AVISO - COVID-19: Estamos com atendimento segunda/terça/quinta/sexta/sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

Aprenda mais sobre a síndrome de hipermobilidade articular

A síndrome de hipermobilidade articular é uma condição na qual ocorre frouxidão ligamentar e das articulações, assim, a pessoa consegue realizar facilmente movimentos não habituais, acima da faixa normal de amplitude da articulação, como por exemplo ser capaz de encostar as palmas das mãos no chão facilmente, sem dobrar os joelhos.

Articulações hipermóveis tendem a ser herdados, ou seja, há fatores genéticos envolvidos, geralmente por uma deficiência da produção natural de colágeno pelo organismo.

Pode ocorrer em até 10 a 30% das pessoas, sendo geralmente mais comum nas mulheres.

Sintomas da síndrome de hipermobilidade articular podem incluir dores articulares (como nos joelhos, quadris, cotovelos e dedos), pois a pessoa acaba realizando movimentos inadvertidos, aumentando o risco de lesões articulares e musculares, luxações e distensões.

Hipermobilidade articular muitas vezes não se apresenta com nenhum sintoma, não requerendo tratamentos específicos se a pessoa for assintomática. Assim, geralmente não há riscos maiores para a pessoa.

Os tratamentos são personalizados para cada indivíduo com base em suas manifestações particulares.

Hipermobilidade articular significa que algumas ou todas juntas de uma pessoa tem uma grande amplitude de movimento. Pessoas com hipermobilidade são particularmente flexíveis e capazes de mover seus membros em posições que outros acham impossíveis.

A síndrome de hipermobilidade articular é uma condição na qual as articulações (por exemplo, do cotovelo ou quadril) se movem facilmente acima da faixa normal esperada para a articulação, ou seja, os ligamentos apresentam frouxidão. Assim, as pessoas afetadas conseguem realizar movimentos não habituais, como tocar as palmas das mãos no chão sem precisar dobrar os joelhos, ou encostar o polegar no antebraço do mesmo lado.

Estima-se que 10% – 25% de crianças normais tenham articulações hipermóveis, ou articulações que possam ir além da escala normal do movimento. Articulações hipermóveis são muitas vezes referidas como “articulações soltas”.

Porém, como a pessoa consegue realizar facilmente movimentos não habituais, corre maior risco de lesões articulares, ligamentares e musculares, como luxações e distensões, por não ter consciência de seus limites, tomando sempre cuidado com exercícios e movimentos que possam levar a lesões.

A hipermobilidade articular benigna é mais comum em mulheres do que homens.

A síndrome de hipermobilidade articular é considerada uma condição benigna.

Muitas pessoas com articulações hipermóveis não têm quaisquer problemas, e algumas pessoas – como bailarinos, ginastas e músicos – realmente podem se beneficiar do aumento da flexibilidade.

O que causa a síndrome de hipermobilidade articular?

Articulações hipermóveis tendem a ser herdadas em genes específicos, passados pelos pais para seus filhos.

Os genes que são responsáveis pela produção de colágeno, uma proteína importante constituinte da pele, músculos e tendões, que ajuda a manter os tecidos em conjunto, são suspeitos de desempenharem um papel importante no defeito da produção de colágeno, levando a essa maior fragilidade e frouxidão ligamentar.

Assim, há quatro fatores que podem contribuir para a hipermobilidade articular. Estas são:

  • A estrutura de seu colágeno (um tipo de proteína encontrada em alguns tipos de tecido)
  • A forma das extremidades dos seus ossos
  • Seu tônus muscular
  • Seu senso de movimentos conjuntos (propriocepção)

Estes são explicados em mais detalhes abaixo.

Estrutura de colágeno

O colágeno é um tipo de proteína encontrada por todo o corpo – por exemplo, na pele e ligamentos. Os ligamentos são bandas resistente de tecido conjuntivo (fibras que oferecem suporte a outros tecidos e órgãos em seu corpo) que vinculam dois ossos juntos em uma articulação. Eles fortalecem a articulação e limitam o seu movimento em determinadas direções.

Se a estrutura de seu colágeno for alterada, esta pode não ser tão forte, e os tecidos que contêm colágeno serão mais frágeis. Isso pode levar a ligamentos enfraquecidos ou facilmente esticados.

Mudanças na estrutura de seu colágeno são susceptíveis de serem causadas por alterações em seus genes. Os genes são unidades de material genético que você herdar de seus pais. Eles contêm instruções que diga seu corpo como trabalhar. Se alterar as instruções dentro dos genes, pode alterar a estrutura de seu colágeno.

