CENTRO DE TRATAMENTO DE DOR: Dor, Acupuntura Médica, Ondas de Choque, Fisiatria e Fisioterapia.

Dor no quadril pode ser Síndrome do Piriforme – Dor glútea profunda

A síndrome do piriforme é uma inflamação ou tensão excessiva no músculo piriforme. Seu principal sintoma é uma dor profunda na região glútea, que pode descer pela perna.

Nessa síndrome o nervo ciático passa por dentro do músculo piriforme

 

O músculo piriforme é um músculo profundo na região da nádega que conecta o osso da coxa no quadril ao cóccix e lombar. Este músculo corre diagonalmente para cima do quadril e está localizado sob os glúteos.

Quando este pequeno músculo aperta e/ou espasmos, isso pode causar uma dor na nádega. Isso se chama Síndrome de Piriforme. Além da dor na nádega, o nervo ciático pode ficar irritado e sintomas de ciática, como dor na parte de trás da coxa, perna e pé podem aparecer.

O nervo ciático corre verticalmente de sua lombar para baixo na parte de trás da coxa e pode passar atrás do músculo piriforme ou direito através deste músculo. A estreita relação do nervo ciático e do músculo piriforme é a razão pela qual muitos indivíduos com síndrome de piriforme são mal diagnosticados.

O nervo ciático pode ficar comprimido e/ou irritado em muitos lugares diferentes:

1) Na parte inferior das costas,

2) Sob o músculo piriforme,

3) Em qualquer lugar ao longo da parte de trás da perna.

É importante que um médico especialista em dor avalie você para determinar de onde sua ciática está se originando para que o tratamento possa ser específico para o local da disfunção.

O músculo piriforme atua como rotador externo, abdutor fraco e flexor fraco do quadril, proporcionando estabilidade postural durante a deambulação e de pé. Sua lesão pode resultar em dor glútea profunda e irradiada.

O músculo tem origem na superfície anterior do sacro, geralmente nos níveis das vértebras S2 a S4, ou perto da cápsula articular sacroilíaca.

A correta compreensão da síndrome do piriforme requer o conhecimento das variações nas relações entre o nervo ciático e o músculo piriforme.

Em até 96% da população, o nervo ciático sai do forame ciático mais profundo ao longo da superfície inferior do músculo piriforme. Em até 22% da população, o nervo ciático perfura o músculo piriforme, divide o músculo piriforme, ou ambos, predispondo esses indivíduos à síndrome.

O nervo ciático pode passar completamente através do ventre muscular, ou o nervo pode se dividir – com um ramo (geralmente a porção fibular) perfurando o músculo e o outro ramo (geralmente a porção tibial) correndo inferior ou superiormente ao longo do músculo.

Raramente, o nervo ciático sai do forame ciático maior ao longo da superfície superior do músculo piriforme.

 

Alguns sintomas da síndrome do piriforme ocorrem como resultado de inflamação local e congestão causada pela compressão muscular de pequenos nervos e vasos, incluindo o nervo pudendo e vasos sanguíneos, que saem na borda inferior medial do músculo piriforme.
SÍNDROME DO PIRIFORME scaled

Causas da síndrome do piriforme

Ficar muito tempo sentado

Ficar o tempo todo sentado no trabalho contribui muito para a síndrome do piriforme, sem contar que ficar na mesma posição muito tempo pode causar outros problemas, principalmente se ficar sentado com a postura errada.

Exercícios excessivos para o glúteo

O exagero nos exercícios de hipertrofia para glúteos pode resultar na compressão e pinçamento do nervo ciático.

Variações anatômicas

As variação podem fazer com que o nervo ciático passe pelo ventre do músculo piriforme.

Traumas na região

Lesões e vícios posturais podem levar à inflamação dos tecidos moles, espasmo muscular ou ambos, com compressão nervosa resultante. Microtrauma pode resultar do uso excessivo do músculo piriforme, como em caminhadas ou corridas de longa distância, ou por compressão direta

Espasmo muscular local

Pode ser uma irritação ou contratura do próprio músculo glúteo, ou mesmo de estruturas adjacentes locais, como o quadril ou articulação sacro-ilíaca.

