AVISO - COVID-19: Estamos com atendimento segunda/terça/quinta/sexta/sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

Nervos comprimidos podem causar dor nas costas e pescoço

Algumas dores comuns, como na lombar e nas mãos, podem ser resultado apenas o resultado de um nervo comprimido.

Você já ouviu de alguém que a pessoa vem sentindo dores por estar com nervo comprimido? “Nervo comprimido”, por si só, não é diagnóstico de nada, mas pode, sim, ser a causa de uma diversidade de sintomas e a raíz de doenças como hérnia de disco e síndrome do túnel do carpo, estas talvez mais familiares ao seu ouvido e repertório de conhecimentos médicos.

Para entender melhor o que é um nervo e como ele pode estar comprimido, gerando incômodos e dores, é importante saber um pouco sobre a anatomia dessa peça tão importante para nossa locomoção e sensações físicas nas mãos, pernas e pés e também por toda a pele.

Os nervos partem do cérebro para as outras partes do corpo e atuam como espécies de “mensageiros” de sinais do cérebro pela musculatura. Quando um nervo deixa a coluna vertebral e se ramifica em direção aos braços e pernas, recebe o nome de nervo periférico.

Eles são agrupamentos de milhões de fibras nervosas que têm a capacidade de nos fazer movimentar, como caminhar ou pegar um objeto, além de sentir sensações de dor, calor, frio, arrepio, cócegas, etc. Basicamente todas nossas sensações passam por essas estruturas.

 Um nervo periférico é como um cabo de fibra óptica, com vários fios encapsulados numa bainha externa. São como mangueiras de jardim, mas em nível microscópico.

A parte externa da mangueira, aquela que costumamos ver feitas de borracha dura, seria, no caso dos nervos, uma fina membrana por onde as cargas elétricas estáticas viajam.

A parte interna da mangueira transporta fluidos do corpo celular nervoso, que ajudam a nutrir e reabastecer os componentes da parte externa (ou membrana), estes sempre mudando.

Assim, fica mais fácil entender que um nervo comprimido por qualquer motivo (como uma lesão, por exemplo), bloqueia a passagem de sinais nos dois sentidos da mangueira (para cima ou para baixo), impedindo, assim, a passagem de nutrientes pelo seu interior.

Quando isso ocorre, a membrana começa a perder sua capacidade de transmitir pequenas descargas elétricas e a fibra nervosa pode, inclusive, morrer. Uma quantidade significativa de fibras bloqueadas, pode levar, por exemplo, à imobilidade de um músculo ou anestesia da pele.

Sintomas de um nervo comprimido

Os sintomas possíveis são muitos e dependem de qual ou quais nervos estão comprimidos, mas a maioria envolve dor nos membros, sensação de fraqueza, alterações de temperatura local, anestesia, parestesia, e por aí vai.

Muitos sintomas se resolvem sozinhos, se a compressão for temporária, mas alguns demandam tratamento específico. Em alguns casos, inclusive, cirúrgicos.

Um problema mais comum causado pela compressão de nervos na coluna vertebral é a hérnia de disco, quando um disco intervertebral que temos para absorver impactos acaba deformando e, em consequência, “espremendo” nervos que passam por entre a coluna. Você pode ler mais sobre o problema clicando aqui.

Outro diagnóstico conhecido e que tem como fundo a compressão de nervos é a chamada síndrome do túnel do carpo, quando nervos localizados no túnel do carpo – uma estrutura no punha pela qual todos os tendões de flexão dos dedos passam – se comprimem e levam à dor e dificuldade de movimentação dos dedos. Leia mais sobre o problema aqui.

O mais curioso é que os sintomas têm a ver com qual nervo está comprimido, mas nada com o local da compressão. Por exemplo, os sinais da síndrome do túnel do carpo serão os mesmos, não importa se o nervo estiver comprimido no punho ou ainda na coluna vertebral. Isso acontece porque o cérebro não sabe distinguir em que parte do nervo existe o problema, mas apenas que há um problema naquele nervo específico, responsável por um grupo muscular.

Os sintomas de compressão podem incluir:

  • Dor nas mãos (compressão na altura do punho)
  • Dor lombar com irradiação pela perna
  • Espasmos musculares
  • Fraqueza muscular
  • Dificuldade para pegar e segurar objetos
  • Sensação de anestesia
  • Coceira
  • Choque
  • Queimação (como se a pele estivesse ardendo em fogo)
  • Alterações das sensações de frio e calor

Tratamentos para nervos comprimidos

Alguns sintomas de nervos comprimidos, quando não estão ligados a problemas graves ou crônicos, são passageiros e passíveis de melhora com medidas simples que você pode tomar em casa, se perceber algum sintoma dos listados acima ao acordar, por exemplo.

Algo que pode ajudar bastante, a depender da origem do problema, é relaxar a musculatura. Por vezes, apenas o relaxamento já é suficiente para abrandar a pressão sobre o nervo.

Seguem algumas dicas:

  • Alterne entre compressas quentes e frias na área afetada de vinte em vinte minutos.
  • Tome um banho quente para relaxar os músculos
  • Deite-se com uma toalha enrolada embaixo do pescoço
  • Tire proveito de um massageador eletrônico
  • Faça uma massagem relaxante

Muitas vezes, um pouco de repouso ou evitar mexer muito a musculatura afetada também alivia os sintomas. Outras técnicas que podem ajudar são:

  • No pescoço, por exemplo, pode ajudar fazer movimentos circulares. A liberação de endorfina com o movimento pode ajudar a aliviar a dor.
  • A atividade, além de prazerosa, pode ser boa para dores na lombar.
  • Deite-se e leve os seus joelhos na direção do seu peito.Esse tipo de alongamento também é benéfico para dores lombares.

Opções menos naturais, mas que podem aliviar temporariamente os sintomas é o uso de anti-inflamatório ou analgésico comum.

Se sua dor continuar por mais que alguns dias, marque uma consulta com um médico especialista em dor.

Importante:

Após um diagnóstico mais específico da causa do seu nervo comprimido, seu médico poderá um protocolo de tratamento apropriado ao seu caso.

As técnicas escolhidas variam muito de acordo com o problema, a gravidade dos sintomas e o paciente, mas podem incluir:

 

 

  • Medicamentos analgésicos, anti-inflamatórios, antidepressivos e anticonvulsivantes, principalmente
  • Fisioterapia, para prevenção e reabilitação
  • Infiltrações de cortisona ou outros corticóides para alívio das inflamações
  • Cirurgia para correção da compressão, se falha do tratamento conservador

Poucos pacientes acabam precisando de cirurgia para nervos comprimidos. É importante salientar que, na maioria dos casos, tratamentos comuns conseguem aliviar a dor sem a necessidade de uma cirurgia.

 

Send this to a friend