Forma das extremidades ósseas

Uma articulação é a junção entre dois ossos. A forma dos ossos determina quão longe você pode mover seus braços e pernas.

Por exemplo, seus membros serão mais flexíveis, se o soquete que o osso se move ao redor, como o ombro ou o soquete do quadril, for mais superficial.

Tônus muscular

Crianças com hipermobilidade articular podem ter um grau de hipotonia (baixo tônus de músculo), e pode significar que a criança seja capaz de dobrar suas articulações mais do que o habitual.

Sentido de movimento comum

Você deve ser capaz de perceber a posição e o movimento das articulações. Por exemplo, mesmo com os olhos fechados, você deve saber se o braço está dobrado ou em linha reta. O termo médico para este sentido é “propriocepção”.

No entanto, algumas pessoas com hipermobilidade articular tem uma sensação anormal de movimento comum e são incapazes de sentirem quando uma articulação é sobrecarregada, dando-lhes uma gama maior de movimento e precipitando a lesões e microtraumas repetitivos.

Que doenças são fatores de risco para a síndrome de hipermobilidade articular?

Hipermobilidade articular é também uma característica de uma condição médica rara, hereditária, mais significativa, chamada Síndrome de Ehlers-Danlos, que é caracterizada por fraqueza dos tecidos conjuntivos do corpo.

Hipermobilidade articular é comumente vista em pessoas com síndrome de Down e em pessoas com Síndrome de Marfan.

Quais são os sinais e sintomas de hipermobilidade articular?

Como as articulações são capazes de movimento excessivo em pessoas com a síndrome de hipermobilidade articular, eles são mais suscetíveis a lesões.

Sintomas da síndrome de hipermobilidade articular podem incluir dor em joelhos, dedos, quadris e cotovelos. Há uma maior incidência de luxação e entorse de articulações envolvidas.

Escoliose (curvatura da coluna vertebral) ocorre mais freqüentemente em pessoas com articulações hipermóveis, e pode levam a dor nas costas. Hipermobilidade articular tende a diminuir com o envelhecimento, pois nos tornamos naturalmente menos flexíveis.

Sinais da síndrome são a capacidade de colocar as palmas das mãos no chão com os joelhos completamente estendidos, hiperextensão do joelho ou do cotovelo, além de 10 graus e a capacidade de tocar o polegar com o antebraço.

Assim, resumindo, a síndrome de hipermobilidade articular pode causar uma grande variedade de sintomas, incluindo:

  • Dor e rigidez nas articulações e músculos – particularmente no final do dia e após a atividade física
  • Dor nas costas e dor de garganta
  • Fadiga (cansaço extremo)
  • Dores de noite – o que podem perturbar seu sono
  • Coordenação pobre
  • Luxações recorrentes de comuns – como um ombro deslocado
  • Lesões de tecidos moles recorrentes – como lesões entorses e esportes

Uma pessoa com síndrome de hipermobilidade articular também pode ter um número de outros sintomas relacionados a deficiências nos tecidos conjuntivos por todo seu corpo, como alterações no sistema digestório, e outras queixas como:

  • Incontinência – um tipo de incontinência urinária que ocorre porque os músculos do assoalho pélvico são fracos demais para impedir a micção acidental
  • Hérnias – onde uma parte interna do corpo, tais como um órgão, empurra-o atravésde uma fraqueza no músculo ou parede de tecido circundante
  • Em mulheres, prolapso de órgãos pélvicos – onde os órgãos dentro da pélvis escorregar para baixo de sua posição normal
  • Varizes – veias inchadas e alargadas, geralmente roxo escuro ou azul
  • Pé chato – onde a parte interna do pé (arco) não é erguida do chão quando você se apoia
  • Dores de cabeça
  • Pálpebras caídas
  • Uma tendência a machucar-se facilmente e desenvolver estrias
  • Pele fina ou elástica

Como é diagnosticada a síndrome de hipermobilidade articular?

A síndrome de hipermobilidade articular é diagnosticada por meio de histórico médico (anamnese) e exame clínico, avaliando-se as articulações afetadas e notando que movem-se facilmente acima da faixa normal esperada.

Por exemplo, o meio dos dedos pode dobrar para trás mais do que o habitual.

Não há nenhum exame de sangue ou imagem para a síndrome de hipermobilidade.