Sentar em cima da carteira

A pressão exercida por sentar na carteira em cima dos glúteos pode levar a uma compressão do músculo piriforme. Esta acaba sendo uma causa comum de dores nessa área, muitas vezes negligenciada.

Sintomas da dor do piriforme

Sintomas da dor do piriforme

Sintomas da Síndrome do Piriforme (dor glútea profunda)

Dor aguda ou tensão na região glútea

Dor presente na região glútea, podendo irradiar pela perna posteriormente.

Sensação de choque e formigamento

Podendo também irradiar pela perna, até o pé, pela região posterior ou lateral da coxa.

Dificuldade para sentar

A pressão em cima do músculo, ao se sentar, pode piorar ou gerar dor.

Dor que piora ao ficar sentado

Ao continuar na posição sentada, a dor aumenta de intensidade e irradiação.

Dor que piora com movimento

Atividades como pedalar, subir escadas podem piorar a dor.

Dificuldade para andar

Com a dor intensa ou irradiada, pode haver dificuldade para deambular e apoiar a perna no chão.

Diagnóstico da síndrome do piriforme

Na maioria dos casos, um exame clínico que exclui uma patologia lombossacra da coluna vertebral como a causa de seus sintomas vai suspeitar de síndrome piriforme.

Uma avaliação clínica correta e completa é muito importante.

Diagnósticos diferenciais comuns de dor glútea profunda incluem a ciatalgia (dor do nervo ciático), radiculopatia por hérnia de disco, dor miofascial, sacroileíte (inflamação da articulação sacro ilíaca), osteoartrose, e outras dores articulares.

O médico especialista fará o exame físico, com a avaliação da postura, trofismo muscular, alinhamento da coluna vertebral, exames neurológicos de força, reflexo e sensibilidade.

Se necessário, o médico poderá também solicitar exames de imagem ou complementares para o diagnóstico, como a ressonância magnética nuclear, radiografias, e eletroneuromiografia dos membros inferiores.

Estudos de imagem podem ser úteis para o diagnóstico da síndrome do piriforme. Radiografias simples (raio-x) são tipicamente normais. A ressonância magnética pode ser usada para descartar outras possíveis causas dos sintomas e pode mostrar variações anatômicas ou alterações no músculo piriforme que aumentam o risco da síndrome.

A neurografia por ressonância magnética, que pode ser usada para obter imagens de nervos, pode demonstrar inchaço ou outras alterações ao redor do nervo ciático para apoiar o diagnóstico. A eletromiografia, que registra a atividade elétrica dos músculos, pode ser útil, mas um teste negativo não exclui o diagnóstico.

Tratamento da síndrome do piriforme

O tratamento consiste em duas fases.

Primeiro, reduzir a dor relaxando o músculo através do gelo ou calor, eletroterapia, massagem e alongamento. Em seguida, quando a dor permite fortalecer o músculo para ajudar a prevenir a lesão recorrente.

 

 

1 – Reduzir a dor

Caso a dor glútea profunda esteja aguda, a aplicação de gelo pode ajudar a reduzir o espasmo muscular.

Caso a dor esteja crônica, pode responder melhor à terapia de calor para relaxar o músculo. No entanto, o calor não deve ser aplicado em uma lesão aguda, inflamação ou recente laceração do músculo é suspeita, pois poderá aumentar o inchaço e inflamação.

Para condições de início gradual ou mais crônicas, o calor na forma de um banho quente ou garrafa de água quente aplicada por aproximadamente 20 minutos três vezes ao dia pode ajudar a liberar o espasmo muscular e incentivar o fluxo sanguíneo através do músculo. Aplicar calor antes de realizar exercícios, particularmente exercícios de alongamento pode ajudar a aumentar a eficácia dos exercícios.

Um médico pode prescrever medicação anti-inflamatória para reduzir a dor e a inflamação. Um fisioterapeuta pode usar massagem esportiva ou eletroterapia, como ultra-som, para relaxar o músculo. A massagem nesta fase também pode ser benéfica na liberação de espasmos musculares no piriforme.

