AVISO: NOVO LOCAL DE ATENDIMENTO - Rua Saint Hilaire 96 (a 5 minutos da clínica antiga), de segunda a sábado. Maiores informações, entrar em contato via WhatsApp

A depressão está ligada a dores nas costas

A depressão ligada a dores nas costas é uma consequência da característica dessa primeira doença. Isso porque ela costuma acarretar uma série de outras condições igualmente desagradáveis.

No entanto, a situação pode ser inversa, tendo em vista que uma coisa pode sempre levar a outra. Qualquer que seja a ordem, a busca por um especialista na área é sempre a melhor opção.

Assim, o objetivo principal desse artigo é te mostrar como a depressão ligada a dores nas costas pode ser uma realidade. Acompanhe mais a fundo essa relação e como ela funciona. Veja também o que você pode fazer para tentar combater essas doenças.

Contextualizando um pouco essas condições

A depressão é uma patologia grave que afeta diretamente a forma como você se sente. Ela é mais presente do que se imagina, atingindo várias pessoas e em diferentes idades.

Além disso, as suas causas são das mais variadas, indo de experiências vivenciadas, genética até bioquímica cerebral. Com isso, os sintomas seguem o mesmo padrão de diversificação. Alguns deles estão logo abaixo:

  • Humor depressivo
  • Insônia
  • Sonolência
  • Retardo motor
  • Dores e sintomas físicos

É nesse último tópico que se encontra o foco do artigo. Lembrando que as dores nas costas também podem causar essa doença psicológica. 

Como a anatomia da coluna é bem complexa, qualquer mudança nessa organização pode ser o suficiente para essas dores surgirem. Ainda, elas podem ocupar áreas distintas ao mesmo tempo.

Viver com dor crônica nas costas ou pescoço (cervicalgia ou lombalgia) pode levar à depressão, ansiedade e sensação de estresse. Ainda, outros sintomas relacionados a saúde mental podem ser contemplados.

Portanto, seu médico especialista em coluna ou dor pode acabar sugerindo um encaminhamento para psicólogo ou psiquiatra. Essas são ações bastante comuns nessas situações.

Receber recomendações para procurar um profissional de saúde mental não quer dizer que a dor está só na sua cabeça. Muito pelo contrário, o médico está dando um passo positivo no caminho de tratar você, cuidando do físico e emocional ao mesmo tempo.

Por isso, a depressão ligada a dores nas costas pode ser sim analisada por essas duas especialidades. Assim, as chances de uma melhora progressiva são maiores. Mais a frente você verá um pouco dessa relação.

Dores crônicas nas costas e no pescoço são complexas

Quem vive com dores crônicas cervicais e lombares experimenta um desconforto terrível.

Não importa qual seja a causa. Uma hérnia de disco, espondilose (doença degenerativa dos discos da espinha dorsal), ou qualquer outra.

Então, esses pacientes compreendem bem o quão complicado esse problema é. Tratá-lo com um profissional que seja de fato especialista pode ser um fator determinante para uma melhor qualidade de vida.

Assim, talvez seu programa de administração da dor lombar inclua uma grande combinação de tratamentos. Uma medicação voltada para neuropatia, um relaxante muscular, um bloqueio paraespinhoso ou uma injeção espinhal epidural periódica.

Além disso, algumas sessões de acupuntura ou infiltração de ponto gatilho somado à fisioterapia, podem ser muito úteis. Claro, tudo vai depender de como sua patologia se manifesta e aonde. Com base nisso, as abordagens podem ser diferentes.

Tratamentos contra estresse, ansiedade e depressão (nos seus diferentes tipos) requerem o mesmo nível de perícia. A diferença está na área de especialização, que no caso é mental.

Depressão ligada a dores nas costas: Qual a relação existente?

A dor é uma das principais causas de dependência. Ela pode impedir que o indivíduo realize atividades que antes costumavam ser simples e rotineiras. Ao ter essas restrições, a autoestima costuma ser um dos pontos mais afetados.

Desse modo, a pessoa começa a desenvolver pensamentos mais negativos e ansiosos. Isso é um gatilho enorme para que doenças como depressão se instalem e causem mais danos ainda.

Essa relação de causa e consequência na qual essas duas doenças se encontram é bem perigosa. Isso porque o surgimento de uma aumenta significativamente o risco para outra.