Se você tem outros sintomas além de articulações hipermóveis, seu médico pode realizar uma nova avaliação da sua condição, usando os critérios de Brighton, que podem ajudar a determinar se você tem síndrome de hipermobilidade articular.

A pontuação de Beighton

A pontuação de Beighton consiste de uma série de cinco testes, cujos resultados podem adicionar até um total de nove pontos.

A pontuação é trabalhada da seguinte forma:

  • Um ponto, se você pode colocar as palmas das mãos no chão, enquanto em pé com as pernas em linha reta
  • Um ponto para cada cotovelo que se dobra para trás
  • Um ponto para cada joelho que se dobra para trás
  • Um ponto para cada polegar que toca o antebraço quando dobrados para trás
  • Um ponto para cada dedo mindinho que se dobra para trás, para além de 90 graus

 

Se sua pontuação de Beighton é quatro ou mais, é provável que você tenha hipermobilidade articular.

Os critérios de Brighton

Os critérios de Brighton levam em conta sua contagem de Beighton, mas também consideram outros sintomas, como dor nas articulações e juntas deslocadas, e quanto tempo você tem os sintomas.

Existem critérios de Brighton maiores e menores.

Principais critérios

Os principais critérios de Brighton são:

  • Ter uma pontuação de Beighton de quatro ou mais – agora ou no passado
  • Apresentar dor nas articulações por mais de três meses em quatro ou mais articulações

Critérios menores

Os critérios de Brighton menores são:

  • Ter uma pontuação de Beighton de um a três, ou tendo Beighton placar de zero a três, se você está a mais de 50 anos de idade
  • Apresentar dor nas articulações por mais de três meses até três articulações, dor por mais de três meses, ou espondilose (artrite da coluna vertebral) ou espondilolistese lombar (onde um osso dos talões de espinha inferiores fora de posição)
  • Luxação ou deslocamento parcial de mais de uma articulação, ou o mesmo lugar mais de uma vez
  • Apresentar três ou mais lesões de seus tecidos moles – como tenossinovite (inflamaçãoda camada protetora em torno de um tendão) ou bursite (inflamação de um saco cheio de líquido em uma articulação)
  • Ter características físicas particulares chamado marfanóide habitus – isso inclui ser alto e magro e ter dedos compridos
  • Apresentar a pele anormal – tais como a pele fina e elástica
  • Apresentar sintomas relacionados aos olhos – como pálpebras caídas ou miopia
  • Apresentar inchado e alargada veias (varizes), uma hérnia (quando uma parte interna docorpo empurra através de uma fraqueza na parede do tecido circundante) ou – nas mulheres – prolapso de órgãos pélvicos (onde os órgãos dentro da pélvis escorregar para baixo de sua posição normal)

De acordo com os critérios de Brighton, a síndrome da hipermobilidade pode ser diagnosticada se você tem:

  • Dois critérios principais
  • Um critério maior e dois critérios menores
  • Quatro critérios menores
  • Dois critérios menores e um parente próximo, como um pai, que foi diagnosticado com hipermobilidade articular

Tratamento de hipermobilidade articular

Hipermobilidade articular muitas vezes faz com que nenhum sintoma e não requer nenhum tratamento.

Muitos indivíduos com síndrome de hipermobilidade articular melhoram na idade adulta.

Você pode precisar de tratamento e suporte se você tiver síndrome de hipermobilidade articular, o que faz com que possa apresentar uma grande variedade de sintomas, incluindo dor nas articulações e problemas digestivos.

Os tratamentos são personalizados para cada indivíduo com base em suas manifestações particulares. Dores nas articulações podem ser aliviadas por medicamentos para dor ou inflamação.

Exercício de condicionamento físico adequado pode fortalecer os músculos e estabilidade, mas a natureza do exercício deve ser projetada para evitar danos às articulações.

Às vezes, a terapia física pode ajudar com a reabilitação de áreas lesadas e pode ser especialmente útil para impedir novas lesões.

Alguns dos principais tratamentos para a hipermobilidade articular são descritas a seguir.

Existem algumas coisas que você pode fazer sozinho e que podem ajudar se você tiver hipermobilidade articular.