Descanse de qualquer atividade que piore os sintomas. É provável que isto inclua corridas e outras atividades que suportem peso.

 

2 – Melhorar a flexibilidade

Exercícios suaves de alongamento do piriforme devem ser feitos, mas apenas se a dor o permitir, pois isso também deve reduzir a pressão sobre o nervo que causa a dor.

Os alongamentos devem ser mantidos durante cerca de 20 segundos e feitos em conjuntos de 2 a 3, repetidos pelo menos três vezes por dia. O objetivo é alongar e relaxar o músculo piriforme de modo que, por sua vez, ele irá reduzir a pressão sobre o nervo ciático e aliviar os sintomas.

O tratamento e a reabilitação da síndrome do piriforme concentram-se na libertação da tensão muscular e na correcção de quaisquer desequilíbrios musculares ou causas biomecânicas que possam estar a contribuir para a condição.

 

 

Inscreva-se YouTube - Vídeos de Dor

As opções de tratamento clínico incluem:

intervencao dor coluna

--Injeções de toxina botulínica (nome comercial: Botox®, Dysport®) que podem reduzir espasmos musculares e aliviar a dor glútea profunda.

--Prescrição de medicamentos para a dor ou relaxantes musculares.

-Corticosteroides ou injeções anestésicas.

-Acupuntura, manipulação quiroprática e infiltrações de ponto de gatilho.

--Fisioterapia para recuperar o uso do piriforme, e para prevenir a fraqueza muscular relacionado ao desuso e disfunção nos músculos adjacentes.

-Como último recurso, a cirurgia é uma opção. Uma opção é cortar o tendão piriforme onde ele se prende ao quadril. A outra é cortar no piriforme para aliviar a pressão sobre o nervo ciático.

Meios físicos para o tratamento

Medidas simples podem ajudar no tratamento inicial da dor, como as compressas de gelo.

Pode ser mais útil combinar uma massagem suave com o gelo. Deitar de barriga para baixo, e ter alguém massageando suavemente a área dolorosa com gelo.

Se o gelo for aplicado diretamente na pele, limite-o a 8 a 10 minutos para evitar uma queimadura de gelo.

Infiltração de pontos gatilhos

Infiltracao de Ponto Gatilho

 

A infiltração de pontos gatilhos a seco ou com lidocaína, procedimento realizado pelo médico fisiatra, pode também ajudar no controle da dor miofascial.

O médico localiza o músculo pela anatomia topográfica, e faz a infiltração diretamente no músculo piriforme, para diminuir o espasmo e contratura muscular, podendo resultar em alívio da dor por um bom período.

O médico fisiatra poderá também realizar a infiltração e bloqueio paraespinhoso no caso de sensibilização da dor, por meio de infiltrações paravertebrais na coluna lombar, visando o bloqueio e relaxamento da musculatura local.

Acupuntura no tratamento da síndrome do piriforme

A acupuntura é também uma ótima aliada no controle da dor da síndrome do piriforme.

O médico especialista em acupuntura fará um tratamento individualizado, utilizando-se dos efeitos analgésicos, anti-inflamatórios e relaxante muscular da acupuntura para corrigir a contratura do músculo piriforme e também de outras musculaturas associadas, como a musculatura paravertebral da região lombar.

Quais exercícios evitar?

Geralmente, recomenda-se evitar durante o tratamento a corrida, pelo alto impacto. Os pacientes geralmente relatam piora da dor logo após poucos minutos da corrida.

A bicicleta também não é recomendada no início, pelo assento poder realizar aumento de pressão na musculatura, e pelo desconforto causado pelos movimentos repetitivos de flexão e extensão.

 

Músculo piriforme e a corrida

Para uma corrida eficiente, a pelve tem de ser mantida numa posição estável durante a fase do aplanamento do pé. O músculo piriforme contribui para que as forças estabilizadoras mantenham a pelve nivelada.

Se o piriforme e musculatura acessória não disparar a tempo e em sincronia, a pelve cai no lado oposto ao da planta do pé. Assim, este grupo de músculos está trabalhando adequadamente durante a corrida para manter o nível da pelve e do movimento de corrida mais eficiente. Se o grupo muscular não está condicionado para a carga repetitiva, a dor surge.