No ramo da ciência, ainda não se sabe explicar muito bem como essa interação está mapeada. No entanto, se conhece exatamente quais são os possíveis resultados finais.

Além disso, essa combinação não está restrita a uma certa faixa etária. Qualquer pessoa de qualquer idade pode adquirir depressão ligada a dores nas costas.

Porém, é sabido que indivíduos mais velhos têm uma chance ainda maior de caírem nessas condições. Isso porque problemas como lombalgia são muito mais comuns em idades avançadas. Claro que, como dito, não existem regras específicas.

Outro fato que corrobora essa interação, é que idosos geralmente perdem um pouco da independência. Isso contribui para variações no humor e tristeza. Assim, o desenvolvimento de um comportamento depressivo não é uma surpresa para ninguém.

Então, da mesma forma que essas doenças se conversam, os seus respectivos tratamentos também precisam dialogar entre si. Por isso a importância de ser ter profissionais atuando nas duas áreas, de modo que o objetivo final seja a melhora da qualidade de vida.

Nos próximos tópicos você vai ver como isso é possível. Acompanhe quais são as formas existentes hoje que os especialistas usam para combater essas condições.

Alguns remédios mostraram-se seguros e efetivos para administração de depressão ligada a dores nas costas.

Tratando depressão e dores crônicas

Duas classes de antidepressivos são frequentemente utilizadas para tratar depressão em pessoas que sofrem de dores crônicas. Uma delas é atribuída a funções de inibidor seletivo de recaptação se serotonina, os chamados ISRS.

Já o outra, atua como inibidora de recaptação de norepinefrina (IRNs). Os medicamentos nesse grupo são muitos. Dentre os ISRSs mais comumente prescritos tem-se a duloxetina e venlafaxina.

Assim, esses remédios mostraram-se seguros e efetivos para administração de depressão ligada a dores nas costas. No entanto, é necessário cuidado. Como a grande maioria das medicações existentes, podem sim haver riscos e efeitos colaterais.

Desse modo, sempre, tenha certeza de discutir o uso desses inibidores com seu médico. Isso antes de começar qualquer regime de tratamento de dor crônica que os inclua. 

Também, é importante que você informe o mesmo de qualquer medicamento (incluindo os que não necessitam de receita), homeopáticos e suplementos que está tomando. 

Isso é fundamental para evitar qualquer tipo de interação negativa entre as substâncias, causando problemas ainda maiores. Isso porque alguns elementos não podem estar atuando juntos.

Ainda, o principal é, só tome esses remédios se eles forem prescritos. Nunca se automedique. Essas são doenças sérias e que o uso indevido de remédios pode trazer consequências muito graves.

Depressão liga a dores nas costas: Tratando cervicalgias e lombalgias

O uso de medicamentos geralmente é a forma de tratamento mais indicada. No entanto, existem algumas outras alternativas que podem ser adicionadas no esquema feito pelo médico. Acompanhe agora algumas delas e como elas funcionam.

Terapia cognitiva comportamental -TCC

Ela também é conhecida como terapia de conversa. Sua abordagem é diretiva e breve. Sempre focada na questão na qual o paciente está lidando no momento.

Assim, o objetivo da terapia cognitiva comportamental é ajudar a pessoa a administrar sua situação. Nessa tarefa pode ser inclusa a tentativa de cativar o paciente a mudar certos padrões de pensamentos.

Desse modo, o intuito é que o mesmo comece a voltar sua mente para um comportamento mais positivo, aprendendo como resolver problemas e perder medos. Isso no contexto de depressão ligada a dores nas costas.

Além disso, toda a base desse tratamento é mostrar ao paciente o que de fato o afeta. Explicar que eventos vivenciados não são os responsáveis pelos danos emocionais, e sim, a forma como cada um interpreta essas situações.

Essa pode ser uma alternativa de grande ajuda para quem sofre com dores crônicas. A busca por um comportamento mais otimista pode ajudar o indivíduo a encarar esse problema de maneira mais leve. Claro, dentro do possível.

Meditação

Essa é uma das atividades mais indicadas para esse conjunto de condições aqui citadas. Sua principal função é trabalhar algumas habilidades específicas como concentração, tranquilidade e foco.

Dessa forma, é uma alternativa para lidar com o estresse e ansiedade. Principalmente para conseguir se desconectar um pouco das influências negativas resultantes de algumas situações.