Auto-cuidado

Estes incluem:

  • Estilo de vida saudável em geral – inclusive manter uma dieta saudável e manter um peso saudável; Isto ajudará a melhorar a força de suas articulações e reduzir a pressão sobre eles
  • Adotar medidas de higiene do sono, se você tiver problemas para dormir – tentar relaxar antes de ir para a cama e manter um ambiente de sono confortável
  • Ficar tão ativo como você pode, mas aderindo a exercícios de “baixo impacto”, tais como natação ou andar de bicicleta para reduzir a pressão sobre as articulações
  • Utilizar calçado confortável e apoio para dar suporte a seus tornozelos
  • Aplicação de calor – como uma bolsa de água quente – para aliviar a dor nas articulações
  • Se você tem uma lesão de excesso de alongamento, ajudar a descansar a articulação e elevá-lo (por exemplo, ao sustentar em alguns travesseiros); Você também pode aplicar gelo envolto em uma toalha úmida para a área lesada em caso de dores agudas

Fisioterapia e exercício

Fisioterapia pode ajudar pessoas com articulações hipermóveis. Por exemplo, pode ajudar a:

  • Reduzir a dor
  • Melhorar a forma física e força muscular
  • Melhorar a postura
  • Melhorar o seu senso de posição do seu corpo e movimento (propriocepção)
  • Corrigir o movimento das articulações individuais

É útil ter uma fisioterapeuta com conhecimento de síndrome de hipermobilidade articular, como alguns tratamentos de fisioterapia podem piorar os sintomas.

Uma vasta gama de técnicas de fisioterapia pode ser usada. Você pode ser aconselhado a seguir um programa de exercício que inclui força e treinamento deequilíbrio, técnicas especiais de alongamentos e conselhos sobre ritmo.

Estimulação envolve balanceamento de períodos de atividade com períodos de descanso.

Significa não exagerar ou empurrando-se além dos limites, porque se você fizer ele poderia diminuir o seu progresso a longo prazo.

Terapia ocupacional

Terapia ocupacional tem como objetivo ajudá-lo a superar as dificuldades em sua vida cotidiana, causado por ter síndrome de hipermobilidade articular.

Isso pode envolver a ensinar-lhe formas alternativas de realizar uma determinada tarefa. Por exemplo, um terapeuta ocupacional pode lhe dar conselhos sobre como reduzir a pressão sobre as articulações enquanto usando um computador ou ficar vestida.

Equipamento também pode ser fornecido para facilitar certas tarefas. Por exemplo,alças especiais podem tornar mais fácil a segurar uma caneta e ajudar a melhorar a caligrafia.

Um terapeuta ocupacional pode também sugerir maneiras de adaptar a sua casa para movimentar-se mais fácil. Por exemplo, se usar escadas é um problema, montagem de trilhos garra especial pode ser recomendada.

Podologia

Para algumas pessoas com síndrome de hipermobilidade articular, pé chato pode ser um problema.

Se alguém tem pés chatos, essa pessoa não tem nenhum arco na parte interna dos pés, o que pode colocar uma pressão sobre a vizinhas músculos e ligamentos (tecido que liga os ossos juntos em uma articulação).

Se você tiver problemas com os pés, um médico especialista pode recomendar tratamentos tais como palmilhas especiais para apoiar os pés.

Medicação pode ser usada para controlar a dor associada com síndrome de hipermobilidade articular.

Analgésicos disponíveis em farmácias, como paracetamol ou dipirona, às vezes podem ajudar.

Seu médico também pode prescrever um medicamento que contenha paracetamol e codeína, que é um tipo mais forte de analgésico.

Como alternativa, medicamentos antiinflamatórias não-esteroidais (AINEs), tais como ibuprofeno, pode ajudar em alguns casos.

Analgésicos e antiinflamatórios não-esteróides também estão disponíveis como géis ou sprays que podem ser aplicados diretamente sobre as articulações dolorosas.

Certifique-se de que verificar a bula do paciente que vem com seu remédio, antes de tomar qualquer medicação, para certificar-se que é apropriado para você.

Algumas pessoas com síndrome de hipermobilidade articular podem achar a medicação para a dor não é eficaz para eles.

Tratamento da dor

Se os analgésicos não são eficazes na redução da sua dor, você pode beneficiar-se de ser encaminhado para uma especialista em dor, em uma clínica de dor. O seu médico será capaz de fornecer mais conselhos e tratamento.

Por exemplo, algumas pessoas com síndrome de hipermobilidade articular beneficiam de um programa de gerenciamento de dor que incorpora um tratamento multidisciplinar com médico de reabilitação, exercícios, cinesioterapia, fisioterapia e reeducação muscular direcionada.

É possível prevenir a síndrome de hipermobilidade articular?

Como a síndrome de hipermobilidade articular é herdada, não é se é possível de se evitá-la.