O piriforme é muitas vezes uma vítima de atividade e carga inadequada. Ou seja, o músculo é solicitado a fazer mais do que está condicionado a fazer, resultando em uma tensão crônica que não pode curar sob suas demandas de carga atual.

O piriforme também pode sofrer sobrecarga quando a pelve não está em seu alinhamento normal, assim como os pneus de carro se desgastam anormalmente quando o alinhamento está desligado.

Basta colocar a pelve em seu alinhamento pretendido, e muitas vezes é o suficiente para os alívios das dores nos glúteos durante o exercício.

 

Vídeo com exercícios para reabilitação do piriforme

Stretches for the Piriformis to relieve hips and low back pain with Justine Shelton, C-IAYT
Watch this video on YouTube.

Qual o tempo de recuperação?

Infelizmente, não há uma regra geral quanto ao tempo de recuperação.

A reabilitação irá depender de inúmeros fatores, como o grau da lesão, o grau da contratura muscular e os tratamentos prévios já realizados.

Com diagnóstico e tratamento imediatos, o prognóstico é bastante bom. No entanto, a condição pode se tornar crônica; um resultado ruim pode ser provável se o diagnóstico e o tratamento forem retardados.

É muito raro a necessidade de um tratamento cirúrgico.

Vou precisar de cirurgia?

Geralmente, no tratamento de dor glútea profunda, pode se tentar a descompressão do nervo ciático apenas com a falha do tratamento conservador.

Em estudos médicos, mais de 95% dos casos são tratados clinicamente, com medidas conservadores. A associação de atividade física, tratamento farmacológico e não farmacológico é geralmente o suficiente para o alívio das dores.

Embora uma opção de último recurso, a remoção de uma porção do músculo piriforme ou seu tendão tem sido relatado para fornecer alívio em casos refratários.

Síndrome do piriforme e gestação

Na gestação, há aumento da secreção do hormônio “relaxina”, que aumenta o estiramento pélvico e pode potencialmente abrir o espaço nas articulações sacro-ilíacas, resultando em dor glútea profunda.

A coluna vertebral também aumenta na lordose (a curvatura vai anterior), que inclina a pelve para a frente, movendo-a para uma maior flexão.

Estas alterações biomecânicas combinadas fazem com que o grupo de músculos glúteos da anca/pelve se torne alongado e tenso, especialmente os músculos profundos e pequenos da anca, incluindo o piriforme.

A gestante pode sentir dor por conta disso e o quadro tende a piorar a medida que a gestação avança.

Na gestação, muitos medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios são contra-indicados, e deve-se procurar ajuda especializada para melhor resolução do quadro.

Embora a ocorrência da síndrome do piriforme não seja facilmente eliminada devido aos fatores agravantes fisiológicos e posturais/biomecânicos durante a gravidez, a massagem terapêutica, fisioterapia e acupuntura podem ser utilizadas como medidas preventivas e para aliviar os sintomas quando agravados.

Pós-parto, as novas mães que evitaram a síndrome do piriforme durante a gravidez podem encontrá-la posteriormente devido a posições assumidas durante o trabalho de parto, longos períodos de sentar-se nas nádegas e inatividade prolongada.

Embora o período pós-parto exija muita inatividade das novas mães que cuidam dos recém-nascidos, este é o momento mais importante para recondicionar ativamente os músculos e articulações através de atividades leves, alongamentos regulares e massagens terapêuticas.

Conclusão

A síndrome do piriforme pode ser a causa mais comum de dor na região lombar baixa e glútea, que muitas vezes ainda é desconhecida.

Se tiver dores persistentes e inexplicáveis nas nádegas que vão até à perna, evite carregar a carteira no bolso de trás, tente não se sentar tanto e consulte o seu médico.

Você pode ter um problema no disco ou algum outro problema comum nas costas, mas pode ter síndrome do piriforme e descobrir mais cedo ou mais tarde pode fazer a diferença.

