CENTRO DE TRATAMENTO DE DOR: Dor, Acupuntura Médica, Ondas de Choque, Fisiatria e Fisioterapia.

Fibromialgia e depressão

A fibromialgia é uma doença caracterizada pela dor crônica com duração superior a 3 meses que pode acometer todo o corpo.

Em média o paciente com fibromialgia apresenta entre 11 e 18 pontos gatilhos, que são pontos que possuem hipersensibilidade. 

A doença acomete cerca de 2,5% da população mundial sendo 8 vezes mais comum no sexo feminino. 

Apesar da doença apresentar variação de sintomas, principalmente quando compara-se fibromialgia em homens e mulheres, é comum que pacientes com a síndrome apresentem também quadros de depressão.

A prevalência de depressão em conjunto com a fibromialgia varia entre 49% e 80% dos pacientes. 

Saiba mais sobre a fibromialgia, seus sintomas, causas e tratamento.

Como a fibromialgia atinge a vida dos pacientes 

Pacientes portadores da síndrome de fibromialgia podem ter a vida cotidiana atingida das mais variadas formas. 

Muitas vezes os sintomas apresentados geram transtornos que impedem que o paciente tenha uma vida normal, podendo inclusive gerar incapacidade laborativa. 

Apesar do principal sintoma da fibromialgia ser a dor crônica, existem outros sintomas que podem influenciar nas atividades diárias da pessoa. 

Os principais sintomas apresentados são: 

  • Fadiga
  • Sono não reparador (acordar com a sensação de cansaço)
  • Alterações intestinais
  • Dor ao fazer xixi
  • Formigamentos
  • Dor de cabeça (cefaleia) e enxaqueca
  • Rigidez muscular e articular
  • Sensibilidade extrema ao toque
  • Falhas de memória
  • Dor articular 
Fibromialgia - o que é, sintomas, causas e tratamentos. Aprenda mais
Watch this video on YouTube.
Inscreva-se YouTube - Vídeos de Dor

A relação entre fibromialgia e depressão

fibromialgia e depressão

A presença desses sintomas no paciente de fibromialgia traz prejuízos significativos à sua qualidade de vida. 

O impacto dos sintomas pode ser tão intenso a ponto de impedir que o paciente execute atividades cotidianas limitando inclusive sua interação social. 

A depressão é um das complicações apresentadas por pacientes de fibromialgia e muitas vezes é reflexo da incapacidade que a doença gera. 

Se diagnosticada corretamente, é possível tratar os sintomas e preservar a qualidade de vida do paciente.

Falta de diagnóstico

A medicina ainda não encontrou a cura para fibromialgia mas, se diagnosticada corretamente, é possível tratar os sintomas e preservar a qualidade de vida do paciente.

Como o diagnóstico da fibromialgia não pode ser realizado através de exames laboratoriais ou de imagem, muitos pacientes seguem subdiagnosticados, o que dificulta o tratamento dos sintomas e muitas vezes estende por anos o sofrimento com a doença. 

Com os sintomas presentes cotidianamente, o paciente tem sua capacidade cognitiva afetada, o que pode influenciar em seu desempenho profissional e consequentemente afetar a renda familiar. No âmbito de relacionamentos a fibromialgia também pode interferir no contato social e familiar levando o paciente a um isolamento involuntário. 

Por causa da junção dessas limitações com os demais sintomas a pessoa se vê em uma situação de constante vulnerabilidade, o que gera um alto estresse psicológico e como resultado o paciente pode desenvolver transtornos de saúde mental como ansiedade e depressão.  

Fibromialgia e depressão: um ciclo vicioso

2 1

Se o quadro de fibromialgia pode ocasionar o desenvolvimento de depressão, a presença da depressão pode agravar a fibromialgia.

A depressão de forma isolada já acarreta inúmeras consequências na vida dos indivíduos, a união entre depressão e fibromialgia pode dificultar ainda mais o tratamento de ambas as doenças. 

Por exemplo, uma das indicações para o tratamento da fibromialgia é a prática de exercícios físicos, o paciente com fibromialgia já apresenta certa dificuldade em realizar atividade física devido às dores que a doença causa. 

A depressão pode limitar ainda mais o portador da síndrome, uma vez que pacientes com depressão apresentam entre outros sintomas falta de energia, fadiga e dificuldade de realizar atividades no dia-a-dia. 

Para obter sucesso no tratamento de pacientes de fibromialgia que apresentam também um quadro de depressão é necessário realizar um tratamento em conjunto.

Tratamento de pacientes com fibromialgia e depressão

3 1

De acordo com o Ministério da Saúde, a presença de dor crônica pode levar pacientes  à depressão e, como em um círculo vicioso, a depressão eleva as dores crônicas, por isso é necessário realizar um tratamento de ambas as doenças para interromper o ciclo. 