Além disso, já é comprovado que a meditação auxilia diretamente e indiretamente na maneira como as pessoas encaram suas experiências. Para quem sofre de dores crônicas, isso pode ser um artifício interessante, tanto para aliviar a mente, quanto o corpo.

Ainda, existem diversos tipos de meditação. Cada indivíduo pode escolher a que mais funciona no momento e começar a praticá-la. O mais importante é ficar confortável, seguir uma rotina, buscar concentração e jamais se cobrar.

Lembrando que, essa opção não só pode como dever ser seguida de outras formas de tratamento. Só a meditação pode não ser o suficiente, mas junto com outras técnicas ela é bastante efetiva.

Exercícios respiratórios

Pacientes que vivem sentindo dor geralmente costumam também ter a sensação de sufocamento. Como se experimentassem um sofrimento constante. O que de certo modo se encaixa.

No entanto, buscar formas de encarar isso pode acabar trazendo uma perspectiva mais otimista. Aí que entra a importância de saber trabalhar a respiração.

Assim, o paciente consegue lidar melhor com os sintomas da depressão, estresse e ansiedade provenientes das condições físicas. É uma maneira de tentar estabilizar o sistema nervoso.

É recomendado ao paciente tirar alguns minutos do dia para exercitar a respiração. Existem algumas técnicas que podem ser aplicadas, indo da escolha de cada um ou do profissional que acompanha, quando for o caso.

A primeira delas é a alternância entre as narinas. Você pode também praticar a respiração quadrada, de tronco flexionado, respiração abdominal e respiração pelo diafragma.

Grupos de apoio

Uma das coisas que faz o ser humano se sentir melhor é quando ele sabe que não está sozinho em uma situação. É para isso que um grupo de apoio serve. Nele você pode compartilhar suas experiências com depressão e com dores nas costas.

Ainda, você consegue ouvir várias histórias sobre depressão ligada a dores nas costas que podem te inspirar ou te dar uma perspectiva diferente. Essas condições são bem difíceis de se conviver, no entanto, é muito pior quando não se tem uma base de apoio.

Portanto, vale a pena pesquisar se existe algo do tipo perto de você. Muitas pessoas demonstram melhora nesses quadros quando começam a frequentar essas reuniões. Pode parecer estranho, mas o diálogo e a troca são ferramentas poderosas em qualquer âmbito.

Exercícios físicos regulares

Essa é uma alternativa que requer um certo cuidado. Quem sofre de dores nas costas deve sempre buscar uma ajuda profissional nessa área primeiro. Isso porque não são todos os exercícios que serão bem recebidos pelo seu corpo.

Então, é necessário um pouco mais de atenção e o acompanhamento de um especialista. Assim, ele conseguirá avaliar sua condição e, com base nela, passar as atividades que mais se encaixam para você.

No entanto, apesar de muitas pessoas não colocarem tantas expectativas nessa forma de tratamento, ela de fato funciona. Uma rotina regular de exercícios físicos pode fazer com que seu corpo vá relaxando, bem como sua mente.

Desse modo, vale muito a pena tentar praticar. A respiração e meditação são opções que combinadas a essa, geram resultados ainda melhores. Portanto, dê uma chance e busque alguém qualificado para te ajudar nessa tarefa.

Acupuntura

Proveniente da medicina tradicional chinesa, esse tratamento pode ser muito eficiente nesses casos. Ela é capaz de tratar mais de 450 doenças. Em patologias crônicas, ela é utilizada como um agente coadjuvante.

Assim, medicamentos geralmente são os protagonistas. Porém, no combate ao estresse e depressão, ela faz muito bem seu papel. Uma de suas funções é buscar restaurar o equilíbrio emocional.

Então, ela é indicada para tratar parte dos problemas citados.

No entanto, essa é uma ferramenta tão potente que acaba contribuindo para que todo o corpo entre em um estado de maior harmonia.

Dessa forma, é muito comum que médicos encaminhem seus pacientes para sessões de acupuntura.

Fazendo com que o tratamento seja mais completo e por consequência, traga resultados mais promissores.

Pronto, agora ao final dessa leitura você sabe como tratar depressão ligada a dores nas costas. Não esqueça sempre de buscar profissionais capacitados e jamais se automedique.

Essas são sempre as partes principais para que qualquer método citado funcione corretamente.

Deixe o seu comentário

Send this to a friend