dos cuidados indicados o desconforto persistir. 

 

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorando em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).

Deixe o seu comentário

Send this to a friend