Clinica Hong Jin Pai Sao Paulo e1621991307344

RUA SAINT HILAIRE 96 – JARDIM PAULISTA – SÃO PAULO – SP

Clínica de Dor, Fisiatria e Acupuntura Médica

Clínica médica especializada localizada na região dos Jardins, próximo à Av. Paulista, em São Paulo — SP.

Centro de Dor, com médicos especialistas pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Tratamento por Ondas de Choque, Infiltrações, Bloqueios anestésicos e Acupuntura Médica

Dr. Marcus Yu Bin Pai

CRM-SP: 158074 / RQE: 65523 - 65524 | Médico especialista em Fisiatria e Acupuntura. Área de Atuação em Dor pela AMB. Doutorado em Ciências pela USP. Pesquisador e Colaborador do Grupo de Dor do Departamento de Neurologia do HC-FMUSP. Diretor de Marketing do Colégio Médico de Acupuntura do Estado de São Paulo (CMAeSP). Integrante da Câmara Técnica de Acupuntura do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP). Secretário do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED). Presidente do Comitê de Acupuntura da Sociedade Brasileira de Regeneração Tecidual (SBRET). Professor convidado do Curso de Pós-Graduação em Dor da Universidade de São Paulo (USP). Membro do Conselho Revisor - Medicina Física e Reabilitação da Journal of the Brazilian Medical Association (AMB).  

45 Comentários

Deixe o seu comentário.
  • Ola Gostaria de parabenizar o texto que foi muito esclarecedor e objetivo e também gostaria de compartilhar minha experiencia pois em março de 2014 eu comecei a sentir muita dor na perna esquerda e devido problema precisei ate me afastar do trabalho fiz varias consultas com especialistas onde constatou que o problema era no músculo do piriforme e nervo ciático em seguida fiz o tratamento com acupuntura que abriu todo o caminho da cura posteriormente fiz dez meses contínuos de hidroginástica que auxiliou no alongamento do músculo e nervo, hoje felizmente não sinto mais nada, estou bem. espero muito ter ajudado.

  • Faz 4 meses que estou que dor no gluteo direito e nenhum medico consegue
    diagnosticar. Qdo tomo relaxante muscular alivia, mas a dor volta.
    qual o tratamento correto!!! qdo durmo me viro muito a noite e durmo em cima do gluteo. qdo acordo nem consigo pisar no chao.
    sera que PRP ajuda??

  • Tenho esta queimação que começa na nádega e vai até o pé esquerdo há pelo menos 6 meses. Aparece sempre a noite e ocasionalmente durante o dia. Aparece no repouso e melhora com a atividade física. As dores são todas as noites, durmo com ela e acordo sem ela. Fiz RNM da coluna e ENM onde não há alterações que explicam as dores. Fiz uso de muitos antiinflamatórios não hormonais e hormonais, acupuntura e fisio sem melhoras. Acredito ser Síndrome do Piriforme, apesar de não ter um diagnóstico definito. Estou aprendendo a conviver com as dores, porque, se melhorar, vai ser só com o tempo.

  • Comecei a ter esta dor nos ultimos dois dias. Sem antes consulturar algum fisiatra ou fisioterapeuta, cheguei a conclusao que a minha carteira do bolso, e’ a causa e porque tambem fico sentado durante muito tempo no trabalho. No entanto, acho que as minhas dores como sao recentes, vou optar pelo gelo e tambem pelo balssamo. Aconselho aos desesperados a tentarem o balssamo e o gelo. Facam a fisioterapia do video e terao resultados e penso que terao! Boa sorte a todos e nao desistem por favor. Sempre que puderem tambem, facam umas caminhadas de 30 minutos por dia.

  • Muito bom artigo, estou sentindo essas dores a quase dois anos e ainda não tinha ido ao médico e só procurei saber agora por que a dor e dormência aumentaram, mas pelo seu artigo vi que é por que eu estou gestante e a dor não passa antes até que passava e ficava dias sem sentir, mas agora não passa mais, vou procurar um médico urgentemente.

    Muito obrigada Dr.Hong pela explicação muito bem abordado.

Deixe o seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Artigos relacionados

Send this to a friend