A depressão é considerada um quadro secundário da fibromialgia, por isso o tratamento da fibromialgia deve ser realizado por equipe multidisciplinar que inclui psicólogos e psiquiatras, entre outros profissionais. 

A princípio é necessário reduzir a dor do paciente para possibilitar outras intervenções para um tratamento eficiente de ambas as doenças. 

A abordagem varia a depender do grau de dor apresentado. O médico responsável pelo acompanhamento, após confirmar o diagnóstico, vai eleger o tratamento adequado para o quadro a depender do grau de sintomas apresentados.

Tratamento farmacológico 

Uma abordagem farmacológica pode ser necessária para reduzir os sintomas iniciais e possibilitar que o paciente seja submetido a outras intervenções para complemento do tratamento. 

Analgésicos e relaxantes musculares

Em pacientes que apresentam um grau elevado de dor ou muitos pontos gatilhos é importante reduzir a dor para tornar os demais tratamentos mais confortáveis.

Medicamentos analgésicos e relaxantes musculares podem ser prescritos, principalmente durante o início do tratamento e quando a pessoa apresentar crises agudas de dores. 

Antidepressivos 

Por acometer grande parte dos pacientes com fibromialgia, muitas vezes é necessário tratar os quadros secundários de depressão com fármacos. 

Os antidepressivos podem ser prescritos para ajudar a controlar distúrbios do sono e ainda reduzem a ansiedade. Além disso, esses medicamentos atuam no controle de neurotransmissores do sistema nervoso central auxiliando também a restabelecer o equilíbrio  do humor. 

Tratamento não farmacológico 

O tratamento não farmacológico inclui várias técnicas terapêuticas e envolve profissionais de áreas diversas. Além do médico responsável pelo diagnóstico e acompanhamento do paciente os principais profissionais envolvidos no tratamento não farmacológico são: 

Psicólogos

Que vão auxiliar o paciente no tratamento da depressão através de terapia, que quando necessário será complementada por tratamento farmacológico. 

Fisioterapeutas

Os profissionais da fisioterapia vão ajudar a devolver ao paciente a força muscular e a flexibilidade musculoesquelética.. Muitas vezes, devido ao alto grau de dor apresentado por pacientes com fibromialgia, a prática de exercícios com impacto se torna inviável, sendo a fisioterapia ideal para auxiliar no fortalecimento muscular sem causar desconforto ao paciente. 

Nutricionista

A alimentação é importante tanto para o quadro de fibromialgia quanto para o tratamento da depressão. 

No caso da depressão, muitas vezes o paciente apresenta baixa imunidade, baixa absorção de vitaminas, etc,  que pode desencadear inclusive quadro de outras doenças. 

Na fibromialgia a alimentação balanceada também é fundamental para complementar o tratamento. Sendo assim, opte por uma dieta saudável que priorize alimentos não inflamatórios e ajuda a reduzir os sintomas da fibromialgia e a fortalecer o sistema imunológico.

Terapias complementares

Para auxiliar no tratamento da fibromialgia e do quadro secundário de depressão algumas terapias complementares são muito eficientes, dentre elas se destacam a acupuntura e o Ioga. 

Acupuntura

A técnica de acupuntura é tradicional da medicina chinesa e consiste em inserir agulhas em pontos específicos do corpo a depender do resultado que se espera alcançar. 

Essa terapia é muito eficiente e atua na redução da dor, no relaxamento muscular, controle de distúrbios do sono, e também reduz a ansiedade e a depressão através de sua ação moduladora sobre o sistema nervoso central 

Através da acupuntura, em muitos casos é possível inclusive reduzir o uso de fármacos analgésicos, antidepressivos e relaxantes musculares. 

Ioga 

A prática de Ioga também auxilia no tratamento tanto do quadro principal de fibromialgia quanto no quadro secundário de depressão. 

Para a fibromialgia a prática terapêutica de ioga ajuda no alongamento muscular aumentando a flexibilidade musculoesquelética, além de auxiliar no fortalecimento muscular e no relaxamento do corpo. 

No quadro de depressão a Ioga atua principalmente no reequilíbrio dos níveis de cortisol no organismo reduzindo o estresse, a  ansiedade e controlando os distúrbios de sono apresentados. 

Saiba mais sobre a fibromialgia, seus sintomas, causas e tratamento.

Clinica Hong Jin Pai Sao Paulo e1621991307344

RUA SAINT HILAIRE 96 – JARDIM PAULISTA – SÃO PAULO – SP

Clínica de Dor, Fisiatria e Acupuntura Médica

Clínica médica especializada localizada na região dos Jardins, próximo à Av. Paulista, em São Paulo — SP.

Centro de Dor, com médicos especialistas pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Tratamento por Ondas de Choque, Infiltrações, Bloqueios anestésicos e Acupuntura Médica

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorado em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Presidente do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira de Regeneração Tecidual (SBRET). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).  

Deixe o seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Send this to a friend