No entanto, quando síndrome de hipermobilidade articular provoca sintomas, a prevenção de lesões e dor é possível, evitando-se traumas com as orientações e tratamentos adequados.

Assim, as chaves do tratamento incluem:

  • Educação dos limites do corpo
  • Correção de alterações de marcha
  • Melhora do condicionamento físico geral
  • Treino de fortalecimento para aumento progressivo de força muscular

Vivendo com hipermobilidade articular

A maioria das pessoas com articulações hipermóveis não terá quaisquer problemas e não requerem qualquer tratamento médico ou apoio.

No entanto, a síndrome de hipermobilidade articular benigna pode ser muito difícil de conviver, porque pode causar uma vasta gama de sintomas.

Pessoas com hipermobilidade, muitas vezes, se beneficiam de uma combinação de exercícios controlados e fisioterapia, bem como ajuda adicional para controlar a dor e tornar as tarefas diárias mais fáceis.

A natureza da hipermobilidade articular significa que estão com risco aumentado de lesões, como luxações e entorses.

O manejo da condição pode, portanto, também envolver tratar lesões que possam surgir a curto prazo, ao seguir um plano de tratamento a longo prazo para controlar os sintomas diários.

Qual é o prognóstico para os afetados pela síndrome de hipermobilidade articular?

Freqüentemente, não existem consequências a longo prazo da síndrome de hipermobilidade articular.

No entanto, as articulações hipermóveis podem levar a dor nas articulações.

Ao longo do tempo, a hipermobilidade articular pode levar a artrite e alterações degenerativas da cartilagem.

Certas articulações hipermóveis podem estar em risco de lesão, tais como ligamentos lesados.

Outras condições

Em um pequeno número de casos, a hipermobilidade articular é associada com uma condição subjacente mais séria. Estas são muitas vezes condiçõesherdadas, que os pais passam para seus filhos.

Algumas condições que podem causar a hipermobilidade articular são descritas abaixo.

Síndrome de Ehlers-Danlos

Síndrome de Ehlers-Danlos é o nome de um grupo de condições incomuns que afetam os tecidos conjuntivos. Existem quatro tipos principais de Síndrome de Ehlers-Danlos, a maioria dos quais pode afetar as articulações de alguma forma.

Síndrome de Ehlers-Danlos hipermóvel, anteriormente conhecido como Síndrome de Ehlers-Danlos tipo III, é uma forma da condição que agora muitos especialistas consideram ser a mesma coisa que síndrome de hipermobilidade articular. Este é o tipo mais comum dessa síndrome, e estima-se que afetem cerca de um em cada 100 a 200 pessoas.

Síndrome de Marfan

Como a Síndrome de Ehlers-Danlos, a Síndrome de Marfan afeta os tecidos conjuntivos do corpo.

A condição pode causar articulações hipermóveis, além de uma série de características próprias, tais como pessoas com maior estatura (mais altas) e pessoas com membros anormalmente longos e delgados, como os dedos e pés.

Também pode causar problemas potencialmente graves que afetam o coração e os olhos.

Osteogênese imperfeita

Osteogênese imperfeita é uma condição rara, às vezes conhecida como “doença dos ossos frágeis”, porque faz com que os ossos fiquem mais frágeis, suscetíveis a fraturas.

Algumas formas da condição também podem causar a hipermobilidade articular, juntamente com uma série de outros problemas.

3 Comentários

Deixe o seu comentário.
  • oi meu nome eh marina (por favor não divulguem meu email) e eu tenho frouxidão ligamentar e estou acima do peso mais tenho muitas estrias muito mais que deveria tenho nos braços , ombros ,laterais do corpo, toda barriga e atras do joelho nunca engravidei e possuo so 15 anos porem também possuo sidrome dos ovários policísticos ,pre diabetes e hipotioridismo de hashimoto queria saber que exames deveria fazer para investigar e falei com um dermatologista sobre a frouxidão e ela falou que tem nada a ver mas a frouxidão nao eh causada por um problema no colageno ?

  • Mas isso seria a justificativa de pessoas terem mais facilidade em realizar alongamento a outras?
    Já vimos que para treinamento intenso de esportes para competição, a flexibilidade é importante para evitar problemas musculares, de tendões e até mesmo para evitar fraturas.
    Pelo texto me parece que as pessoas mais flexíveis estariam num patamar diferente, talvez mais abaixo dos mais duros?
    Pode me ajudar nesta interpretação?

Deixe o seu comentário

Send this to a friend