AVISO: NOVO LOCAL DE ATENDIMENTO - Rua Saint Hilaire 96 (a 5 minutos da clínica antiga), de segunda a sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

Fibromialgia: Uma Doença Real

Não sabemos exatamente o que causa fibromialgia, mas graças a pesquisadores franceses, temos uma pista. A Fibromialgia pode estar relacionada a um fluxo sanguíneo anormal em algumas áreas específicas do cérebro.

O Dr. Eric Guedj, do Centro Hospitalar Universitário de Timone, em Marseille, França, foi o pesquisador principal de um trabalho que estudou a perfusão sanguínea (fluxo sanguíneo anormal) como uma das possíveis causas de fibromialgia.

Aprenda mais sobre a Fibromialgia: Causas, sintomas, tratamentos.

“Estudos de imagiologia médica anteriores dos pacientes com [fibromialgia] mostraram fluxo sanguíneo acima do normal em algumas áreas (perfusão cerebral) e abaixo do normal em outras”, explica oDr. Guedj em entrevista. “Após escanear todo o cérebro dos participantes, nós usamos análise estatística para estudar a relação entre atividade funcional, mesmo nas menores áreas do cérebro, e vários parâmetros relacionados a dor, deficiência, ansiedade e depressão.”

Resumindo: Dr Guedj e sua equipe estudaram 30 mulheres, 20 com fibromialgia e 10 pacientes saudáveis.

As mulheres responderam a vários questionários usados na pesquisa médica para quantificar níveis de dor e quão intensamente a fibromialgia limita a vida das pacientes.

Após, as mulheres foram submetidas a tomografia computadorizada de emissão (SPECT) – um tipo especial de escaneamento cerebral.

Os pesquisadores analisaram as respostas das mulheres aos questionários em conjunto com análise das imagens das tomografias.

Tratamento da fibromialgia com Acupuntura.

E o que Foi Descoberto Nesse Estudo Sobre Fibromialgia?

fibromialgia pesquisa

A equipe do Dr. Guedj confirmou que mulheres com fibromialgia tem um fluxo sanguíneo anormal em duas áreas do cérebro:

  • excesso de corrente sanguínea (hiperperfusão) na área do cérebro que interpreta a intensidade de dor.
  • E que há muito pouco fluxo sanguíneo (hipoperfusão) na área do cérebro envolvida em resposta emocional a dor.

Além disso, a equipe do Dr. Guedj descobriu que se os sintomas de fibromialgia de uma participante fossem intensos (o que ficava esclarecido pelos questionários), os níveis de perfusão sanguínea também eram altos. Em outras palavras, a intensidade da síndrome está correlacionada a intensidade do fluxo sanguíneo anormal.

Curiosamente a equipe não achou uma correlação entre a perfusão sanguínea e os níveis de ansiedade ou depressão das participantes. É importante destacar isso, pois anteriormente foi sugerido que a fibromialgia fosse uma dor vinculada à depressão: pacientes com fibromialgia experienciam uma dor tão generalizada por conta da depressão ou ansiedade.

Matéria da Folha de São Paulo: Fibromialgia tortura com dores pelo corpo.

O que isso significa para quem sofre de fibromialgia?

fibromialgia spect pesquisa

Alterações do fluxo cerebral em pacientes com Fibromialgia

Dr. Guedj resume muito bem numa fala para a imprensa: “Esse estudo demonstra que esses pacientes exibem modificações da perfusão cerebral que não é encontrada em pacientes saudáveis, podendo assim reforçar a ideia de que fibromialgia é ‘realmente uma doença/transtorno’.

Em outras palavras esse estudo pode ajudar a reclassificar a fibromialgia de um estado de síndrome para o de doença, por ter sido encontrada uma possível causa para os sintomas de fibromialgia.

Frequentemente, fibromialgia era considerada nos meios acadêmicos como uma síndrome ao invés de uma doença, porque não havia uma causa identificável da mesma. Ao invés disso, existem sinais e sintomas que apontam para um diagnóstico de fibromialgia: por exemplo, dor generalizada, fadiga, problemas para dormir e dores de cabeça.

Esse estudo pode ajudar a comunidade médica a entender melhor a fibromialgia e como efetivamente tratá-la.

Fibromialgia é uma condição complexa, afetando entre 3 e 7 milhões de americanos – em maioria mulheres (motivo pelo qual apenas mulheres foram usadas no estudo francês). No momento, não há um teste sequer usado para diagnosticar fibromialgia; médicos tem que diagnosticá-la por eliminação de outras possíveis síndromes/doenças possíveis e por prestar atenção nos sintomas do paciente.

Esse estudo pode levar a uma forma de finalmente ser possível uma confirmação diagnóstica de fibromialgia.

Outros estudos

Um outro estudo de imagem cerebral revela que pacientes com fibromialgia apresentam atividade cerebral única em resposta à dor. Os pacientes tinham conectividade aumentada entre a região primária do cérebro que reconhece o toque, o córtex somatossensorial S1 e uma segunda região que atribui saliência aos estímulos, a ínsula anterior.

Os resultados sugerem “um substrato neurobiológico para a hipersensibilidade à dor evocada na fibromialgia”, relatam os autores.

Estes estudos servem para aumentar as evidências de que a fibromialgia é uma patologia real, sendo uma dor real devido à alterações de processamento de dor cerebrais. Isto, no futuro, pode direcionar novos tratamentos e medicamentos para o tratamento desta síndrome dolorosa.

Referências:

  1. Guedj et al. Clinical Correlate of Brain SPECT Perfusion Abnormalities in FibromyalgiaJournal of Nuclear Medicine, November 2008; DOI:2967/jnumed.108.053264


Traduzido e Adaptado de Spine Universe por Equipe Clínica Dr. Hong Jin Pai.

1 Comente

Deixe o seu comentário.

Deixe o seu comentário